rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Rafaela Silva: de "lixo" à consagração olímpica

Por Elcio Ramalho

Muito antes de subir ao pódio como campeã dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, a judoca Rafaela Silva chegou a ser chamada de “lixo” e enfrentou uma depressão profunda antes de dar a volta por cima com ajuda de tratamento psicológico. Uma das responsáveis pelo trabalho que fez Rafaela desistir da ideia de abandonar o tatame foi a psicóloga Nell Salgado, que se tornou a coach desportiva da atleta no período mais difícil da carreira.

Do enviado especial ao Rio de Janeiro

Ao final de uma luta de quatro minutos na categoria até 57 kg, a judoca Rafaela Silva entrou para a história do judô e do esporte brasileiro como a primeira medalhista de ouro nas Olimpíadas do Rio 2016. Mas a trajetória que levou a menina de origem humilde ao estrelato foi cheia de obstáculos pessoais.

Durante as várias entrevistas concedidas após o ouro, Rafaela fez questão de comentar sua indignação por ter sido vítima de insultos racistas pelas redes sociais, em 2012. “Disseram que lugar de macaco era na jaula e não nas Olimpíadas”, lembrou.

Assim que foi eliminada dos Jogos de Londres, Rafaela, então com 20 anos, foi alvo de injurias que conduziram sua estima ao abismo. Um mês e meio depois de chegar das Olimpíadas de Londres, Rafaela decidiu mudar após uma palestra no Instituto Reação, criado pelo ex-judoca Flavio Canto em comunidades carentes. Na sequência, ela iniciou o trabalho com psicóloga Nell Salgado.

“Na primeira sessão, fiz um trabalho de resgate. A base do trabalho de coaching é a neurolinguística, para levar o indivíduo à autorreflexão. Perguntei à Rafaela, quem era ela, de onde tinha vindo, que tipo de superação tinha vivido. Tudo isso para trazer ao consciente e ‘alimentá-la’ porque ela não acreditava mais nela. As pessoas diziam que ela era uma vergonha nacional e ela começou a acreditar naquilo. Isso à levou para uma depressão profunda”, contou em Nell à Rádio França Internacional.

“Ela não conhecida a derrota, era só ganhar. Então, no momento dela se consagrar, ela se tornou para as pessoas, como disseram, um ‘lixo’. Meu primeiro papel foi resgatar a autoestima dela”, conta

Segundo Nell Salgado, em três sessões conseguiu fazer Rafaela refletir sobre tomar uma importante decisão em sua vida. Avaliar perdas e danos e avaliar a dor de não lutar nos Jogos Olímpicos em sua casa. “De olhos fechados, ela chorou muito”, recorda Nell. “A dor fez ela entender qual era sua missão, e, oito meses depois, Rafaela foi campeã mundial de judô na casa dela, que é o Rio de Janeiro”, lembra a psicóloga, que passou a fazer um trabalho de coaching com a atleta.

 

Rafaela Silva no tatame da Arena Carioca 2. Foto: REUTERS/Kai Pfaffenbach

Dez dias de euforia

Na mesma cidade e não muito longe do local onde nasceu, a menina de origem pobre da comunidade Cidade de Deus na zona oeste do Rio ganhou notoriedade de dimensões olímpicas, o que significa um grande desafio profissional para a coach Nell.

“Estou esperando uns 10 dias, deixa ela curtir essa fama para chamá-la para a realidade. Quem é a Rafaela de fato? Hoje ela é notícia, mas amanhã não pode ser mais. Ela sempre vai ser uma medalhista, mas a essência, sua história de vida não muda. Ele tem que entender isso”, afirmou.

 

“Cada vez mais o racismo brasileiro sai do armário”, diz Conceição Evaristo em Paris

Beatriz Seigner: Lula e Dilma ajudaram a mostrar outros sotaques do cinema no Brasil

Jornalista brasileiro Fernando Molica lança em Paris livro sobre racismo e violência policial

"O choro é talvez o gênero mais autenticamente brasileiro", diz especialista

Mulheres do Brasil em Paris cria comitê para apoiar brasileiras vítimas da violência na França

Descartar mandante do crime seria insulto, diz viúva de Marielle Franco

“Estamos revivendo a ditadura no Brasil”, diz documentarista de filme sobre rebelião contra colonização francesa em Madagascar

Primavera Literária de 2019 lança discussões sobre o Brasil e o futuro da literatura

“Muitas pessoas achavam que mulheres só eram capazes de pintar florzinhas ou eram as namoradas dos grafiteiros”, diz street artist Panmela Castro

Apresentador do Catfish Brasil, Ciro Sales diz ser consciente da responsabilidade de ter seguidores nas redes sociais

Associação Herança Brasileira ajuda desenvolvimento de crianças bilíngues em Paris

“Maconha pode ser auxílio e não algoz”, diz neurocirurgião à frente de portal sobre uso medicinal da cannabis no Brasil

“Postura do governo brasileiro sobre crise na Venezuela é a pior possível”, diz professor da UnB

"Qualquer um é melhor que Bolsonaro", diz José de Abreu, que se "autoproclamou" presidente do Brasil no Twitter

“Temos que colocar o ministro da Educação no eixo”, diz presidente da Ubes

“No Brasil, há uma tendência a encobrir escândalos sexuais”, diz membro do comitê que discute pedofilia na Igreja

"Ataques a povos indígenas é suicídio cultural”, diz geógrafo francês

Dependência brasileira ao minério de ferro é um dos disfuncionamentos que explicam catástrofe ambiental, diz especialista

Após sucesso na estreia, Grupo Sociedade Recreativa lança segundo álbum na França