rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Brasil Carne Rússia Comércio Internacional

Publicado em • Modificado em

Rússia volta a proibir importação de carne brasileira

media
Rússia: nova detecção de ractopamina na carne brasileira.

A Rússia decidiu suspender a partir de 1° de dezembro a importação de carne bovina e suína oriunda do Brasil. A medida é tomada devido a descoberta de várias substâncias proibidas na carne brasileira, segundo informações dos serviços russos de vigilância sanitária.


Em um comunicado, a agência de fiscalização de produtos agrícolas, Rosselkhoznadzor, disse ter detectado ractopamina e outros hormônios de crescimento na carne importada do Brasil.

A ractopamina é um aditivo alimentar utilizado para aumentar a massa muscular dos animais, o que é proibido na Rússia por seus possíveis efeitos negativos na saúde dos consumidores.

A agência russa disse ainda que foi preciso tomar "medidas severas para a proteção dos consumidores russos", impondo, já no início de dezembro, restrições temporárias à importação de carne bovina e suína.

Não é a primeira vez que a Rússia suspende a importação de carne brasileira por motivos sanitários. Em 2013, o governo do primeiro-ministro Dmitri Medvedev já havia embargado a carne oriunda de três estados brasileiros por causa da mesma contaminação com ractopamina.

Em 2016, o Brasil exportou para o mundo 1,4 milhão de toneladas de carnes, somando US$ 5,5 bilhões à balança comercial brasileira. A Rússia foi o quinto maior importador de carnes brasileiras, pagando ao Brasil US$ 400 milhões.

Carne e política

A atual decisão da Rússia restringe ainda mais as fontes de importação de carne para o país, que já havia embargado, em 2014, produtos da União Europeia, Estados Unidos, Canadá e Austrália, entre outros países ocidentais, em resposta às sanções econômicas impostas a Moscou devido à crise ucraniana.

Em fevereiro, a Rússia decidiu suspender a importação de carne bovina neozelandesa também por utilização de ractopamina.

(Com agência AFP)