rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Estilista Azzedine Alaïa morre aos 77 anos em Paris
Economia
rss itunes

Líder em carnes para muçulmanos, Brasil quer ampliar 60% do mercado

Por Lúcia Müzell

Maior produtor e exportador mundial de carne bovina e segundo maior de frangos, o Brasil é também líder nas vendas de carne halal, especialmente cortada para muçulmanos. O país exporta para 22 países islâmicos, num total de 2 milhões de toneladas ao ano. Ainda assim, as entidades representativas consideram que o setor é subestimado no país, ao produzir apenas 33% da capacidade. O potencial estimado de crescimento das exportações é de 60% até 2020.

Na semana passada, o Brasil venceu na Organização Mundial do Comércio (OMC) um contencioso movido contra a Indonésia, que impunha medidas restritivas ao comércio internacional e dificultava a entrada do frango halal brasileiro. Com a vitória, as portas de um mercado de 250 milhões de habitantes e pelo menos U$S 70 milhões começam a se abrir.

“Nós vamos ver agora, já que havia tantas barreiras antes de chegar no ponto da negociação propriamente dita”, espera o subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, Carlos Cozendey. “Temos venda de produtos halal para vários países muçulmanos, como Malásia, Arabia Saudita. Nem todos têm o mesmo tipo de certificação de produto halal mas o Brasil tem a capacidade de cumprir as exigências feitas.”

Ritual descrito no Alcorão

O corte halal segue um ritual rigidamente enquadrado por instituições islâmicas, desde a recepção do animal, até o transporte. O abatedor precisa ser muçulmano e pronunciar frases sagradas na hora do sacrifício, feito em condições rigorosas de segurança sanitária. A sequência, descrita no Alcorão, pode ser desconhecida pela maioria dos brasileiros, mas é aplicada em mais de 150 frigoríficos do país. A maior parte deles produz carne convencional e separa plantas específicas para o corte halal.

O Brasil entrou nesse ramo no fim dos anos 1970, para atender ao pequeno mercado interno. A partir de 2002, porém, os produtores brasileiros perceberam o imenso potencial mundial do setor.

“Os pequenos e médios produtores começaram a entender a importância do Oriente Médio. Estamos falando do consumo de 800 milhões de habitantes”, lembra Tamer Mansour, assessor para assuntos estratégicos da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira. “Mas se abrirmos para todo o mercado islâmico, falamos de 1,6 bilhão de pessoas que procuram o corte halal. Por isso, o Brasil começou a mudar completamente a visão sobre esses mercados, que se tornaram prioritários.”

Quase 40 anos depois, as certificadoras de produção halal estão estabelecidas no Brasil e contam com o aval de entidades internacionais islâmicas. A Câmara de Comércio Árabe-Brasileira espera que a realização de grandes eventos no Oriente Médio nos próximos anos, como a Expo 2020, em Dubai, e Copa do Mundo no Catar, em 2022, vai alavancar uma nova fase do comércio halal brasileiro.

Missão: ir além da carne

O objetivo é introduzir uma gama mais variada de produtos alimentícios com a certificação para o consumo dos muçulmanos, com agregação de valor. Os maiores mercados visados são o Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes, observa Ali Saifi, diretor-executivo da certificadora Cdial Halal.

“Acho que outro país não conseguiria abastecer o mercado como nós. Temos muçulmanos, temos certificadoras reconhecidas no mundo islâmico e todo o suporte das entidades islâmicas. Ou seja, basta querer – e não apenas carne e proteína animal, como todo o tipo de alimento, para o qual vai passar a ser exigida a certificação halal”, afirma. “Haverá um boom muito grande no setor e acho que o Brasil é o país que mais tem condições de oferecer tudo isso.”

Saifi nota que, além de haver espaço para crescimento na indústria de carnes, o povo brasileiro se mostra muito aberto a um negócio que, em outros países, encontra barreiras culturais, a exemplo da Europa.

“O povo brasileiro não é engessado, ao contrário de outros países que dizem que não vão aceitar fazer certas coisas, ou julgam o procedimento como certo ou errado. Muitas vezes, eles não compreendem a questão da religiosidade e a importância para os muçulmanos”, comenta. “O brasileiro é muito aberto e respeita todo mundo. Essa facilidade tem que ser aproveitada.”

Mansour pondera que, para ter sucesso nesse desafio, o Brasil ainda precisa ampliar as certificadoras e desenvolver um trabalho educativo junto aos produtores. Muitos ainda desconhecem o potencial do mercado islâmico.

“Para você executar o halal, tem de ter mão de obra especializada, muçulmana. Existe essa dificuldade de não encontrar tão facilmente a mão de obra para fornecer o corte”, pondera. “Mas, sem dúvida, o Brasil está se tornando um dos maiores líderes de halal no mundo.”

A câmara avalia que 90% dos frigoríficos brasileiros são habilitados para desenvolver a produção halal.

“Mercado da saudade” volta com força e leva produtos brasileiros ao exterior

"Filantropia pode ser feita de maneira mais inteligente", diz executivo brasileiro em Paris

Graças à subvenção estatal, França se torna polo produtor de videogames

Fim de imposto sobre fortuna reforça imagem de “presidente dos ricos” de Macron

Nova modalidade de investimento, crowdfunding imobiliário cresce 80% na França

Contratação de Neymar pelo PSG pode violar "fair play" financeiro da Uefa

Visita de Temer a Rússia quer garantir qualidade da carne brasileira para não perder mercado

Indústria de cosméticos se mantém firme e forte no Brasil apesar das turbulências econômicas

Reino Unido bate recorde de turistas estrangeiros em 2016, com 37,6 milhões de visitantes