rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

“Minha oportunidade vai chegar”, diz Fabinho sobre seleção brasileira

Por Elcio Ramalho

Titular absoluto e um dos pilares da equipe do Mônaco, que atravessa uma boa fase no campeonato francês e continua na luta por uma vaga nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, o brasileiro Fabinho lamentou não ter sido chamado por Tite para defender a seleção brasileira nos próximos jogos das eliminatórias pela Copa do Mundo de 2018.

Na convocação divulgada na sexta-feira (3) pelo treinador em São Paulo, o nome do meio campista não apareceu na lista dos 23 jogadores que irão disputar os jogos contra o Uruguai e o Paraguai. “O Tite dificilmente tem mudado algum nome na seleção, acontece quando alguém está lesionado. Ele é um treinador que tem confiança nos jogadores que tem chamado, que já jogou e conheceu, e também porque está ganhando. É difícil achar uma vaga em uma equipe que está sempre ganhando”, explicou.

Sem esconder a decepção por não se chamado apesar do bom momento que vive com seu clube, Fabinho não perde as esperanças de voltar a vestir a camisa amarelinha, apesar da forte concorrência. “Tinha esperança de ser convocado devido a fase que estou passando no Mônaco. Não posso falar em frustração ou decepção porque isso não se deve ter. Sei que é difícil, é a seleção brasileira, a mais cotada do mundo. Mas se eu continuar bem, e tendo destaque com o Mônaco, minha oportunidade vai chegar”.

Briga com PSG pelo título do francês

Fabinho se concentra agora 100% com o Mônaco, que disputa quatro competições na temporada, sendo três nos gramados franceses e uma na principal da Europa, a Liga dos Campeões. Líder do campeonato francês com três pontos a mais que o tetracampeão PSG, a equipe do Principado de Mônaco acredita que pode ter chances de quebrar a hegemonia do adversário direto pelo título.

“Sabíamos que o PSG era o favorito e tinha uma melhor equipe que a nossa. O campeonato foi correndo e vimos que poderíamos lutar por esse título. É o que tem acontecido e por isso estamos em primeiro”, afirmou.

Fabinho atribui o sucesso da equipe ao planejamento e à contratação de reforços para a temporada como o zagueiro polonês Glik e os laterais Mendy e Touré. “Nosso esquema também mudou, nossa equipe é mais ofensiva e ajudou para que o clube tivesse mais desempenho”.

A 11 rodadas do final da competição, o Mônaco espera manter a liderança, mas Fabinho prevê muitos obstáculos: “As equipes que não estiverem disputando o título vão querer somar pontos para se classificarem para as competições europeias ou para fugir do rebaixamento. Cada partida vai ser uma final”, afirmou o campineiro que nunca jogou profissionalmente no Brasil.

Fabinho é saudado por um companheiro de equipe após ter convertido um pênalti. VALERY HACHE / AFP

Dos juniores do Fluminense ele foi para o Rio Ave de Portugal e passou pelo Real Madrid da Espanha, antes de desembarcar em 2013 no Principado de Mônaco. Aos 23 anos, ele se tornou uma peça fundamental da equipe treinada pelo português Lauro Jardim que o convenceu a trocar de posição dentro do campo.

Fabinho atuou como lateral direito antes de se adaptar à função de meio de campo, como proposto pelo técnico. No início, o brasileiro resistiu à mudança, mas depois de um período de transição, passou a ocupar o posto de meio campista a partir desta temporada.

Jogador versátil

“No começo eu não gostei muito porque sempre me vi como lateral, até para futuras oportunidades. Mas eu já conhecia a função de meio de campo, consegui me aperfeiçoar mais em campo e ajudei a melhorar o desempenho da equipe. Me tornei um jogador importante, meus números melhoraram tanto de gols, assistências e roubos de bola. Isso mostra que sou versátil”, diz Fabinho, autor de seis gols em 26 jogos na atual temporada.

Além do título de campeão francês, o Mônaco tem ainda um desafio delicado pela frente pela Liga dos Campeões da Europa. Depois da goleada sofrida no jogo de ida para o Manchester City por 5 a 3, o time precisa vencer por uma diferença de 2 gols para ir à frente na competição. O objetivo é alcançável, segundo Fabinho: “Nós estamos confiantes de que é um resultado que pode ser revertido. Temos muita confiança na nossa força ofensiva. Mas temos que melhorar muito no aspecto defensivo. Vamos ter mais atenção, não vamos mais nos arriscar desnecessariamente”.

 

Uefa deve impor punições para Lyon e Besiktas por violência entre torcedores

50 maratonas até os 50 anos é desafio de brasileiro que veio correr em Paris

“PSG está um pouco doente, mas não morto”, diz presidente após título da Copa da Liga

"Sócrates foi contraditório e revolucionário", diz autor de biografia sobre ex-jogador

“Racismo nunca vai acabar”, diz jogador brasileiro insultado na Sérvia

Grand Slam de Paris: judocas relatam decepção e aprendizado com derrotas

"Foi a maior adrenalina que já passei na vida”, diz Lourival Roldan vencedor do Rally Dakar

Leandro Torres e Lourival Roldan falam sobre expectativas do Rally Dakar 2017

Jogadores brasileiros na França participam de homenagens à Chapecoense