rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

Por RFI

O Brasil chega neste 1° de maio, Dia do Trabalho, a 13,4 milhões de desempregados. No horizonte, tramita no Congresso Nacional a votação da Reforma da Previdência, o que, na opinião do economista Thomas Coutrot, do Ministério do Trabalho e do Emprego na França, pode agravar ainda mais a crise na geração de novos postos e a renda do trabalhador.

Andréia Durão, especial para a RFI

Thomas Coutrot é um dos fundadores da Attac, uma associação pela luta da justiça fiscal e social, e aponta o baixo crescimento econômico como o verdadeiro grande vilão da crise no mercado de trabalho no Brasil. De acordo com a pesquisa Pnad Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego chegou a 12,7% neste primeiro trimestre de 2019.

O número de desempregados no Brasil constitui o maior índice desde o primeiro trimestre do ano passado (13,6 milhões). Em relação aos últimos três meses de 2018, houve um acréscimo de 1,2 milhão de pessoas a esse grupo no país, uma alta de 10,2%.

O economista enfatiza os riscos de uma economia brasileira fortemente comprometida com as exportações de matéria-prima e produtos agrícolas, o que expõe o país às oscilações dos mercados internacionais, a exemplo da crise mundial assistida após o desaquecimento da demanda da China.

Ele reprova que o Brasil seja dependente de uma pauta de exportação, sem investimentos públicos e privados expressivos no crescimento econômico, voltado também para o consumo doméstico, o que inviabiliza a retomada da geração de novas oportunidades no mercado de trabalho.

“A reforma trabalhista não garantiu e não vai garantir a geração de novas vagas de trabalho. Pelo contrário, seu principal alvo parece ter sido precarizar o emprego”, critica o especialista, que não vê perspectivas de retomada do aumento da oferta de empregos no curto prazo.

Risco de aumento do abismo entre pobres e ricos no Brasil

A Reforma da Previdência, que passou pela sua primeira aprovação do último 23 de abril, na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), não aponta grandes contribuições para a mudança deste cenário. Para Coutrot, o texto da reforma é fortemente orientado para a redução de gastos públicos, gerando uma consequente diminuição da redistribuição de renda, em um país já marcado pela desigualdade social.

“Os gastos com a previdência não são excessivos. O problema é a fragilidade da arrecadação. É preciso um esforço maior do lado fiscal para estabelecer um patamar mais sólido para financiar a previdência. O problema não está do lado dos gastos, mas do lado das receitas”, sintetiza.

Em sua opinião, a reforma pode agravar um ciclo vicioso em que o crescimento do mercado informal reduz a arrecadação, diminuindo também o acesso da população a benefícios, incentivando que mais trabalhadores migrem para a informalidade. “O crescimento das atividades sem carteira registrada é a regressão do mercado do trabalho no Brasil”, lamenta.

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França