rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Por Márcia Bechara

O RFI Convida desta quarta-feira (13) traz o economista Jean-Yves Carfantan, radicado no Brasil há mais de 30 anos, especialista em mercado de matérias-primas e diretor da empresa de consultoria AgroBrasConsult, em São Paulo.

“Até o final do governo Temer – acho que ele vai permanecer até 2018 – há uma grande probabilidade da equipe econômica continuar”, afirmou o economista Jean-Yves Carfantan. “Muito provavelmente o governo não vai conseguir adotar uma reforma significativa da previdência social, do sistema de aposentadoria. Mas se o governo continuar nesta linha, aplicando o que ele começou desde 2016, eu acho que muito pouca coisa vai acontecer em termos de mercado, câmbio. O governo já conseguiu algumas vitórias, a inflação está derrubada”, disse.

“A visão dos mercados é que Michel Temer vai permanecer na Presidência porque ninguém quer tomar o lugar dele. Por que pegar esse abacaxi antes de 2018?”, provoca o economista. Para Carfantan, “Tudo vai correr mais ou menos tranquilamente do ponto de vista da economia até o final de 2018. O Governo Temer tem uma certa base de apoio no Congresso e usa várias técnicas, que a gente conhece, para consolidar esta base. Eu não vejo muitas possibilidades de crises significativas até 2018. A dificuldade começa depois”, analisou.

Armadilha das commodities

“De uma certa maneira entre 2005 e 2012, o Brasil da época do Lula e da Dilma Rousseff caiu na armadilha das matérias-primas”, continua Jean-Yves Carfantan. “A partir do momento em que você começa a ter recursos naturais, petróleo, agricultura, minérios, você começa a perder a razão. Você acha que está tudo resolvido, que o dinheiro vai chegar com muita facilidade, essa foi a aposta do governo federal e de vários governos estaduais, que começaram a gastar, contratar etc”, criticou.

“Se hoje houvesse uma nova elevação das cotações internacionais de commodities, acho que seria a pior coisa para o Brasil. Porque isso levaria o Brasil de novo a postergar as reformas e as mudanças necessárias após a recessão que passamos”, arrematou Carfantan. “O acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia vai continuar se arrastando, até porque o Mercosul é muito enfraquecido, é um bloco que não consegue se erguer, não consegue se integrar verdadeiramente. No caso do Brasil, as dificuldades que o país tem que resolver são principalmente internas”, finalizou.

 

Cineasta Marcelo Novais lança em Paris um “diário íntimo de uma geração”

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto