rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Concorrência entre soja do Brasil e dos EUA vai se acirrar em 2019

Por Lúcia Müzell

A perspectiva de uma trégua na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China deve azedar o apetite dos chineses pela soja brasileira em 2019. Americanos e brasileiros são os maiores produtores mundiais da oleaginosa, mas o Brasil vinha levando a melhor junto aos chineses, os maiores importadores,  graças às barreiras tarifárias entre Pequim e Washington.

Analistas apostam que as tarifas de 25% impostas pelos chineses aos produtos americanos não devem demorar a cair – uma nova rodada de negociações foi lançada nesta semana. Em caso de acordo, os chineses voltariam a importar massivamente dos americanos: com os estoques cheios após uma superssafra que não conseguiram escoar, os Estados Unidos terão preços atraentes.

Em 2018, a participação chinesa nas vendas brasileiras foi recorde: 70 milhões de toneladas de soja brasileira foram exportadas à China, de um total de 82 milhões de toneladas comercializadas no exterior.

“A gente está vivendo uma situação de exceção: o conflito comercial entre Estados Unidos e China colocou o mercado de soja em uma situação fora da curva. O mercado internacional já está precificando, na bolsa de Chicago, que Estados Unidos e China vão fazer um acordo nos próximos dias”, comenta o analista Flávio França Junior, chefe do setor de Grãos da Datagro. “E mesmo não querendo, a China precisaria comprar soja americana porque não haverá disponibilidade suficiente no mundo para atender as mais de 90 milhões de toneladas que a China precisa comprar.”

Movimentação de grãos no Corredor de Exportação Foto: Ivan Bueno/APPA

Luiz Fernando Roque, especialista em soja da Safras & Mercados, avalia que o Brasil está preparado para o retorno em força dos Estados Unidos na concorrência pelo mercado chinês, além de estimular o país a retomar as vendas para outros compradores.  O analista ainda lembra que problemas climáticos afetaram o plantio no Paraná e no Mato Grosso do Sul em dezembro e colocam em risco 10% da safra brasileira em 2019 – uma má notícia que, neste contexto, seria positiva para segurar os preços.

“A gente acabou perdendo parcelas para outros blocos e países, porque a nossa soja ficou cara e a americana, barata. Em contrapartida, os Estados Unidos perderam parcelas para a China e ganharam para outros. Agora, havendo um acordo e tudo tendendo a voltar ao normal, naturalmente a gente vai voltar a uma competição normal com a soja americana e retomaremos outras exportações que tínhamos”, afirma Roque.

Concorrência forte na Europa

André Nassar, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), nota que a concorrência americana será acirrada especialmente na exportação de soja em grãos para a Europa.

“Nesse aspecto, a guerra comercial é ruim para nós porque os americanos passaram a competir conosco em mercados onde não tínhamos esse tipo de concorrência, e mercados onde tínhamos um fluxo muito estruturado. A demanda excessiva chinesa por soja se concentrou em um período muito curto, o que para nós não é bom”, observa Nassar. “Para nós, é muito mais importante manter o fluxo, programar o quanto vai produzir de farelo, quanto vai exportar de grãos. É mais estável.”

Governo Bolsonaro e relação com parceiros

A expectativa de uma retomada de relações comerciais harmoniosas entre americanos e chineses acontece ao mesmo tempo em que o governo do presidente Jair Bolsonaro começa a dar seus primeiros passos na política externa. Durante a campanha, o ex-militar criticou Pequim e provocou temores de que sua gestão poderia impactar nas exportações brasileiras ao país.

Nassar reconhece uma preocupação do agronegócio sobre as posições políticas de Bolsonaro em relação a parceiros comerciais importantes do Brasil, em especial a China. “É preciso entender até que ponto a agenda do presidente gera ou não impacto nos mercados compradores dos produtos do agronegócio brasileiro, e o segundo ponto é que ela seja implementada com esse cuidado. Se gerar impacto, vamos trabalhar para minimizá-los”, sublinha o presidente da Abiove.

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional

Em crescimento, fundos ativistas viram acionistas para mudar empresas por dentro

Reforma da Previdência agrada mercados, mas pode aprofundar desigualdades

Brasil tem posição favorável no mercado mundial de grãos, dizem especialistas

Em 2019, Brasil quer se consolidar como referência no mercado de espumantes

Movimento de "coletes amarelos" faz vendas de final de ano despencarem na França