rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Acionistas de banco espanhol vendido por 1 euro processam Comissão Europeia

Por RFI

A Justiça espanhola aceitou nesta terça-feira (13) denúncia de um grupo de 9.500 acionistas do Banco Popular, comprado na semana passada por 1 euro simbólico pelo Santander. Na ação, a Comissão Europeia é acusada de ter encobertado uma operação que lesou os acionistas.

Luisa Belchior, correspondente em Madri

A compra do Banco Popular pelo Santander inaugurou uma nova fase na União Europeia. Foi a primeira vez que Bruxelas interveio em uma operação bancária e autorizou a compra, como parte de um mecanismo adotado pelo bloco para evitar uma nova crise financeira comparável à de 2008. Na véspera da transação, o executivo europeu havia declarado a falência da instituição espanhola.

O Banco Popular, que já esteve entre os sete maiores da Espanha, vinha enfrentando problemas financeiros graves desde o ano passado. Sobretudo por conta de bilhões de euros em créditos imobiliários acumulados na época da crise de 2008 que a entidade não conseguia vender. A liquidez da instituição chegou ao fundo do poço, quando as ações do banco na bolsa passaram a valer quase zero. Foi então que o Banco Central Europeu (BCE) e a Comissão Europeia intervieram na situação, e declararam o Popular oficialmente quebrado.

Mas, desta vez, Bruxelas não resgatou a instituição, julgando que o banco, mesmo com ajuda, seria incapaz de pagar suas dívidas. Em vez disso, o BCE autorizou a venda do Popular e endossou a proposta de 1 euro feita pelo Santander. Apesar do valor simbólico da compra, o Santander se comprometeu a quitar as dívidas do Popular e planeja gastar cerca de € 7 milhões para tampar o rombo. Os clientes do banco falido passaram a ser atentidos pelo Santander e suas contas não foram afetadas. Já os acionistas do Popular perderam tudo que haviam investido no banco. Até o ano passado, mais de 300 mil pessoas tinham ações da instituição fundada em 1926.

Comissão Europeia e BCE têm mandado para decisão

A Comissão Europeia justificou essa autorização afirmando que a proposta do Santander reunia todos os requisitos e que o Popular não conseguiria, mesmo com um resgate, sustentar suas dívidas.

O presidente do Banco Central Europeu, Mário Draghi, alegou que não houve nenhuma participação estatal na operação, o mesmo argumento do governo espanhol. O ministro de Economia do país, Luis de Guindos, foi ao Congresso espanhol explicar que o governo não deu dinheiro público.

Na época da crise financeira que abalou as estruturas da União Europeia, Bruxelas resgatou países inteiros, caso de Portugal e da Grécia, e também todo o setor bancário da Espanha, em 2012. Naquele ano, a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o BCE decidiram criar um mecanismo para tentar evitar novos resgates. Essa medida determinava que Bruxelas iria decidir se um banco em vias de quebrar poderia ser levado diretamente a leilão, sem passar pelo resgate. Era uma forma de evitar que os cidadãos europeus continuassem pagando pelas dívidas dos bancos. No lugar disso, os acionistas das entidades passaram a arcar com esse custo. Foi o que aconteceu com o Banco Popular.

Antes desse mecanismo, os bancos em vias de falência recebiam uma injeção de dinheiro público dos cofres europeus, e o preço de suas ações se mantinha mais ou menos estável. A compra do Popular pelo Santander inagura essa nova fase do setor bancário europeu.

Acordo entre Mercosul e UE deve ser assinado neste mês, afirma Temer em reunião da OMC

Votos brancos e nulos superam 65% em votação sobre judiciário da Bolívia

Resolução da ONU que levou à criação de Israel completa 70 anos, sem paz

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico