rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Com energias verdes, venda de eletricidade pode virar complemento de renda

Por Nina Santos

As chamadas energias verdes vêm ganhando cada vez mais espaço com a promessa de causarem menos impactos ambientais. Mas essa não é a única novidade. Essas novas energias também possibilitam que as pessoas gerem sua própria eletricidade e vendam o excedente.

O ganho que cada pessoa poderá ter depende da sua realidade local, de quanta energia ela produz e de qual o seu consumo. Em alguns casos, o excedente pode chegar a cobrir o custo de uma conta de luz residencial. O diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura, Adriano Pires, explica que durante muito tempo os projetos energéticos foram baseados na centralização. Mas hoje a tendência é optar por iniciativas menores, que incorporem a geração descentralizada de energia, o que favorece a participação dos cidadãos.

“Hoje no mundo, você gera sua energia com um coletor solar na sua casa e o que sobra você pode vender pra rede. O consumidor está se transformando num consumidor/produtor. Então ele consome energia e dependendo do consumo e da geração que ele tem dentro da casa, ele ainda pode vender energia. Isso é uma mudança extraordinária.”

Cedric Philibert, analista da Agência Internacional de Energia, alerta, no entanto, que é preciso que as redes estejam adaptadas para poder aproveitar o excedente gerado por cada indivíduo e levar até o sistema de distribuição para que possa ser utilizado em outras regiões.

O custo baixou, mas ainda há muitos desafios pela frente

Philibert destaca ainda que o custo dessas energias é concentrado na sua implantação. Uma vez funcionando, os projetos tendem a funcionar com menos custos: Tem muitas vantagens porque há um investimento inicial, mas não há fatores recorrentes. Não há gastos com combustível e as despesas de exploração podem ser baixas sobretudo para as energias fotovoltaicas.”

Além disso, o rápido avanço tecnológico tem permitido que a implantação de energias verdes seja cada vez mais barata, como destaca Adriano Pires: “Esse é um grande desafio das fontes limpas, se tornarem competitivas economicamente. Isso tem avançado muito nos últimos anos. Se você olhar pra energia eólica, energia solar, o custo dessa energia tem caído muito nos últimos anos e caído em função de avanços tecnológicos. Ainda tem uma estrada pela frente”, afirma.

Os desafios econômicos dessas energias ainda são grandes e variados. Para especialistas, o sucesso das energias verdes depende de uma combinação complexa entre diferentes tipos de energia que devem ser plenamente adaptadas a cada realidade local.

Philibert explica que o clima, por exemplo, impacta diretamente nessa equação. Se você estiver em um país temperado, como a França, quero dizer, um país frio, você vai ter uma grande demanda, sobretudo no inverno. Isso quer dizer que a energia mais conveniente será a energia eólica, que funciona melhor no inverno do que no verão o que vai combinar com a demanda. Todas as notas da Comissão Europeia indicam que vamos utilizar muita energia eólica. Já em um país muito ensolarado e quente é o contrário, a necessidade de energia se concentra no verão, quando se usa muito ar-condicionado. Nesse caso há muitos dias com sol e portanto muita energia solar disponível. Nesses países é a energia solar que vai dominar.”

Inclusão de novos consumidores

Outra grande vantagem das energias verdes é a possibilidade fazer a energia chegar a lugares remotos, onde a conexão com redes tradicionais é muito difícil. Isso tem um impacto econômico e também social, avalia Cedric Philibert. No Brasil, em algumas regiões, também em outros países da América Latina e, sobretudo, na África subsaariana e no sudeste asiático, um dos grandes valores das energias renováveis é o de levar eletricidade aos milhares de habitantes do planeta que ainda não têm acesso a ela. Levá-la de forma rápida, potencialmente mais barata, principalmente a lugares de baixa densidade populacional onde a energia é esperada há muito tempo.”

Comércio entre Brasil e Irã ainda não foi impactado pelas sanções americanas a Teerã

Privatizações previstas por Bolsonaro agradam investidores estrangeiros

"Inteligência artificial vai mais criar do que destruir empregos no século XXI", diz especialista

França: Plano com mais de 100 medidas visa integrar refugiados em mercado de trabalho

Nacionalismo ambíguo de Bolsonaro entrará em conflito com visão de Guedes, dizem economistas

Destaque do Salão do Automóvel de Paris, carro elétrico ainda enfrenta obstáculos para emplacar

Lehman Brothers: dez anos depois, profissionais das finanças relembram falência do banco

“Sem forte ajuste fiscal e reforma da Previdência, próximo presidente não terminará seu mandato”, afirma economista Octavio de Barros

Medidas econômicas de Maduro são incoerentes e explosivas, dizem analistas

Superoferta mundial de açúcar faz produtores brasileiros direcionarem safra para etanol

Entre expectativas frustradas e conquistas sólidas, BRICS completam primeira década de existência

Brasil deve perder liderança mundial da produção de açúcar para a Índia

Pais que largam o trabalho para cuidar dos filhos: um tabu que demora a cair