rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Temer deve ficar até 2018 porque “ninguém quer esse abacaxi”, diz economista

Por Márcia Bechara

O RFI Convida desta quarta-feira (13) traz o economista Jean-Yves Carfantan, radicado no Brasil há mais de 30 anos, especialista em mercado de matérias-primas e diretor da empresa de consultoria AgroBrasConsult, em São Paulo.

“Até o final do governo Temer – acho que ele vai permanecer até 2018 – há uma grande probabilidade da equipe econômica continuar”, afirmou o economista Jean-Yves Carfantan. “Muito provavelmente o governo não vai conseguir adotar uma reforma significativa da previdência social, do sistema de aposentadoria. Mas se o governo continuar nesta linha, aplicando o que ele começou desde 2016, eu acho que muito pouca coisa vai acontecer em termos de mercado, câmbio. O governo já conseguiu algumas vitórias, a inflação está derrubada”, disse.

“A visão dos mercados é que Michel Temer vai permanecer na Presidência porque ninguém quer tomar o lugar dele. Por que pegar esse abacaxi antes de 2018?”, provoca o economista. Para Carfantan, “Tudo vai correr mais ou menos tranquilamente do ponto de vista da economia até o final de 2018. O Governo Temer tem uma certa base de apoio no Congresso e usa várias técnicas, que a gente conhece, para consolidar esta base. Eu não vejo muitas possibilidades de crises significativas até 2018. A dificuldade começa depois”, analisou.

Armadilha das commodities

“De uma certa maneira entre 2005 e 2012, o Brasil da época do Lula e da Dilma Rousseff caiu na armadilha das matérias-primas”, continua Jean-Yves Carfantan. “A partir do momento em que você começa a ter recursos naturais, petróleo, agricultura, minérios, você começa a perder a razão. Você acha que está tudo resolvido, que o dinheiro vai chegar com muita facilidade, essa foi a aposta do governo federal e de vários governos estaduais, que começaram a gastar, contratar etc”, criticou.

“Se hoje houvesse uma nova elevação das cotações internacionais de commodities, acho que seria a pior coisa para o Brasil. Porque isso levaria o Brasil de novo a postergar as reformas e as mudanças necessárias após a recessão que passamos”, arrematou Carfantan. “O acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia vai continuar se arrastando, até porque o Mercosul é muito enfraquecido, é um bloco que não consegue se erguer, não consegue se integrar verdadeiramente. No caso do Brasil, as dificuldades que o país tem que resolver são principalmente internas”, finalizou.

 

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa

“Meu Brasil” é tema de mostra fotográfica em Paris criada com método de “mentoria”