rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

França "não pode bloquear acordo União Europeia-Mercosul”

Por RFI

As negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia podem ser concluídas até o fim do ano – pelo menos é o que esperam as duas partes. Já faz 18 anos que o projeto existe e até hoje não saiu do papel. A última pedra no caminho dos negociadores foi colocada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, ao alegar que a União Europeia está andando rápido demais com os acordos de livre comércio ao redor do mundo.

O subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Cozendey, não vê as declarações de Macron como uma barreira para a finalização do acordo. Na semana passada, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reiterou a intenção de fechar o acerto até dezembro.

“As negociações comerciais da União Europeia são de responsabilidade da Comissão. Depois é que o Paramento e o Conselho Europeu vão se manifestar. Nenhum país europeu sozinho pode bloquear as negociações”, afirmou, em entrevista à RFI Brasil. “Sabemos que agricultura é um setor sensível para a União Europeia, assim como a indústria é para o Mercosul. Mas eu acho que há um interesse muito grande de outros setores em fechar esse acordo.”

Cotas agrícolas x prazos mais curtos para manufaturas

A última proposta europeia veio com uma sugestão de cotas de importação tanto de carne, quanto de etanol do Mercosul – uma oferta que, para o embaixador brasileiro, não deve encontrar maior resistência no bloco sul-americano. Ele lembra que o livre comércio na agricultura e o desmonte da política agrícola europeia jamais fizeram parte da negociação. “O temor dos agricultores europeus da concorrência do Mercosul é bastante exagerado já que, na verdade, vai ser uma concorrência totalmente dentro de limites conhecidos”, ressalta.

Em contrapartida às cotas agrícolas, os europeus esperam que o Mercosul melhore as suas propostas em relação aos prazos de liberação de entrada dos produtos europeus. O bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai quer que a maioria deles só seja aceita em 15 anos, o mais longo período possível. “O Mercosul está pronto para fazer isso, desde que a União Europeia também melhore a sua proposta”, disse Cozendey.

Quanto à agenda das discussões, uma representante da União Europeia é aguardada em Brasília ainda em novembro para debater o acordo. Mas a maior expectativa é a realização de uma reunião ministerial entre as duas partes no início de dezembro, quando pode sair o acerto político do acordo. Os detalhes técnicos e legais seriam afinados no primeiro semestre, quando o documento seria oficialmente assinado.  

Todo mundo, inclusive o Brasil, está buscando "um Macron para chamar de seu"

"Precisamos saber de onde vêm nossas roupas", diz designer Isabelle Mesquita

MenEngage: “É impossível discutir emancipação da mulher na África sem falar da poligamia masculina”

Embaixada do Brasil em Paris promove encontro de professores de português na França

Mistérios da Chapada Diamantina são tema de livro de Christiane de Murville

"Quem ganha mais, deveria pagar mais imposto no Brasil", diz especialista da USP

“Nossa luta não é só pelo Lula, é pela democracia”, diz Tarso Genro

Após ser acusado de pedofilia no Brasil, Wagner Schwartz apresenta “La Bête” em Paris

Ator brasileiro radicado na França cria espetáculo com poesia de Pasolini

Bárbara Paz quer lançar documentário sobre Babenco no Festival de Cannes

“Derrota de Lula no STF cria um vácuo político”, diz analista da SciencesPo

Filme sobre comunidade judaica no Brasil é destaque em festival de Paris

"Olhar francês sobre produção audiovisual brasileira mudou em 20 anos", diz diretora do Festival de Cinema de Paris

"Movimentos progressistas brasileiros subestimaram fenômeno evangélico", diz jornalista francesa