rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Barcelona Futebol Bola de Ouro Holanda

Publicado em • Modificado em

Morre Johan Cruyff, o "holandês voador"

media
Johan Cruyff morreu de câncer no pulmão nesta quinta-feira (24). REUTERS/Gustau Nacarino/Files

O futebol perdeu nesta quinta-feira (24) um de seus jogadores mais emblemáticos, Johan Cruyff, mais conhecido como o "holandês voador". Aos 68 anos, ele perdeu a batalha contra um câncer de pulmão.


“No dia 24 de março de 2016, Johan Cruyff (68) faleceu em Barcelona, cercado por sua família depois de uma dura luta contra o câncer. Pedimos com grande tristeza que a privacidade da família seja respeitada durante o período de luto", informou a família em uma nota publicada no site oficial do ex-jogador.

Em outubro do ano passado, Cruyff revelou ser vítima de um câncer no pulmão. Ele era um fumante inveterado e abandonou o vício em 1991, após uma cirurgia cardíaca. Cruyff chegou a fazer uma campanha para o departamento de saúde da Catalunha, de combate ao tabagismo.

"Em minha vida, tive dois grandes vícios: fumar e jogar futebol. O futebol me deu tudo na vida e, em compensação, fumar quase a tirou de mim", afirmava no anúncio. No início do ano, o ex-craque chegou a divulgar que seu tratamento contra o câncer tinha dado sinais "muito positivos" e deu a entender que venceria a batalha.

Johan Cruyff ganhou o apelido de "holandês voador" por representar a imagem do "futebol total", praticado nos anos 70 pelo Ajax Amsterdam e também pela seleção holandesa.

Cruyff vestia a camisa 14 da equipe que ficou conhecida como o "Carrossel Holandês" e também "Laranja Mecânica", em referência a um filme homônimo de Stanley Kubrick.

Apesar de sua aparência frágil, o meio-campista Cruyff era reconhecido como um jogador de muita habilidade, capaz de criar muitas jogadas inspiradas, e por isso serviu de inspiração para muitas gerações de atletas.

Ele tinha uma ampla visão de jogo, fazia passes rápidos e precisos, e tinha muita técnica e talento que o fizeram ser a imagem de um jogador do futebol moderno.

O holandês Johan Cruyff durante um jogo da Copa do Mundo de 1974 contra a Argentina. STF / AFP

Profissional desde os 17 anos no Ajax, ele viveu o auge de sua carreira no clube holandês, entre 1964 e 1973. Em seguida, foi transferido para o Barcelona onde foi treinado pelo seu compatriota Rinus Michels (1973 - 1978). Depois, Cruyff se tornou treinador do time catalão.

O holandês venceu três vezes (1971, 1973, 1974) o prêmio Bola de Ouro, a maior premiação individual para um jogador de futebol.

Reações

Como símbolo de um futebol de classe moderno, Johan Cruyff foi fonte de inspiração para várias gerações de meio campistas. "Foi o melhor jogador de todos os tempos", declarou o francês Michel Platini nesta quinta-feira, ao reagir à notícia de sua morte.

"Cruyff deu ao futebol um toque único, que muitos tentam imitar", comentou Joseph Blatter, ex-presidente da FIFA, que se encontra afastado do futebol. "Estou muito comovido. Era uma personalidade extraordinária que, com Rinus Michels, colocou em ação o futebol total", continuou.

Johan Cruyff, ex-treinador e ex-jogador do Barcelona, foi nomeado presidente de honra do Barcelona no estádio Camp Nou, em Barcelona, Espanha em 08 de abril de 2010. REUTERS/Albert Gea/Files

Em seu site, o Barcelona rendeu homenagem a um dos ídolos históricos do clube. "Sua visão de jogo, sua inteligência e sua técnica fizeram dele um verdadeiro símbolo no Barcelona", diz o texto.

"Em 1978, Cruyff deixou o Barcelona. Dez anos mais tarde ele voltou como treinador. Durante oito anos, ele comandou o melhor Barça da história até agora. Ele conquistou quatro títulos da Liga (Espanhola) e conquistou a primeira Copa da Europa do FC Barcelona, em 1992", diz a nota.

"Ele deixou o cargo de treinador em 1996 e foi designado em 1999 como melhor jogador do século", afirma o Barcelona.