rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Atletismo Usain Bolt China Doping

Publicado em • Modificado em

Usain Bolt conquista medalha de ouro dos 100m no Mundial de Pequim

media
Usain Bolt cruza a linha de chegada em primeiro na final dos 100 mts no Mundial de Atletismo de Pequim. REUTERS/Lucy Nicholson

O jamaicano Usain Bolt venceu neste domingo (23) a final dos 100m rasos no Mundial de Atletismo de Pequim com a marca de 9'79. Ele chegou à frente dos americanos Justin Gatlin (9'80 ) e Trayvon Bromell (9'92 centésimos), que dividiu o bronze com o canadense Andre De Grasse. A nova medalha de ouro confirma o retorno de Bolt ao auge de sua forma, após duas temporadas consideradas decepcionantes.


Aos 29 anos, completados na última quinta-feira, Usain Bolt conquistou a final dos 100 mts no mesmo estádio que o consagrou, o Ninho dos Pássaros, onde ganhou em 2008 três medalhas de ouro durante as Olimpíadas de Pequim. Ele celebrou a conquista ainda nas pistas, posando para os fotógrafos com o gesto que o tornou conhecido no mundo inteiro, imitando um "raio".

Sua conquista neste domingo o torna o atleta com mais medalhas (11) e com mais títulos (9) na história dos Mundiais de Atletismo.

Triunfo do atleta “limpo”

A vitória sobre o americano Justin Gatlin também representa o triunfo de um atletismo "limpo", já que o maior rival de Bolt nas pistas foi suspenso duplamente durante cinco anos devido ao doping. Gatlin foi flagrado por exames para detectar o consumo de anfetaminas e depois foi controlado positivo para outra substância proibida, a testosterona.

Nas provas de classificação, Bolt teve mais dificuldades do que o americano, mas soube superar o grande adversário na decisão. Os dois atletas vão se reencontrar a partir de terça-feira nas provas dos 200 mts.

Usain Bolt comemora a medalha de ouro em Pequim com o gesto que o tornou conhecido no mundo inteiro. REUTERS/Lucy Nicholson

Ao subir mais uma vez no lugar mais alto do pódio, Usain Bolt, que fatura anualmente mais de U$ 20 milhões, reforça também sua imagem de um dos ícones da Jamaica, assim como o músico Bob Marley.

Segundo especialistas, a conquista deste domingo não apenas garante o futuro para a imagem do atletismo, como renova o prestígio da prova mais clássica desse esporte, os 100m rasos.