rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

França "não pode bloquear acordo União Europeia-Mercosul”

Por RFI

As negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia podem ser concluídas até o fim do ano – pelo menos é o que esperam as duas partes. Já faz 18 anos que o projeto existe e até hoje não saiu do papel. A última pedra no caminho dos negociadores foi colocada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, ao alegar que a União Europeia está andando rápido demais com os acordos de livre comércio ao redor do mundo.

O subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Cozendey, não vê as declarações de Macron como uma barreira para a finalização do acordo. Na semana passada, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reiterou a intenção de fechar o acerto até dezembro.

“As negociações comerciais da União Europeia são de responsabilidade da Comissão. Depois é que o Paramento e o Conselho Europeu vão se manifestar. Nenhum país europeu sozinho pode bloquear as negociações”, afirmou, em entrevista à RFI Brasil. “Sabemos que agricultura é um setor sensível para a União Europeia, assim como a indústria é para o Mercosul. Mas eu acho que há um interesse muito grande de outros setores em fechar esse acordo.”

Cotas agrícolas x prazos mais curtos para manufaturas

A última proposta europeia veio com uma sugestão de cotas de importação tanto de carne, quanto de etanol do Mercosul – uma oferta que, para o embaixador brasileiro, não deve encontrar maior resistência no bloco sul-americano. Ele lembra que o livre comércio na agricultura e o desmonte da política agrícola europeia jamais fizeram parte da negociação. “O temor dos agricultores europeus da concorrência do Mercosul é bastante exagerado já que, na verdade, vai ser uma concorrência totalmente dentro de limites conhecidos”, ressalta.

Em contrapartida às cotas agrícolas, os europeus esperam que o Mercosul melhore as suas propostas em relação aos prazos de liberação de entrada dos produtos europeus. O bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai quer que a maioria deles só seja aceita em 15 anos, o mais longo período possível. “O Mercosul está pronto para fazer isso, desde que a União Europeia também melhore a sua proposta”, disse Cozendey.

Quanto à agenda das discussões, uma representante da União Europeia é aguardada em Brasília ainda em novembro para debater o acordo. Mas a maior expectativa é a realização de uma reunião ministerial entre as duas partes no início de dezembro, quando pode sair o acerto político do acordo. Os detalhes técnicos e legais seriam afinados no primeiro semestre, quando o documento seria oficialmente assinado.  

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvón

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista