rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Estilista Azzedine Alaïa morre aos 77 anos em Paris
Economia
rss itunes

Graças à subvenção estatal, França se torna polo produtor de videogames

Por Paloma Varón

Começou nesta quarta-feira a oitava edição da Paris Games Week, um dos maiores eventos sobre o universo dos videogames do mundo, o segundo da Europa. O evento é organizado pelo Sindicato dos Desenvolvedores de Softwares de Lazer - (SELL, na sigla em francês).

Emmanuel Martin, secretário-geral do SELL, organizador da Paris Games Week, conta as expectativas para o setor este ano: “É um grande ano para os games. É um ano excepcional, porque dois consoles são lançados: um em março, o Nintendo Switch, e um em novembro, logo após a PGW, o Xbox One X, da Microsoft, que o público vai poder jogar já no evento. Esperamos um crescimento de 15% para este ano. Hoje, o setor representa um orçamento de 3,46 bilhões de euros”.

O mercado é grande na França, país onde 52% da população diz jogar videogames. A média de idade dos jogadores passou de 21 para 34 anos, entre 1999 e 2016, e o número de mulheres jogadoras também vem aumentando consideravelmente – passou de 20% do total de jogadores para 47% atualmente.

Participação feminina

Mas a participação feminina na produção ainda é insuficiente, é o que aponta a presidente do SELL, diretora-geral da empresa de criação Bethesda e cofundadora da associação Women in Games, Julie Chalmette.

“A participação feminina na criação de videogames é claramente insuficiente. As mulheres são apenas 14% ou 15% no estúdio, o que é paradoxal, porque a gente pensa que o videogame é um lazer masculino e não é mesmo. Hoje em dia as mulheres representam 47% dos jogadores", diz.

"Então, seria interessante que as mulheres investissem mais na criação dos jogos e para isso é importante que elas conheçam o processo; saibam quais são as carreiras ligadas a isso e como elas podem entrar”, avalia Chalmette.

A França, segundo o SELL, é o segundo ou terceiro mercado na Europa, atrás da Alemanha e do Reino Unido. "Em termos de produção, a França ocupa um lugar de destaque no mundo, por várias razões: temos uma ligação histórica com os videogames, estamos entre os países que dispõem das melhores formações do mundo e temos também uma grande tradição de engenheiros e criadores, o que torna o mercado de criação na França muito dinâmico", diz Martin.

Subvenção estatal

A França conta com a Ubisoft, a terceira maior empresa desenvolvedora de videogames do mundo e com a ajuda do Estado, que faz da França atualmente um país dos mais atrativos no mundo para a produção de jogos.

“Hoje, se você produz games na França, você pode se beneficiar de muitos mecanismos de subvenção estatal: um fundo de ajuda para games, para incentivar os primeiros projetos, a fase de escrita, um crédito de imposto de games, que reembolsa em forma de crédito de imposto até 30% do valor. É o melhor mecanismo na Europa e o segundo melhor do mundo; fica atrás apenas do Canadá”, explica Martin.

Segundo Martin, os consoles ainda lideram os negócios, com 63% do mercado, seguidos dos jogos para PC, com 29% e dos jogos de celular, com 8%. Dentro da modalidade de jogos para PC, destaca-se o e-sport, que, de tão popular, chegou a ser citado pelo copresidente do comitê olímpico Paris 2024, Tony Estanguet, como provável modalidade olímpica.

E-sport vem ganhando espaço

“O e-sport nos Jogos Olímpicos é um reconhecimento magnífico. O e-sport é paradoxal, pois economicamente ainda é pequeno, representa apenas umas dezenas de milhões de euros, mas experimenta um grande crescimento. O ponto é que ele é midiático, tornou-se um espetáculo de audiência massiva. É o paradoxo deste fenômeno, que é economicamente pequeno, mas esta se desenvolvendo muito rapidamente”, disse Martin.

Para este ano, a Paris Games Week apresenta lançamentos para o final do ano e mostra as tendências do universo dos games no mundo. “No ano passado; tivemos 310 mil pessoas e este ano esperamos 320 ou 325 mil. Qualquer que seja o seu gosto ou nível de jogo, o mundo dos games hoje oferece uma palheta de experiências tão distintas que podem satisfazer a todo mundo.”

“Nossa ideia é de fazer a mais bela festa possível. Para alem dos números, esperamos que todo mundo passe um belo dia no nosso evento, que é uma bela vitrine para os games”, diz ele, contando que os blockbusters deste ano são Super Mario Odyssey, Call of Duty WW2 e Assasin’s Creed Origins.

“Mercado da saudade” volta com força e leva produtos brasileiros ao exterior

"Filantropia pode ser feita de maneira mais inteligente", diz executivo brasileiro em Paris

Fim de imposto sobre fortuna reforça imagem de “presidente dos ricos” de Macron

Nova modalidade de investimento, crowdfunding imobiliário cresce 80% na França

Contratação de Neymar pelo PSG pode violar "fair play" financeiro da Uefa

Visita de Temer a Rússia quer garantir qualidade da carne brasileira para não perder mercado

Indústria de cosméticos se mantém firme e forte no Brasil apesar das turbulências econômicas

Reino Unido bate recorde de turistas estrangeiros em 2016, com 37,6 milhões de visitantes