rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

"Filantropia pode ser feita de maneira mais inteligente", diz executivo brasileiro em Paris

Por Taíssa Stivanin

Durante todo o mês de novembro, a prefeitura de Paris organiza uma série de eventos para celebrar a chamada economia solidária e social, que representa 10% do PIB da capital francesa e é geradora de empregos no país e no mundo.

Um dos pontos altos dessa agenda foi a Cúpula de Negócios Sociais, que aconteceu nos últimos dias 6 e 7 de novembro em Paris. Considerado como um dos maiores encontros do setor, ela recebe centenas de empresários, pesquisadores, investidores e atores da área.

A Cúpula foi criada pelo prêmio Nobel Mohammad Yunus, que também é fundador da Yunus Negócios Sociais, uma aceleradora de iniciativas sociais que fornece consultoria para empresas, governos e ONGs. O brasileiro Luciano Gurgel, diretor da empresa no Brasil, foi palestrante do evento e conversou com a RFI.

“Esse é um evento que consacra a união desses esforços para mostrar o que estamos fazendo no mundo. O meu papel aqui é representar o Brasil e mostrar o que o país tem feito na área de negócios sociais”, diz.

A empresa apoia empreendedores individuais, que trabalham com diferentes iniciativas. Entre elas, o reflorestamento, reformas de residências insalubres, óculos para a população de baixa renda, ou ainda ensino de idiomas para crianças pobres. “É uma série de exemplos de empreendedores individuais que ajudamos com apoio financeiro e não-financeiro”, explica o executivo. “Temos um fundo local no Brasil e é com esse fundo que apoiamos os empreendedores, captados localmente.”

Os recursos são provenientes de famílias de alta renda, que querem investir mais em filantropia. “Buscamos investidores e oferecemos uma nova forma de fazer filantropia, que é justamente o investimento em negócios sociais que permite que os recursos sejam reaproveitados”, explica.

Grandes empresas

A Yunus tem outra área que lida com grandes empresas. “São empresas que querem entender como embarcar em seu DNA uma missão social. É um movimento muito forte, não só dos empreendedores individuais, mas também de grandes empresas, que querem dar um novo significado a sua atuação, através de uma lógica de missão social”, diz.

Ele cita como exemplo a Ambev. Com a consultoria da Yunus, a empresa lançou uma água no mercado cujo lucro é revertido para projetos de geração de água nas regiões do semiárido brasileiro. Em seu painel na cúpula, Luciano falou justamente sobre a percepção desse universo de financiamento para empreendedores, principalmente no início de suas atividades.

A ideia desses painéis também é trocar experiências com representantes de start-ups e outros atores do setor sobre financiamento e investimentos nessas microempresas. “A filantropia pode ser feita de forma mais inteligente, e isso se aplica a todos os países”, resume. “A simples doação de recurso não consegue atingir os objetivos aos quais ela se propõe.”

França: Plano com mais de 100 medidas visa integrar refugiados em mercado de trabalho

Nacionalismo ambíguo de Bolsonaro entrará em conflito com visão de Guedes, dizem economistas

Destaque do Salão do Automóvel de Paris, carro elétrico ainda enfrenta obstáculos para emplacar

Lehman Brothers: dez anos depois, profissionais das finanças relembram falência do banco

“Sem forte ajuste fiscal e reforma da Previdência, próximo presidente não terminará seu mandato”, afirma economista Octavio de Barros

Medidas econômicas de Maduro são incoerentes e explosivas, dizem analistas

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol

Entre expectativas frustradas e conquistas sólidas, BRICS completam primeira década de existência

Com energias verdes, venda de eletricidade pode virar complemento de renda

Brasil deve perder liderança mundial da produção de açúcar para a Índia

Pais que largam o trabalho para cuidar dos filhos: um tabu que demora a cair