rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Por Márcia Bechara

O RFI Convida desta quarta-feira (13) traz o economista Jean-Yves Carfantan, radicado no Brasil há mais de 30 anos, especialista em mercado de matérias-primas e diretor da empresa de consultoria AgroBrasConsult, em São Paulo.

“Até o final do governo Temer – acho que ele vai permanecer até 2018 – há uma grande probabilidade da equipe econômica continuar”, afirmou o economista Jean-Yves Carfantan. “Muito provavelmente o governo não vai conseguir adotar uma reforma significativa da previdência social, do sistema de aposentadoria. Mas se o governo continuar nesta linha, aplicando o que ele começou desde 2016, eu acho que muito pouca coisa vai acontecer em termos de mercado, câmbio. O governo já conseguiu algumas vitórias, a inflação está derrubada”, disse.

“A visão dos mercados é que Michel Temer vai permanecer na Presidência porque ninguém quer tomar o lugar dele. Por que pegar esse abacaxi antes de 2018?”, provoca o economista. Para Carfantan, “Tudo vai correr mais ou menos tranquilamente do ponto de vista da economia até o final de 2018. O Governo Temer tem uma certa base de apoio no Congresso e usa várias técnicas, que a gente conhece, para consolidar esta base. Eu não vejo muitas possibilidades de crises significativas até 2018. A dificuldade começa depois”, analisou.

Armadilha das commodities

“De uma certa maneira entre 2005 e 2012, o Brasil da época do Lula e da Dilma Rousseff caiu na armadilha das matérias-primas”, continua Jean-Yves Carfantan. “A partir do momento em que você começa a ter recursos naturais, petróleo, agricultura, minérios, você começa a perder a razão. Você acha que está tudo resolvido, que o dinheiro vai chegar com muita facilidade, essa foi a aposta do governo federal e de vários governos estaduais, que começaram a gastar, contratar etc”, criticou.

“Se hoje houvesse uma nova elevação das cotações internacionais de commodities, acho que seria a pior coisa para o Brasil. Porque isso levaria o Brasil de novo a postergar as reformas e as mudanças necessárias após a recessão que passamos”, arrematou Carfantan. “O acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia vai continuar se arrastando, até porque o Mercosul é muito enfraquecido, é um bloco que não consegue se erguer, não consegue se integrar verdadeiramente. No caso do Brasil, as dificuldades que o país tem que resolver são principalmente internas”, finalizou.

 

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR