rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Delegação francesa prepara “surpresa” para comemorar Paris 2024

Por Márcia Bechara

Paris 2024: a cidade-luz está com tudo e não está prosa. Se não houverem surpresas no dia 13 de setembro, a capital francesa deverá ser confirmada como sede das Olimpíadas de 2024, durante anúncio oficial em Lima, no Peru. O diretor de comunicação da candidatura Paris 2024, Saint Clair Milesi e outros membros da delegação francesa conversaram com a RFI, direto da capital peruana, e contaram como estão os preparativos para a festa.

No último dia 31 de agosto, Los Angeles concluiu um acordo com o Comitê Olímpico Internacional e anunciou formalmente que vai sediar os Jogos de 2028. Com a decisão, a cidade americana abriu caminho para Paris organizar a edição de 2024 do evento.

O brasileiro Saint Clair Milesi, diretor de comunicação da candidatura Paris 2024, já está em Lima junto com o resto da delegação francesa e contou com exclusividade como está o clima na capital peruana. “Os preparativos estão começando aqui. As delegações estão chegando. Nós preparamos várias sequências de integração, de engajamento, já que engajamento é a palavra-chave da nossa candidatura. Temos engajamento com a comunidade local, com escolas francesas, com liceus franceses aqui em Lima. Estamos nestes preparativos com nossos atletas, embaixadores e o resto da equipe para terminar esta campanha em grande estilo”, disse Milesi.

“Teremos uma surpresa”, antecipou o diretor de comunicação de Paris 2024. Tem essa questão do fuso-horário, o anúncio está previsto para volta das 20h na França. Com certeza haverá uma grande cobertura da mídia, mas o motor de nossa candidatura, os atletas, os membros do governo que apoiaram o projeto, os parceiros comerciais, estão todos aqui, então estamos planejando um outro momento de festa no dia 15 de setembro, uma surpresa que temos guardada que será anunciada em breve”, antecipou Saint-Clair Milesi.

“Todo mundo está muito animado, é a coroação de anos de trabalho, desde o estudo de viabilidade que foi feito pelo nosso co-presidente Bernard Lapasset. Também o fato de ser a quarta candidatura em 20 anos, e justamente no centenário da última Olimpíada aqui, trazer os Jogos para Paris, é uma honra e nos motiva muito. Como se fosse uma torcida que a gente termina sozinho, mas temos que lembrar e olhar para trás, essa corrida começou com cinco cidades, e tem só uma chegando ao objetivo final, que é Paris”, concluiu Milesi.

Hora dos Jogos Olímpicos “voltarem para a Europa”

Três vezes campeão do mundo, o ex-canoísta francês Tony Estanguet, e co-presidente da candidatura Paris 2024, disse que se sente orgulhoso pela conquista, durante entrevista à televisão francesa. “Claro que existe uma grande satisfação. Sentimos que conseguimos o que queríamos. Sentimos que foi uma aventura inacreditável, uma vitória histórica, faziam 100 anos que não organizávamos os jogos Olímpicos e Paralímpicos de verão no nosso país, é um grande orgulho de ver a França ganhar, se impor, frente às maiores nações do mundo, foi uma grande sorte e um grande sucesso, e eu acho que a França tem tudo para realizar Jogos extraordinários”, declarou Estanguet.

“Acho que existe uma verdadeira vontade neste país de organizar os Jogos, estamos mobilizados, existe um desejo coletivo de organizar essa Olimpíada, ficamos marcados pelas últimas tentativas que não deram certo, e voltamos mais forte, com atletas melhor posicionados, com um projeto mais aberto ao mundo, eu acredito que a França, por meio destes Jogos, deseja acolher o mundo”, disse o tricampeão olímpico francês, que arrematou: “é hora dos JO voltarem para a Europa”.

Herança “imaterial e econômica” dos Jogos para Paris

O diretor da Federação Francesa de Indústria de Esportes e Lazer, Virgile Caillet, avaliou a herança que o evento pode deixar para a capital francesa: “Na verdade, a candidatura de Paris 2024 é um pouco especial porque nós temos a sorte de já possuirmos a quase totalidade da infraestrutura, o que quiser dizer que não precisaremos construir muitos equipamentos esportivos, mas apenas um: a piscina olímpica”, declarou.

“Então, a herança para Paris 2024 será essencialmente imaterial e econômica. Imaterial no sentido em que nós poderemos, graças aos Jogos, desenvolver a prática esportiva na França e recolocar o esporte no coração do projeto de sociedade, porque o esporte faz parte é claro, do lazer, mas também uma questão de saúde pública, de relações sociais, e todos esses elementos serão destacados graças aos Jogos Olímpicos de Paris 2024. Igualmente, graças a estes Jogos, a filial econômica do Esporte na França poderá ganhar importância e se exportar. Esta é também uma ocasião para o país acolher o mundo em 15 dias, três semanas, com um retorno econômico que virá do turismo, graças ao trabalho da candidatura”, finalizou Caillet.

A partir de agora, mesmo sabendo que corre sozinha no páreo, Paris precisa só prender o fôlego e esperar o grande anúncio daqui a três dias. A festa promete ser bonita na capital francesa, em 2024.

Autonomia para árbitros punirem clubes com derrota diante de atos racistas é um avanço, diz Observatório

Futebol feminino dos Estados Unidos: títulos, polêmicas e admiração popular

Jogo do Brasil contra França vale vaga nas quartas da Copa e quebra de jejum

Copa do Mundo feminina: Brasil atrai torcedoras pela primeira vez aos estádios

"Realizei um sonho de criança”, diz tenista brasileiro de cadeira de rodas em Roland Garros

Roland Garros atrai turistas brasileiros, mas tenistas do país decepcionam

Roland Garros tem estreia de quadras e apenas um brasileiro na briga pelo título de 2019

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?

“Ainda estou me adaptando à Fórmula E”, diz Felipe Massa após nono lugar no E-Prix de Paris

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes