rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Por Márcia Bechara

O RFI Convida desta quarta-feira (13) traz o economista Jean-Yves Carfantan, radicado no Brasil há mais de 30 anos, especialista em mercado de matérias-primas e diretor da empresa de consultoria AgroBrasConsult, em São Paulo.

“Até o final do governo Temer – acho que ele vai permanecer até 2018 – há uma grande probabilidade da equipe econômica continuar”, afirmou o economista Jean-Yves Carfantan. “Muito provavelmente o governo não vai conseguir adotar uma reforma significativa da previdência social, do sistema de aposentadoria. Mas se o governo continuar nesta linha, aplicando o que ele começou desde 2016, eu acho que muito pouca coisa vai acontecer em termos de mercado, câmbio. O governo já conseguiu algumas vitórias, a inflação está derrubada”, disse.

“A visão dos mercados é que Michel Temer vai permanecer na Presidência porque ninguém quer tomar o lugar dele. Por que pegar esse abacaxi antes de 2018?”, provoca o economista. Para Carfantan, “Tudo vai correr mais ou menos tranquilamente do ponto de vista da economia até o final de 2018. O Governo Temer tem uma certa base de apoio no Congresso e usa várias técnicas, que a gente conhece, para consolidar esta base. Eu não vejo muitas possibilidades de crises significativas até 2018. A dificuldade começa depois”, analisou.

Armadilha das commodities

“De uma certa maneira entre 2005 e 2012, o Brasil da época do Lula e da Dilma Rousseff caiu na armadilha das matérias-primas”, continua Jean-Yves Carfantan. “A partir do momento em que você começa a ter recursos naturais, petróleo, agricultura, minérios, você começa a perder a razão. Você acha que está tudo resolvido, que o dinheiro vai chegar com muita facilidade, essa foi a aposta do governo federal e de vários governos estaduais, que começaram a gastar, contratar etc”, criticou.

“Se hoje houvesse uma nova elevação das cotações internacionais de commodities, acho que seria a pior coisa para o Brasil. Porque isso levaria o Brasil de novo a postergar as reformas e as mudanças necessárias após a recessão que passamos”, arrematou Carfantan. “O acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia vai continuar se arrastando, até porque o Mercosul é muito enfraquecido, é um bloco que não consegue se erguer, não consegue se integrar verdadeiramente. No caso do Brasil, as dificuldades que o país tem que resolver são principalmente internas”, finalizou.

 

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira