rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Paris é a primeira capital mundial a ter moeda local, indexada ao euro

Por Lúcia Müzell

Paris se tornou a primeira capital mundial a ter a sua própria moeda local, a pêche. A iniciativa nasceu na vizinha Montreuil, em 2014, e desde então se expandiu para outras cidades a leste da capital francesa, até que chegou à Cidade Luz.

Por enquanto, a inauguração é tímida: 12 estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços da cidade aceitam vender em pêches. No total, na região parisiense, cerca de 100 locais usam a moeda alternativa ao euro.

A rede sustenta um circuito de economia solidária – o último dos objetivos é ter vantagens financeiras. Pelo contrário: quem adere à proposta quer é fugir do sistema financeiro tradicional.

“É importante para transformar a economia em nível local, viver de uma outra maneira e nos tornarmos cidadãos responsáveis, ao criarmos um novo circuito ético e solidário”, explica Brigitte Abel, cofundadora da pêche. “É uma moeda que nunca poderá ir para a especulação, para atividades criminosas nem para os paraísos fiscais. Nós queremos desenvolver uma riqueza local, com pessoas daqui.”

 

La Pêche Cendrine Bonami/23Dees

Crise financeira lançou projetos por toda a França

Iniciativas como essa pipocaram pela França e outros países europeus desde a crise financeira de 2008, encabeçadas por associações cansadas dos abusos do sistema tradicional. Eles argumentam que, com a moeda alternativa, investem na economia real, com geração de riqueza e empregos na região.

Um ponto em comum entre os participantes é a sensibilidade à causa ambiental: ao estimular um circuito restrito de compra e venda, a moeda local favorece uma produção sustentável, com menos logística, portanto menos impacto ao meio ambiente. Os parceiros devem assinar um documento no qual se comprometem a cumprir uma série de requisitos social e ecologicamente responsáveis.

É por isso que multinacionais e grandes cadeias de lojas não podem, por definição, participar da rede de moedas locais.

“O interesse pela economia cidadã e ética é muito forte, mas há também interesses comerciais. Os participantes são reconhecidos como integrantes de uma rede que valoriza a ecologia, o bem-estar animal, a produção local, a agricultura orgânica e a democracia participativa”, comenta SarahTartarin, copresidente da associação Une Monnaie pour Paris (Uma Moeda para Paris), que está por trás da iniciativa na capital. “Uma empresa apta a usar pêches responde a esses valores e vai atrair os consumidores que também são sensíveis a isso.”

Bistrô La Recyclerie, no 18° distrito de Paris, é um dos locais que aceitam pêches na capital francesa. @larecyclerie

Para poder colocar o projeto em prática, a associação conta com subvenções das prefeituras envolvidas. O principal suporte foi para a impressão das notas, que ilustram paisagens urbanas, como o metrô, e são protegidas contra falsificações, como qualquer nota.

Financiamento solidário

A entidade não revela quantas pêches estão em circulação. A moeda é indexada à divisa comum europeia e vale 3% a mais, ou seja, uma pêche vale € 1,03. Os euros recolhidos são depositados em um fundo de garantia, no banco solidário Nef.

“Se você precisa recuperar os euros, você pode vir buscá-los neste fundo de garantia. Mas os participantes podem escolher o que fazer com os 3% de valorização”, ressalta Sarah. “A grande maioria prefere doar a associações parceiras da nossa, para financiá-las, ou então doar para os comerciantes participantes, que separam um caixinha para dar para pessoas necessitadas que não tenham o que comer, por exemplo.”

A França já tem 40 moedas locais, distribuídas pelas mais diferentes regiões. A mais famosa é a Eusko, aceita por mais de 600 comerciantes do País Basco francês, no sudoeste do país. Estima-se que o equivalente a € 750 mil em euskos estejam em circulação - uma prova de que, quando adotadas pela população, elas podem se tornar de fato uma moeda alternativa para as despesas correntes.

Apoio de franceses a reformas de Macron terá prova de fogo com aposentadorias

Por que o consumidor não sente a queda histórica da taxa de juros no Brasil?

Divergências sobre acordos bilaterais retardam investimentos do Catar no Brasil

Livre de cassinos desde 1920, Paris abrirá “clubes de jogos” em 2018

Acordo Mercosul-UE: franceses apostam na qualidade para enfrentar carne brasileira

Volatilidade dos mercados está de volta e favorece especulação em 2018

De celular a sextoys, franceses revendem presentes de Natal que não agradaram

Entrada de Bitcoin na bolsa anima futuro de moedas virtuais – mas há riscos

Incubadoras brasileiras na França: soluções inovadoras para mercado de € 5 bi