rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Acordo Mercosul-UE: franceses apostam na qualidade para enfrentar carne brasileira

Por Lúcia Müzell

Na edição deste ano, o Salão Internacional da Agricultura da França virou palco de protestos contra o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul. Os pecuaristas franceses se preocupam com a retomada das negociações entre os dois blocos e temem uma invasão da carne bovina sul-americana no mercado europeu, a preços mais baixos.

Para enfrentar a concorrência brasileira, argentina e uruguaia, os franceses apostam na qualidade da produção nacional, resultado de procedimentos rigorosos de rastreamento, alimentação sem transgênicos e uso reduzido de antibióticos.

Apesar dos protestos, os agricultores parecem se conformar com a assinatura do tratado, esperada para as próximas semanas. “Infelizmente, acredito que vai passar, porque quando a discussão chega a esse ponto é porque as coisas já estão bem avançadas nos bastidores. Estão falando muito nesse assunto, mas não é por isso que as coisas ainda poderão mudar”, disse Aurelien Bardini, especialista em inseminação bovina em Meurthe-et-Moselle, em referência aos recentes protestos de 20 mil agricultores em toda a França, contra o acordo.

Placa afirma que acordo com o Mercosul colocará o setor bovino francês "em perigo". Lúcia Müzell/ RFI

Henri Peyrac, produtor da raça Aubrac, reconhece que a agricultura é apenas um dos variados setores visados pelo pacto, que vai reduzir ou acabar com barreiras alfandegárias entre o bloco europeu e o sul-americano.

“Honestamente, acho que será assinado, porque o que está em jogo para a Europa não é a questão agrícola, mas sim a industrial. Sabemos que é importante para a o setor automotivo e de infraestruturas, interessados nesses mercados da América do Sul, onde há muita coisa para ser feita”, afirma. “Acho que a questão agrícola terá servido apenas de barreira para ajustes.”

Parte de bovinos é uma das atrações preferidas dos visitantes do Salão Internacional da Agricultura, em Paris. Lúcia Müzell/ RFI

Diferencial: produção orgânica

As negociações no Paraguai devem se estender até o dia 2 de março. Se antecipando à eventual derrota, os produtores franceses já planejam a revanche: pretendem enaltecer a qualidade do rebanho nacional. Jean-Noël converteu sua produção em orgânica há dois anos – suas vacas são tratadas com medicação alternativa, como homeopatia, e comem apenas pasto natural, sem produtos transgênicos. Quando ficam doentes, os animais só recebem antibióticos em casos extremos, garante.

“Sou contra o acordo porque nós nos esforçamos para produzir uma carne e um leite de qualidade superior, em uma agricultura sustentável. Importar os produtos dessa forma, com normas totalmente diferentes das nossas, é incompreensível”, contesta o produtor de Pays de Loire. “É óbvio que a carne importada não poderá ter as mesmas exigências de produção que temos aqui. O governo atual nos incentiva a produzir de uma maneira mais respeitosa ao meio ambiente, à saúde e ao bem-estar animal, mas deixa entrar produtos que estarão em concorrência direta com a gente – e ainda por cima são ruins para os consumidores.”

Produtores de gado afirmam que a qualidade superior da carne francesa será o diferencial contra a carne brasileira, argentina e uruguaia. Lúcia Müzell/ RFI

Henri Peyrac segue a mesma lógica: para ele, a excelência da carne francesa será o diferencial no mercado, no dia em que as até 100 mil toneladas de carne do Mercosul forem autorizadas a entrar no bloco europeu sem barreiras tarifárias.

“Isso nos deixa com raiva porque é concorrência desleal. Não sou contra o livre comércio, afinal podemos exportar para a China e tantos países do mundo. Mas as regras têm de ser as mesmas”, explica. “Fica impossível nos mantermos competitivos, com tantas regras que temos de seguir e que gostamos de seguir, afinal somos apaixonados pela nossa terra e nossos animais. Teremos de convencer os consumidores a consumir menos, mas consumir melhor, e assim o produto francês não ficará mais caro para eles.”

Salão Internacional da Agricultura, em Paris, é o maior evento anual do setor na França. Lúcia Müzell/ RFI

Esclarecer consumidores franceses

Os agricultores reconhecem que, até o momento, perderam a batalha da comunicação – eles admitem que a maioria da população desconhece as regras sanitárias em vigor, que encarecem o produto francês.

“Nós erramos por não termos feito um trabalho de comunicação sobre por que a nossa carne é mais cara, mas por que a qualidade é tão superior. A nossa carne pode ser rastreada do início ao fim”, destaca Aurélien Bardini. “As autoridades sanitárias sabem exatamente quanto de antibiótico um animal tomou a vida inteira. Posso garantir que, ao consumir uma carne francesa, não há nenhum risco para a sua saúde: nós sabemos exatamente o que tem nela. Quanto à carne que virá da América do Sul, não saberemos nada.”

Acordo com o Mercosul pode liberar a entrada de até 100 mil toneladas de carne bovina sul-americana sem barreiras alfandegárias no bloco europeu. Lúcia Müzell/ RFI

Claude Delhomme, produtor no Rhône, avalia que o consumidor francês tem cada vez mais consciência da importância de prestar atenção sobre a origem dos produtos e valoriza a produção nacional. Porém, ressalta que o setor bovino vai além do bife comprado no açougue e, quando se trata dos subprodutos, a preocupação é menor.

“Se os consumidores forem inteligentes e quiserem produtos mais respeitosos do meio ambiente e da saúde e, principalmente, valorizar os produtos franceses, não teremos por que temer a carne estrangeira. O problema é que há também toda uma gama de produtos, como as carnes que vão para a elaboração de pratos prontos, na qual a preocupação com a origem é bem menor”, lembra Delhomme.

Outros, como Gaec Camus, de Arnac La Poste, consideram que, no fim, o preço ainda é o fator determinante na hora da escolha, apesar da evolução dos hábitos de consumo no país.

“Acho que essa carne vai chegar mais barata aqui e os franceses vão querer comprá-la, pagando menos, por mais que ela tenha uma qualidade inferior”, pondera. “Até dentro da Europa, nem todo mundo tem o mesmo nível de qualidade do que nós. Temos uma fiscalização rígida e os outros países, não.”

Produtores de carne bovina são os que mais rejeitam o acordo entre a União Europeia e o Mercosul. Lúcia Müzell/ RFI

Em contrapartida à liberalização da entrada da carne na Europa, a União Europeia pede uma flexibilização da regulamentação e das tarifas de exportação de leite, queijo e vinho para o Mercosul. As maiores interessadas, no entanto, são as montadoras de automóveis. As tarifas de exportação para o Cone Sul podem ser zeradas em oito anos.

Brasil deve perder liderança mundial da produção de açúcar para a Índia

Pais que largam o trabalho para cuidar dos filhos: um tabu que demora a cair

Apoio de franceses a reformas de Macron terá prova de fogo com aposentadorias

Por que o consumidor não sente a queda histórica da taxa de juros no Brasil?

Divergências sobre acordos bilaterais retardam investimentos do Catar no Brasil

Livre de cassinos desde 1920, Paris abrirá “clubes de jogos” em 2018

Volatilidade dos mercados está de volta e favorece especulação em 2018

De celular a sextoys, franceses revendem presentes de Natal que não agradaram