rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Acordo do Brexit recebe apoio preliminar do Parlamento britânico

Festa Jogos de Inverno Olímpiadas Rússia Sochi

Publicado em • Modificado em

Festa de encerramento das Olimpíadas de Sochi teve muito brilho e humor

media
Um dos últimos momentos da festa de encerramento das Olimpíadas de Sochi. REUTERS/Grigory Dukor

Com um mega espetáculo de luzes, cores e até humor, a Rússia encerrou neste domingo (23) no estádio Fisht os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014. As Olimpíadas são consideradas um sucesso para o presidente Vladimir Putin tanto pela organização, sem falhas, quanto pelo plano esportivo, já que o país anfitrião foi o campeão do quadro final de medalhas.


Para fechar com chave de ouro a 22ª edição dos Jogos de Inverno, a Rússia escolheu falar de sua cultura e até exibir cenas exuberantes de magia. Um dos momentos mais apreciados e comentados foi a lembrança, com uma dose de humor, de uma falha ocorrida durante a abertura.

Durante a cerimônia que deu início aos Jogos, um dos anéis olímpicos não se formou como deveria, o que provocou uma enxurrada de comentários e críticas pelas redes sociais. Na festa de encerramento, o mesmo quadro foi reconstituído de maneira idêntica, desta vez como centenas de voluntários vestidos de prata. O quinto anel, então, se abriu como se fosse um piscar de olho, provocando reações entusiasmadas do público.

Na seqüência, entraram em cena os atletas que permaneceram em Sochi e desfilaram pelo estádio. A porta-bandeira da delegação brasileira foi a patinadora Isadora Williams, de 18 anos, escolhida por simbolizar o futuro olímpico do país nos esportes de inverno.

O espetáculo também contou com bailarinos do balé Bolshoi e a aparição de retratos gigantes de 12 grandes escritores russos, entre eles Tolstoi e Dostoievski, sob uma chuva de aplausos.

Passagem do bastão para Coreia do Sul

Depois de números circenses, a bandeira olímpica mudou de paisagem, em direção à Coreia do Sul, país que sediará os próximos Jogos de Inverno, em 2018. Árvores luminosas e dançarinas com vestidos brancos embaladas pelo tradicional instrumento coreano kayakeum,garantiram a continuidade do espetáculo.

Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional tomou a palavra para inicialmente agradecer a Rússia pela organização do evento. “Pudemos ver a imagem de uma nova Rússia eficiente e amigável, patriótica e aberta ao mundo”, declarou. “Não há melhor elogio para dizer em nome de todos os participantes dos Jogos Olímpicos: foram os Jogos dos esportistas”, acrescentou. E, na seqüência, pronunciou a tradicional frase de encerramento dos Jogos.

Depois, três mascotes gigantes entraram em cena, patinando ou esquiando. Entre eles, o urso Mishka que apagou a chama olímpica, e depois, derramou uma lágrima, repetindo o famoso gesto das Olimpíadas de Verão de 1980. Centenas de crianças com tochas nas mãos entoaram uma última canção antes que uma queima de fogos de artifício terminasse com muito brilho a festa olímpica.

Rússia liderou quadro final de medalhas

A Rússia foi a grande vencedora no quadro final de medalhas com um total de 33, sendo 13 de ouro. A Noruega ficou em segundo, com 26 medalhas no total, com 11 de ouro e o Canadá em terceiro, com 25 medalhas, sendo 10 de ouro. A França terminou em 10° lugar na classificação final com 15 medalhas, sendo 4 de ouro. 

O destaque individual das Olimpíadas de Sochi foi o norueguês Ole Einar Bjoerndalen. Ele se tornou o maior medalhista da história dos Jogos de Inverno ao conquistar, no total, 13 medalhas, sendo 8 de ouro.