rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Franco-brasileiro transforma Renault em líder mundial do setor automobilístico

Por Adriana Moysés

O grupo franco-japonês Renault-Nissan-Mitsubishi tornou-se em julho o número 1 mundial da indústria automobilística, uma conquista que leva a assinatura do dirigente brasileiro-franco-libanês Carlos Ghosn, nascido em Rondônia. Aos 63 anos, completados em março, Ghosn saboreia o maior triunfo de sua carreira em uma entrevista de 12 páginas à revista semanal francesa Le Point.

Ghosn é um executivo controverso. Ele desperta críticas e admiração no mundo dos negócios pelo sucesso que alcançou na carreira. Muito já se falou sobre a forma impiedosa com que ele fechou fábricas e demitiu centenas de trabalhadores no Japão quando assumiu a direção da Nissan, na época em crise. Na França, ele é atacado por sindicalistas inconformados com os € 15 milhões de euros que ganhou no ano passado, fruto de dois salários, um pela Renault (€ 7 milhões) e outro pela Nissan (€ 8,4 milhões), depois de impor sacrifícios aos empregados do grupo.

Mas, deixando a polêmica de lado, o que se extrai da entrevista de Ghosn à Le Point é o acerto na estratégia estabelecida pelo executivo para destronar a Toyota e a Volkswagen e se tornar líder mundial na venda de veículos. De acordo com previsões que Ghosn confirma, a Renault-Nissan-Mitsubishi vendeu no primeiro semestre 5,25 milhões de carros, 100 mil a mais do que a número 2, Toyota, e 150 mil acima da Volkswagen.

Brasileiro, francês e libanês, Ghosn adora o Japão

Competitivo, disciplinado e exigente, como os melhores atletas, Ghosn enumera as vantagens de chegar ao topo do pódio: "os melhores fornecedores, principalmente os de alta tecnologia, querem trabalhar com a gente", destaca o executivo.

O segredo do sucesso, como ele descreve ao longo da entrevista, foi ter preservado a cultura de cada montadora depois de ter efetuado os ajustes necessários.

O executivo absorveu totalmente a cultura japonesa. No grupo, os engenheiros franceses e japoneses trabalham de maneira transversal, como atestam colaboradores ouvidos pela Le Point. Não ter passado por um processo de fusão, e sim de aliança, de parceria, preservando a expertise de cada marca, foi outro fator fundamental. "Não é muito repousante", admite Ghosn, "mas é muito estimulante intelectualmente", afirma o executivo.

O Estado francês, maior acionista da Renault, pressiona Ghosn a preparar sua sucessão à frente do grupo. Ele sabe que essa escolha é crucial para conservar o que construiu até agora.

O neto de libaneses, que deixou o Brasil quando tinha seis anos, garante que quando sair da Renault não vai trabalhar para nenhum concorrente. Ele se vê em uma nova vida, "ambulante e urbana", entre Paris, Rio de Janeiro, Beirute, Nova York e São Francisco, onde estão seus familiares e amigos. Ghosn já investiu em um vinhedo no Líbano e comenta várias coisas que gostaria de fazer no futuro, como dar aulas de Economia em uma universidade ou transmitir sua experiência em cooperação cultural.

“Estou esperando minha medalha olímpica da corrupção”, ironiza Papa Diack

Europeus ainda estão distantes de enfraquecer terrorismo, dizem especialistas

Alemanha e França encontram novos restos de experiências nazistas macabras

Para evitar transfobia, Amsterdã tenta apagar noção de gênero na esfera administrativa

Especialistas contestam reforma trabalhista concebida pelo "melhor amigo" de Macron

Para revista Le Point, Brasil está diante de "escolhas fatídicas" para a região

Para escritor Salman Rushdie, Ocidente tem "cegueira estúpida" sobre jihadismo

Elisabeth Badinter denuncia regressão da condição da mulher na França