rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Debate protecionismo versus livre comércio marca G20 Finanças, na Argentina

Por Márcio Resende

Esta terça-feira (20) marca o segundo e último dia da reunião de ministros das Finanças e de presidentes dos Bancos Centrais das 20 maiores economias do mundo reunidas em Buenos Aires. São países responsáveis por 85% do PIB mundial e por 75% do comércio internacional.

E justamente, um dos maiores focos de preocupação é o risco de uma guerra no comércio internacional a partir da decisão protecionista do governo de Donald Trump de sobretaxar as importações de aço e de alumínio a partir do próximo dia 23.

Além do debate protecionismo versus livre comércio, são debatidas taxações sobre o comércio on-line, regulações sobre as criptomoedas e até sanções sobre à Venezuela.

A grande preocupação desta terça-feira passa pelas políticas protecionistas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Nessa discussão entre o protecionismo norte-americano e o livre comércio defendido pelo Brasil, pela Argentina e pela Europa, o risco é de uma guerra comercial generalizada que reduza o volume do comércio internacional, provocando recessão.

A pergunta aqui é até onde os países vão chegar nessa disputa ou se vão conseguir desativar essa disputa. Se a medida dos Estados Unidos vai apontar apenas contra o seu principal alvo, a China, com a sua superprodução de aço, ou o alvo será generalizado.

Nesse salve-se-quem-puder, o ministro da Fazenda do Brasil, Henrique Meirelles, terá uma reunião na tarde de hoje com o secretário do Tesouro norte-americano para tentar persuadir os Estados Unidos a livrarem o Brasil dessa medida.

“Os Estados Unidos indicaram o desejo, uma disposição de negociar. Nós estamos aguardando para ver quais são os termos dessa negociação. Por outro lado, estamos considerando outras medidas como inclusive junto à Organização Mundial do Comércio. Não tem nada decidido ainda a esse respeito porque não está claro qual é a posição dos Estados Unidos em relação ao Brasil”, disse o ministro.

Os países do G7, as principais economias do mundo, também se reúnem em paralelo nesta manhã aqui na reunião do G20. E os países europeus Alemanha, França e Itália reúnem-se com os representantes do comércio europeu para traçar uma linha de frente contra o protecionismo dos Estados Unidos. Todos querem ficar isentos dessa tarifa.

Taxação digital

Os outros assuntos em destaque são a taxação digital às empresas de comércio on-line como Facebook, Google ou Amazon. Essa discussão não terá uma conclusão agora, mas a taxação é o caminho natural.

Outra discussão que começa é a regulação das chamadas criptomoedas. A mais conhecida, a bitcoin. É que através desses ativos digitais é possível lavar dinheiro, sonegar impostos e até financiar o tráfico ilegal de drogas, de armas e o terrorismo.

Venezuela

E no meio desses desafios globais, a crise na Venezuela também entrou na pauta do G20, porque há países interessados em aplicar sanções à Venezuela como o Brasil, a Argentina, os europeus e os Estados Unidos, mas também há países interessados em sustentar o regime do venezuelano, Nicolás Maduro, como a China e a Rússia.

De qualquer forma, nasceu a ideia de criar um fundo de assistência aos refugiados venezuelanos que imigram diariamente pela região. Essa ideia será levada à reunião do FMI em abril, como explica o ministro da Fazenda do Brasil, Henrique Meirelles.

“Foi já levantada a hipótese a ser discutida na próxima reunião do FMI no sentido de que o FMI organize um fundo multilateral que possa ser usado na assistência e direcionamento desses refugiados”, disse Meirelles.

E sobre as sanções, o Brasil decidiu cobrar a dívida de 1 bilhão e 300 milhões de dólares que a Venezuela tem com o país, enquanto outros países estudam como asfixiar o governo Maduro.

“No caso específico do Brasil, nós mencionamos o problema da dívida da Venezuela e a decisão que foi tomada pelo governo brasileiro de cobrar o pagamento da dívida. Há o caso de países como o Brasil que estão demandando pagamento porque devido a não termos, muito pelo contrário, de apoiar ou de financiar o regime como é o caso de outros países. Rússia e China são aqueles países que estão concedendo um prazo ou uma moratória no pagamento da dívida”, concluiu o ministro da Fazenda brasileiro.

Acusado de inoperância, governo Bolsonaro testará apoio das ruas no domingo

Tsunami político na Áustria freia avanço da extrema direita do país nas eleições europeias

Em meio à tensão entre Irã e EUA, americanos se opõem a mais uma guerra

Festival de Cannes ainda está longe da paridade entre homens e mulheres no cinema

Aumento de tarifas americanas entra em vigor e deve acirrar guerra comercial entre EUA e China

China x EUA: guerra comercial de longo prazo é desafio para investidores

Após 48 horas de violência, entra em vigor cessar-fogo na Faixa de Gaza

Matteo Salvini visita Hungria para discutir "pacto europeu" com o nacionalista Viktor Orbán

Dia do Trabalho de tensão na Venezuela com manifestações pró e contra Maduro

Biden inicia campanha em Pittsburgh para conquistar operários que votaram em Trump

Espanha: Partido Socialista vence legislativas e extrema direita entra no Congresso

Ciclone Kenneth devasta ilha em Moçambique com ventos de mais de 200 km/h

"Direito internacional deve prevalecer à lei do mais forte", diz Putin após reunião com Kim Jong-Un