rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

França "não pode bloquear acordo União Europeia-Mercosul”

Por RFI

As negociações de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia podem ser concluídas até o fim do ano – pelo menos é o que esperam as duas partes. Já faz 18 anos que o projeto existe e até hoje não saiu do papel. A última pedra no caminho dos negociadores foi colocada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, ao alegar que a União Europeia está andando rápido demais com os acordos de livre comércio ao redor do mundo.

O subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Cozendey, não vê as declarações de Macron como uma barreira para a finalização do acordo. Na semana passada, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reiterou a intenção de fechar o acerto até dezembro.

“As negociações comerciais da União Europeia são de responsabilidade da Comissão. Depois é que o Paramento e o Conselho Europeu vão se manifestar. Nenhum país europeu sozinho pode bloquear as negociações”, afirmou, em entrevista à RFI Brasil. “Sabemos que agricultura é um setor sensível para a União Europeia, assim como a indústria é para o Mercosul. Mas eu acho que há um interesse muito grande de outros setores em fechar esse acordo.”

Cotas agrícolas x prazos mais curtos para manufaturas

A última proposta europeia veio com uma sugestão de cotas de importação tanto de carne, quanto de etanol do Mercosul – uma oferta que, para o embaixador brasileiro, não deve encontrar maior resistência no bloco sul-americano. Ele lembra que o livre comércio na agricultura e o desmonte da política agrícola europeia jamais fizeram parte da negociação. “O temor dos agricultores europeus da concorrência do Mercosul é bastante exagerado já que, na verdade, vai ser uma concorrência totalmente dentro de limites conhecidos”, ressalta.

Em contrapartida às cotas agrícolas, os europeus esperam que o Mercosul melhore as suas propostas em relação aos prazos de liberação de entrada dos produtos europeus. O bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai quer que a maioria deles só seja aceita em 15 anos, o mais longo período possível. “O Mercosul está pronto para fazer isso, desde que a União Europeia também melhore a sua proposta”, disse Cozendey.

Quanto à agenda das discussões, uma representante da União Europeia é aguardada em Brasília ainda em novembro para debater o acordo. Mas a maior expectativa é a realização de uma reunião ministerial entre as duas partes no início de dezembro, quando pode sair o acerto político do acordo. Os detalhes técnicos e legais seriam afinados no primeiro semestre, quando o documento seria oficialmente assinado.  

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna

Decreto de Bolsonaro sobre armas trará mais violência, alerta Instituto Sou da Paz

"Bolsonaro afeta a imagem do Brasil", diz Fernando Henrique Cardoso em Paris

“Bolívia deu uma lição de moral no Brasil ao extraditar Battisti”, diz ex-deputada ítalo-brasileira

“Passamos 80% do nosso tempo negociando”, diz criador de novo método de negociação e gestão de conflito

Brasil será interlocutor dos EUA nas relações com Maduro, aponta pesquisador

Especialista da UFMG sobre política do novo governo: “No Brasil, índio bom é índio morto”

Relações entre Brasil e França vão se deteriorar com política ambiental de Bolsonaro, diz pesquisador

Pianista brasileiro investe no Tango para seu primeiro concerto parisiense

“Com FUNAI já era difícil demarcar terras indígenas, com ruralistas será mais complicado” diz ativista de ONG

Projeto político de Bolsonaro cria desconfiança na Europa, diz historiadora francesa

"Congresso muito fragmentado será obstáculo para governo Bolsonaro", diz professor da UERJ

“Bolsonaro começa mandato pressionado e tem três meses para mostrar a que veio”, diz especialista em economia.

Autora brasileira radicada na França lança livro de memórias de viagens na Amazônia

"Intervenção federal no RJ também foi marcada pela falta de transparência e respostas sobre violações", diz coordenador de Observatório

Direitos Humanos no Brasil: perspectivas para 2019 são preocupantes, diz advogada da OAB

“Postura de Bolsonaro com a imprensa tem inspiração autoritária”, diz Eugênio Bucci

Congresso será a maior dificuldade para aprovar medidas contra a corrupção, diz fundador da ONG Contas Abertas

“Brasil poderá crescer até 3,5% em 2019 se aprovar reformas”, afirma economista