rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Economia
rss itunes

Por que a pobreza na Rússia não para de aumentar?

Por Lúcia Müzell

No período de um ano, 500 mil pessoas passaram a engrossar as estatísticas da pobreza na Rússia, de acordo com dados oficiais do instituto Rosstat, em números que podem ser subestimados. Atualmente, um a cada sete russos é pobre: quase 21 milhões de habitantes vivem abaixo da linha da pobreza, um índice que cresceu 15% desde 2014.

Foi justamente nesse ano que entraram em vigor uma série de sanções internacionais aplicadas contra Moscou pelas potências ocidentais, após a anexação da Crimeia pelo governo russo, na guerra contra a Ucrânia. Desde então, a economia russa ficou mais isolada do Ocidente, e os percalços nos preços internacionais do petróleo não ajudam a melhorar o quadro.

No entanto, embora importantes, esses dois fatores não explicam por completo o aumento da pobreza. “Também é a falta de reforma, a expansão do Estado, o aumento da corrupção, que inibem os investimentos. O último relatório do FMI sobre a Rússia sugere que o ritmo lento de crescimento econômico se deve mais a outros fatores internos do que pelas sanções, que respondem por cerca de 1% do PIB a menos, ou seja, US$ 15 bilhões”, ressalta Sergei Guriev, economista-chefe do Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (Berd), entidade que financia projetos na Europa central e oriental.

Pior momento desde o fim da União Soviética

Com um crescimento projetado de no máximo 1,5% em 2019 - menos do que as economias avançadas e as emergentes -, alguns analistas não hesitam em afirmar que o país vive o momento econômico mais delicado desde o fim da União Soviética. Guriev, um respeitado economista em seu país, mas que foi obrigado a deixar a Rússia por divergências com o Kremlin, concorda parcialmente com essa avaliação.

O orçamento russo está baseado em um preço do barril do petróleo a US$ 40 – ou seja, enquanto o valor estiver acima, como agora, o país economiza. A dívida do Estado está baixa e o fundo soberano flutua em torno de 70% do PIB.

“A situação macroeconômica não está problemática. O que é preocupante é que não há plano para o desenvolvimento econômico e o investimento”, avalia. “Está claro que, infelizmente, a economia russa está ficando para trás na economia global e na comparação com outros mercados emergentes, e não há um modelo tangível nem crível para compensar essa lacuna com o resto do mundo.”

Em um país com uma indústria ainda pouco mecanizada, a população envelhece e a taxa de natalidade é baixa – um coquetel preocupante para o futuro. “É bastante assustador que, com um petróleo bastante elevado como agora, a pobreza na Rússia esteja crescendo. Por alguma razão, o governo russo não está concentrado nesse problema importantíssimo”, nota Guriev. “Num futuro próximo, países que sempre foram mais pobres do que a Rússia passarão a ser mais ricos.”

Plano de investimentos não sai do papel

A analista Nataliya Orlova, do Alfa Bank, de Moscou, complementa: a mão fechada do governo para relançar a atividade está impedindo o país de avançar. O presidente Vladimir Putin já prometeu sucessivas vezes a abertura de um grande plano de investimentos em infraestruturas – que até agora, não saiu do papel.

“O objetivo da política econômica a partir de 2014 foi restringir os gastos e essa é a principal razão pela qual a renda real da população não aumenta. Os chamados ‘projetos nacionais’, anunciados no início do ano, até agora não vingaram”, frisa a analista. “Existe a expectativa de que as despesas aumentem na segunda parte do ano e em 2020 para financiar esses projetos, conforme anunciado.”

Nesse contexto, os russos perderam em média 10% de poder aquisitivo em 10 anos, uma situação que prejudica mais as famílias de baixa renda. Orlova pondera que a diminuição tem de ser vista em perspectiva: o país registrava crescimento econômico acentuado nos anos 2000 e o poder de compra acompanhou uma prosperidade que, agora, ficou no passado.

“É preciso entender que o poder aquisitivo baixou de um nível que estava relativamente alto, antes de 2014, e principalmente nos anos 2000, depois da transição soviética”, afirma Orlova.

Enquanto a renda diminui, o endividamento aumenta, ao custo de juros de até 10%. O crédito é oferecidos sem dificuldades por microbancos. O Banco Central russo indica que, em 2018, as dívidas das famílias atingiram o recorde em décadas, de € 210 bilhões – uma conjuntura que, no caso de uma piora da crise, pode fragilizar ainda mais a situação dos mais vulneráveis.

Envelhecimento na Europa causa impacto na economia e exige reformas de aposentadorias

Marcas de fast fashion oferecem conserto, reciclagem e revenda de roupas

Franceses são maiores empregadores estrangeiros no Brasil; rixa prejudica novos negócios

Baixar alíquota máxima do IR seria mais um “presente para os ricos”, diz discípulo de Piketty

No 1º salão após venda à Boeing, Embraer foca em defesa, jatos e inovação

Em meio a cortes na Defesa, governo acerta compra de mísseis europeus por € 200 mi

Cortes do governo Bolsonaro prejudicam agricultura familiar, apontam especialistas na FAO

Brasil não corre risco de “virar uma Argentina”, apesar de confusões de Bolsonaro

Incentivos fiscais fazem doações milionárias à Notre-Dame recaírem sobre o Estado francês

Especialistas em dados e IA são disputados a peso de ouro pelas empresas

Desconfiança sobre investimentos chineses leva a reação internacional