rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Futebol PSG

Publicado em • Modificado em

Cavani brilha, PSG goleia Mônaco e conquista Copa da Liga francesa

media
O capitão, Thiago SIlva, ergueu mais um troféu de campeão pelo PSG, com a conquistta da Copa da Liga. REUTERS/Emmanuel Foudrot

Com uma vitória construída com lances de muita habilidade técnica e contra-ataques fulminantes, o PSG derrotou o Mônaco por 4 a 1 na noite deste sábado (1°) no estádio Parc OL, de Lyon, e conquistou seu sétimo troféu da Copa da Liga e o quarto título consecutivo, um novo recorde na história da competição. Cavani foi o destaque da equipe ao marcar dois gols.


Do enviado a Lyon,

A final inédita entre PSG e Mônaco na Copa da Liga cumpriu o que prometia: um duelo intenso e cheio de emoções entre as duas melhores equipes do futebol francês, que travam uma dura batalha pelo título na reta final do campeonato. A ligeira vantagem na competição para o time do Principado, que é o único representante do futebol francês na Liga dos Campeões, só acrescentou mais pressão para o Paris Saint-Germain.

Eliminado de maneira humilhante da Liga dos Campeões após sofrer uma goleada histórica do Barcelona, o time parisiense conta apenas com os títulos nacionais para salvar uma temporada já marcada pelo fracasso europeu. A goleada surpreendente sobre o Mônaco serviu como um antidoto forte para aplacar uma dor que poderá levar muito tempo para ser superada.

Com a disposição de brindar seus torcedores com mais um troféu e manter sua hegemonia dos últimos anos na França, o PSG entrou em campo elétrico e marcou logo aos quatro minutos, com Draxler, depois de uma bela roubada de bola no meio campo com Verratti, que lançou Di Maria. Cara a cara com Subasic, o argentino preferiu dar uma assistência ao alemão, que só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Apesar do domínio da bola e controle dos espaços em campo, o PSG tinha pela frente a equipe com um forte poder ofensivo e um ataque eficiente. Por isso, a equipe treinada pelo português Lauro Jardim não demorou a deixar tudo igual no placar. Em um lance aos 27 minutos, que começou com bela jogada de Bernardo Silva, o meio campista Lemar acertou um chute colocado de fora da área, deixando o goleiro Trapp sem reação.

O equilíbrio do jogo foi quebrado aos 44 minutos, em nova jogada rápida de contra-ataque. Desta vez o Draxler devolveu a assistência para Di Maria, que tocou sem chances na saída de Subasic, colocando o PSG de novo na frente..

Falta de reação

Atrás do placar, o Mônaco voltou com uma tática mais agressiva na etapa final, mas não chegava com muito perigo ao gol parisiense. O time parece ter sentido a falta do brasileiro Fabinho, considerado uma peça-chave no esquema do Mônaco, mas que não atuou por estar suspenso. “O resultado não me surpreendeu, o PSG foi melhor”, disse Fabinho na saída do estádio.

A grande esperança do Mônaco, o centro-avante Mbappé, de 19 anos, também não conseguiu passar pelo experiente Thiago Silva. O capitão parisiense venceu os principais duelos com o prodígio do futebol francês, e teve atuação segura ao lado de Kimpembé, que substituiu Marquinhos, ausente da final pela contusão que sofreu no jogo do Brasil contra o Paraguai.

O atacante Di Maria,comemora com Cavani seu gol, o segundo do PSG na final contra o Mônaco neste sábado, 01/04/17.. Foto: REUTERS/Robert Pratta

Sem se intimidar com a agressividade do Mônaco, o PSG pavimentou sua goleada com jogadas explorando as laterais do campo. Numa das investidas, aos 9 minutos, Verratti centrou para Cavani que acertou um sem pulo certeiro, ampliando o placar.

Com a vantagem confortável e embalado pela vibrante torcida - a grande maioria dos mais de 57 mil torcedores presentes no Parc OL -, o PSG teve muitas outras chances nos contra-ataques, até que voltou a balançar as redes no minuto final, novamente com Cavani, artilheiro e sempre decisivo nas finais da competição.

Os cinco minutos de acréscimo só serviram para ecoar ainda mais alto a comemoração das arquibancadas. Depois do apito final, mais um troféu levantado pelo capitão Thiago Silva, decretando em um novo palco, a hegemonia do PSG na Copa da Liga (1995, 1998, 2008, 2014, 2015, 2016, 2017).