rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Conceito americano de férias ilimitadas cresce na Europa

Por Lúcia Müzell

Atire a primeira pedra quem não sonha em ter dias ilimitados de férias por ano, sem prejuízo salarial. Na Califórnia, meca das start ups americanas que se transformam em potências econômicas globais, a moda já pegou faz tempo, desde os anos 2000. Na Europa, a cada ano mais empresas experimentam o modelo que deixa a cargo dos funcionários a gestão das próprias férias.

A ideia é fortalecer os laços de confiança entre patrões e empregados e trocar a cultura do horário pela dos resultados, além de prevenir os casos de burn out. Na teoria, contando que o funcionário execute o seu trabalho corretamente, não importa quantos dias nem quando ele vai sair de férias. Desde 2009, a Netflix, por exemplo, já determinava que “devemos nos concentrar no que o funcionário deve fazer, e não no número de horas que ele cumpre”.

Essa é uma das convicções da francesa Alan, uma start up de convênio de saúde simplificado que propõe um racha em uma série de convenções trabalhistas. A empresa já tem mais de 150 empregados e todos são convidados a participar das decisões, inclusive das contratações. As vagas oferecem flexibilidade de horários e possibilidade de fazer home office quase à vontade ou de tirar quantas férias quiser. 

“Abrimos a oportunidade de as pessoas poderem dizer ‘estou muito cansado, preciso tirar uma semana para repousar e isso não terá impacto no meu trabalho’”, explica a diretora de Talentos Déborah Rippol. “Não tem fiscalização. Aliás, só precisamos tomar cuidado para que todos tirem o mínimo de férias estabelecido pela lei, que na França é de 35 dias.”

Déborah Rippol, diretora de Talentos da start up Alan Profile

A organização das datas fica a cargo de cada equipe, e não dos Recursos Humanos. Déborah esclarece que, em média, os funcionários pegam cinco dias a mais do que o que a legislação exige. “Mas pode ser diferente de um ano para outro. As pessoas tiram mais ou menos dias em função dos seus projetos pessoas e do que estão a fim de fazer naquele ano”, sublinha.  

Vagas crescem nos EUA e na Europa

Um relatório do site internacional de busca de empregos Indeed, publicado em junho, mostrou que a ideia se propagou com uma força impressionante de 2018 para 2019, nos Estados Unidos: o número de vagas de emprego com férias ilimitadas cresceu 178% no período. A tendência se confirma na Europa. Um estudo realizado em 2018 pelo site francês Jobfit indicou que os empregos sem delimitação dos dias de férias cresceram 60%, em relação ao ano anterior.

A diferença crucial entre os dois lados do Atlântico é que, nos Estados Unidos, não há uma obrigação legal dos dias de férias por ano – em geral, não excedem duas semanas, quando existem. Na Europa e em países como o Brasil, o descanso remunerado mínimo é regulamentado. Nesses casos, e não por acaso, é nos lugares menos generosos em dias de férias que o conceito encontra mais sucesso, como na Inglaterra (28 dias).

De acordo com o Jobfit, 1 a cada 100 mil empregos franceses propunha férias ilimitadas em 2018. Na Alemanha, era o dobro, enquanto que no Reino Unido pulavam para 26 - e, nos Estados Unidos, chegavam a 56.

Funcionários podem aproveitar férias sem limite de maneira diferente a cada ano, de acordo com seus projetos pessoais. Pixabay

Olhar positivo sobre a ausência

Martial Demange, dono do grupo imobiliário francês Avinim, escolheu colocar as relações humanas no coração do seu negócio e “ter um olhar positivo” sobre a ausência dos empregados. Ele adotou o método com oito de seus funcionários, que podem tirar até um ano de férias pagas.

“No fim, ninguém abusa e alguns dias a mais traz muitos ganhos para o moral e o bem-estar dos colaboradores. Ao mesmo tempo, custa muito pouco para a empresa”, resume Demange. “Para quem está acostumado a trabalhar bastante, o fato de poder tirar alguns dias de folga imprevistos para descansar faz com que, ao retornar, na segunda-feira, a pessoa esteja em boa forma e cheia de energia. Indiretamente, ganhamos em produtividade, embora não seja esse o meu objetivo.”

Martial Demange, dono do grupo imobiliário francês Avinim Arquivo Pessoal

Mais pressão?

Mas se engana quem pensa que o trabalho dos sonhos não delimita as férias. O método pode acabar por instalar mais pressão sobre os funcionários – para impressionar, muitos acabam tirando menos dias do que num trabalho convencional. Além disso, pode gerar tensões na equipe, entre os que tiram mais ou menos dias de repouso. É por isso que Laetitia Vitaud, consultora da britânica WillBe Group e especialista em tentar antecipar o mercado de trabalho do futuro, é cética sobre a ideia.

“Na realidade, quando existe essa possibilidade, muito pouca gente pega porque a pressão dos colegas fica muito grande. Essa ainda é a cultura dominante no mercado de trabalho, ainda mais na Sillicon Valley, o reino dos workaholics”, lembra. “Acaba sendo mais uma questão de imagem para a empresa, que sabe que ninguém vai usar essa liberdade.”

Outra particularidade é que nem todos os setores podem se beneficiar dessa proposta. Os mais propensos são os que podem ser feitos à distância, como de tecnologia. Vitaud avalia que, mais do que oferecer férias ilimitadas, a verdadeira tendência é a de flexibilizar ou encurtar o tempo de trabalho.

“Há muitos tipos de empregos nos quais a presença na frente de um cliente não é necessária e isso gera cada vez mais tolerância em relação aos horários e à presença no trabalho. Esse clima de ‘controle’, comum 30 anos atrás, está mais fraco”, avalia.  

Envelhecimento na Europa causa impacto na economia e exige reformas de aposentadorias

Marcas de fast fashion oferecem conserto, reciclagem e revenda de roupas

Franceses são maiores empregadores estrangeiros no Brasil; rixa prejudica novos negócios

Baixar alíquota máxima do IR seria mais um “presente para os ricos”, diz discípulo de Piketty

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional