rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Copa de 2014 Brasil México Futebol Torcedor

Publicado em • Modificado em

Brasil e México em clima de festa na chegada à Arena Castelão

media
Grupo de torcedores brasileiros fez batucada enquanto esperava o início do jogo contra o México. Elcio Ramalho

Torcedores brasileiros e mexicanos protagonizaram uma verdadeira festa de confraternização na chegada ao estádio onde as duas equipes se enfrentam pela segunda rodada do grupo B. Não faltaram provocações, mas o clima era de harmonia com muitos brasileiros e mexicanos tirando fotos para registrar um momento histórico de mais um confronto entre as equipes em uma Copa do Mundo.


Na descida dos ônibus de linha que trouxeram gratuitamente os torcedores do centro de Fortaleza até os arredores do estádio, os torcedores já eram abordados por dezenas de camelôs que se espalharam pela imensa avenida de acesso ao local do jogo. Os vendedores ambulantes vendiam bonés, bandeiras, acessórios verde e amarelo e principalmente bebidas.

Os que não estavam dispostos a fazer a caminhada de cerca de dois quilômetros até a Arena podiam optar por bicicletas de até oito lugares, autorizadas a levá-los até a proximidade do Castelão. No caminho, torcedores mexicanos enfeitados com os tradicionais sombreros e máscaras pararam diversas vezes para tirar fotos com os brasileiros. Um grupo mais animado reagia às ofertas de água e cerveja pelo caminho: “hoje queremos tequila”, em referência à bebida típica do país.

No amplo calçadão ao lado do estádio o grande encontro das duas torcidas resultou em uma saudável disputa de cantos, com muita provocação. Os mexicanos repetiam o bordão de que o dia não seria de Neymar, mas sim da equipe que tirou a medalha de ouro do Brasil nas Olimpíadas de 2012. Em resposta, um grupo de brasileiros, em ritmo de batucada, lembrava as vitórias do Brasil contra o México, e principalmente a lembrança da conquista do tri-campeonato, em 1970, no país.

Fortaleza foi “invadida” por cerca de 30 mil mexicanos, segundo um dos turistas que veio de Guadalajara para seguir a equipe treinada por Miguel Herrera. “Não dá para perder uma Copa no Brasil”, resumiu.