rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Perspectiva de recorde de empregos na França favorece estrangeiros

Por Lúcia Müzell

Desde a crise de 2008 que as empresas francesas não planejavam empregar tanto quanto neste ano. Uma pesquisa divulgada em abril pelo Pôle Emploi, serviço de acompanhamento dos desempregados, indicou que o clima favorável deve resultar em 2,7 milhões de contratos. Em alguns setores, como a engenharia, a falta de mão de obra leva o país a se abrir para profissionais estrangeiros.

O mercado de trabalho francês registra carências em diversas áreas. A maioria são postos pouco qualificados de serviços, da construção civil e empregos temporários, como viticultor ou garçom.

“Mesmo com um crescimento econômico relativamente moderado, temos tensões em alguns setores, apesar de um contexto de desemprego que permanece elevado, de cerca de 9%. A França tem uma forte proporção de desempregados de longa duração, de mais de um ano, o que faz com que essas pessoas se afastem dos pré-requisitos pedidos pelas empresas, por falta de formação”, explica o economista Yannick L’Horty, da Universidade Paris-Est Marne-la-Vallée.

Nos cargos superiores, sobram vagas de especialistas em informática e engenheiros. L’Horty nota que, assim como vários outros países europeus, a França ainda protege o seu mercado de trabalho, mas tem promovido a vinda a trabalhadores estrangeiros para responder à demanda de setores estratégicos, que dinamizam a economia.

“Há uma abertura muito regulada do mercado. Uma das maiores possibilidades é de os estudantes estrangeiros virem terminar os estudos na França e, no final, sob algumas condições, poderem ter um emprego francês”, observa o pesquisador do mercado de trabalho.

Empresa foi atrás de brasileiro

Foi o que aconteceu com o cearense Rômulo Pletsch, de 27 anos, que veio à França em busca de um duplo diploma de engenharia e acabou recebendo uma proposta de trabalho quando já estava de volta ao Brasil, após concluir o curso de engenharia mecânica.

“Eles conseguiram o meu currículo, não sei como, e me mandaram um email dizendo que o meu perfil interessava, que eu já tinha tido uma experiência no mercado automobilístico. Fiz uma entrevista por telefone mesmo, e depois me pediram para fazer a entrevista seguinte com o chefe de projetos já na França”, conta. “Fiquei surpreso porque, em geral, é a gente que vai atrás do emprego.”

O engenheiro Rômulo Pletsch recebeu uma proposta de emprego depois de retornar para o Brasil para concluir os estudos Arquivo Pessoal

Pletsch aceitou a oferta, e a empresa se encarregou em dar entrada no pedido do seu visto de trabalho na França. Paradoxalmente, o brasileiro se enquadra no perfil mais problemático de recrutar para uma empresa francesa.

“O caso mais complicado é uma empresa contratar um funcionário que não reside na França e vem de fora da União Europeia. O processo é mais difícil para a empresa, e, antes de mais nada, ela precisa tentar contratar alguém na própria França”, destaca o economista Bruno Ducoudré, especialista em mercado de trabalho do Observatório Francês da Conjuntura Econômica (OFCE). “Ela precisa provar que tentou antes de recorrer a alguém que mora fora da União Europeia.”

Estrangeiros sofrem mais com o desemprego

É por isso que é preciso estar atento aos setores nos quais a demanda de trabalhadores é flagrante. Ducoudré ressalta que, de uma maneira geral, os estrangeiros pouco qualificados são os que mais sofrem com o desemprego na França.

“Somos um país que tem uma demografia dinâmica, com uma população ativa que cresce a cada ano. Estamos longe da problemática que existe no Japão ou na Alemanha, que têm queda da população ativa”, observa. “Eles, sim, têm necessidade de atrair trabalhadores estrangeiros para atender à demanda de mão de obra.”

Oportunidades após o diploma francês

A dica valiosa de Rômulo Pletsch é realizar os estudos na França, se possível em uma instituição de prestigio, como as chamadas grandes écoles. O cearense garante que o diploma francês faz toda a diferença na hora de buscar trabalho no país.

“Eu conheço vários outros brasileiros que vieram para cá procurar emprego e conseguiram, mas também pessoas de muitos outros lugares do mundo. Já trabalhei com gente da Alemanha, Índia, Coreia do Sul, Japão”, relata o engenheiro. “É um mercado bem aberto e globalizado, que eu recomendo para as pessoas que me perguntam por estarem buscando sair do Brasil e vir morar na Europa.”

A França oferece dois tipos de vistos para estrangeiros que querem tentar a vida profissional no país: o APS (Autorização Provisória de Permanência), destinado a recém formados de alto nível em instituições francesas, e o Talentos Internacionais, que visa aumentar a atratividade de trabalhadores e pesquisadores qualificados, além de empreendedores.  

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional

Em crescimento, fundos ativistas viram acionistas para mudar empresas por dentro

Reforma da Previdência agrada mercados, mas pode aprofundar desigualdades

Brasil tem posição favorável no mercado mundial de grãos, dizem especialistas