rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

Por RFI

O Brasil chega neste 1° de maio, Dia do Trabalho, a 13,4 milhões de desempregados. No horizonte, tramita no Congresso Nacional a votação da Reforma da Previdência, o que, na opinião do economista Thomas Coutrot, do Ministério do Trabalho e do Emprego na França, pode agravar ainda mais a crise na geração de novos postos e a renda do trabalhador.

Andréia Durão, especial para a RFI

Thomas Coutrot é um dos fundadores da Attac, uma associação pela luta da justiça fiscal e social, e aponta o baixo crescimento econômico como o verdadeiro grande vilão da crise no mercado de trabalho no Brasil. De acordo com a pesquisa Pnad Contínua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego chegou a 12,7% neste primeiro trimestre de 2019.

O número de desempregados no Brasil constitui o maior índice desde o primeiro trimestre do ano passado (13,6 milhões). Em relação aos últimos três meses de 2018, houve um acréscimo de 1,2 milhão de pessoas a esse grupo no país, uma alta de 10,2%.

O economista enfatiza os riscos de uma economia brasileira fortemente comprometida com as exportações de matéria-prima e produtos agrícolas, o que expõe o país às oscilações dos mercados internacionais, a exemplo da crise mundial assistida após o desaquecimento da demanda da China.

Ele reprova que o Brasil seja dependente de uma pauta de exportação, sem investimentos públicos e privados expressivos no crescimento econômico, voltado também para o consumo doméstico, o que inviabiliza a retomada da geração de novas oportunidades no mercado de trabalho.

“A reforma trabalhista não garantiu e não vai garantir a geração de novas vagas de trabalho. Pelo contrário, seu principal alvo parece ter sido precarizar o emprego”, critica o especialista, que não vê perspectivas de retomada do aumento da oferta de empregos no curto prazo.

Risco de aumento do abismo entre pobres e ricos no Brasil

A Reforma da Previdência, que passou pela sua primeira aprovação do último 23 de abril, na Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), não aponta grandes contribuições para a mudança deste cenário. Para Coutrot, o texto da reforma é fortemente orientado para a redução de gastos públicos, gerando uma consequente diminuição da redistribuição de renda, em um país já marcado pela desigualdade social.

“Os gastos com a previdência não são excessivos. O problema é a fragilidade da arrecadação. É preciso um esforço maior do lado fiscal para estabelecer um patamar mais sólido para financiar a previdência. O problema não está do lado dos gastos, mas do lado das receitas”, sintetiza.

Em sua opinião, a reforma pode agravar um ciclo vicioso em que o crescimento do mercado informal reduz a arrecadação, diminuindo também o acesso da população a benefícios, incentivando que mais trabalhadores migrem para a informalidade. “O crescimento das atividades sem carteira registrada é a regressão do mercado do trabalho no Brasil”, lamenta.

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora