rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

"Filantropia pode ser feita de maneira mais inteligente", diz executivo brasileiro em Paris

Por Taíssa Stivanin

Durante todo o mês de novembro, a prefeitura de Paris organiza uma série de eventos para celebrar a chamada economia solidária e social, que representa 10% do PIB da capital francesa e é geradora de empregos no país e no mundo.

Um dos pontos altos dessa agenda foi a Cúpula de Negócios Sociais, que aconteceu nos últimos dias 6 e 7 de novembro em Paris. Considerado como um dos maiores encontros do setor, ela recebe centenas de empresários, pesquisadores, investidores e atores da área.

A Cúpula foi criada pelo prêmio Nobel Mohammad Yunus, que também é fundador da Yunus Negócios Sociais, uma aceleradora de iniciativas sociais que fornece consultoria para empresas, governos e ONGs. O brasileiro Luciano Gurgel, diretor da empresa no Brasil, foi palestrante do evento e conversou com a RFI.

“Esse é um evento que consacra a união desses esforços para mostrar o que estamos fazendo no mundo. O meu papel aqui é representar o Brasil e mostrar o que o país tem feito na área de negócios sociais”, diz.

A empresa apoia empreendedores individuais, que trabalham com diferentes iniciativas. Entre elas, o reflorestamento, reformas de residências insalubres, óculos para a população de baixa renda, ou ainda ensino de idiomas para crianças pobres. “É uma série de exemplos de empreendedores individuais que ajudamos com apoio financeiro e não-financeiro”, explica o executivo. “Temos um fundo local no Brasil e é com esse fundo que apoiamos os empreendedores, captados localmente.”

Os recursos são provenientes de famílias de alta renda, que querem investir mais em filantropia. “Buscamos investidores e oferecemos uma nova forma de fazer filantropia, que é justamente o investimento em negócios sociais que permite que os recursos sejam reaproveitados”, explica.

Grandes empresas

A Yunus tem outra área que lida com grandes empresas. “São empresas que querem entender como embarcar em seu DNA uma missão social. É um movimento muito forte, não só dos empreendedores individuais, mas também de grandes empresas, que querem dar um novo significado a sua atuação, através de uma lógica de missão social”, diz.

Ele cita como exemplo a Ambev. Com a consultoria da Yunus, a empresa lançou uma água no mercado cujo lucro é revertido para projetos de geração de água nas regiões do semiárido brasileiro. Em seu painel na cúpula, Luciano falou justamente sobre a percepção desse universo de financiamento para empreendedores, principalmente no início de suas atividades.

A ideia desses painéis também é trocar experiências com representantes de start-ups e outros atores do setor sobre financiamento e investimentos nessas microempresas. “A filantropia pode ser feita de forma mais inteligente, e isso se aplica a todos os países”, resume. “A simples doação de recurso não consegue atingir os objetivos aos quais ela se propõe.”

“Mercado da saudade” volta com força e leva produtos brasileiros ao exterior

Graças à subvenção estatal, França se torna polo produtor de videogames

Fim de imposto sobre fortuna reforça imagem de “presidente dos ricos” de Macron

Nova modalidade de investimento, crowdfunding imobiliário cresce 80% na França

Contratação de Neymar pelo PSG pode violar "fair play" financeiro da Uefa

Visita de Temer a Rússia quer garantir qualidade da carne brasileira para não perder mercado

Indústria de cosméticos se mantém firme e forte no Brasil apesar das turbulências econômicas

Reino Unido bate recorde de turistas estrangeiros em 2016, com 37,6 milhões de visitantes