rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Competição de esqui para brasileiros nos Alpes Franceses chega à 5ª edição

Por Elcio Ramalho

Com uma estimativa de reunir 60 brasileiros dispostos a encarar uma semana de competição e eventos na neve, a edição 2018 da Braskicup vai ser realizada entre os dias 22 e 26 de janeiro em um das estações de esqui mais badaladas da França.

A proposta de criar uma competição amadora focada no público brasileiro é do hotel La Sivolière, localizado na estação Courchevel 1850, nos Alpes Franceses.

Na estreia, em 2014, foram 19 participantes, o que animou os organizadores do evento. Ao longo dos anos o interesse foi crescente e o número de competidores nesta edição deve ser 10% maior do que no ano passado.

“Estamos em um nicho do nicho. Brasileiro que esquia e que vai estar em Courchevel 1850 na temporada e na semana do evento, ou seja, conseguir reunir esse grupo e que tenha, ainda por cima, o espírito de competição é um desafio”, diz Carla Moura da Lats, empresa especializada em turismo de alto padrão e promotora do evento.

O evento tem o apoio da Escola Francesa de Esqui e do domínio esquiável e acontece na pista Emile-Allais, uma das mais conhecidas dos Alpes. “A produção é como a de um verdadeiro campeonato de esqui e em uma das pistas mais conceituadas e carismáticas, onde acontecem vários campeonatos nacionais de esqui. É uma oportunidade única, participar de uma competição sem ser profissional”, afirma Carla.

O sucesso do evento também está relacionado com a qualidade da neve e neste ano, como nos anteriores, as pistas estão com condições muito boas, segundo a organização do evento.

Entre as novidades da 5ª edição está a separação de duas categorias, de esqui e snowboard, para atender as demandas de participantes.

“Existe um grande número de turistas brasileiros e entusiastas do snowboard. Em uma descida Giant Slalom não tem como competir no esqui e no snowboard. Separamos estas duas categorias. A competição vai ser mais justa. Os esquiadores vão competir com esquiadores e os snowboarders com snowboarders”, explica.

Outra mudança na competição para torná-la mais dinâmica é permitir que os esquiadores façam duas descidas, mas em paralelo, ou seja, "vai poder ter o enfrentamento individual entre duas pessoas”, conta.

A embaixadora escolhida para esta edição da Braskicup foi a campeã brasileira e sul-americana de snowboard Nathali Oliani. Ela acredita que sua experiência de nove anos como atleta de alto nível tenha contribuído para ser também a influenciadora dessa competição.

“Como é uma competição amadora, vou abrir a pista, incentivar o pessoal que vai competir e orientá-lo. Vou tentar colocar em prática toda a experiência que tenho, conversar, tentar deixá-los mais calmos. Colocar o que eu vivi na prática, mas de uma forma diferente”, afirmou.

Atualmente médica do esporte e nutróloga, Nathali também observa um aumento crescente do interesse de brasileiros por esportes na neve, principalmente do esqui e snowboard. "Em São Paulo algumas clínicas desenvolveram trabalho e protocolos específicos de treinamento e reabililitação para as pessoas irem à neve e não se machucarem, principalmente para quem faz esqui e o snowboard, que são esportes bem específicos”, afirma.

De crianças a veteranos

O perfil dos participantes da Braskicup é variado, com crianças de 10 anos até veteranos, acima de 70 anos. Por isso, foram criadas duas categorias, de junior e adulto, a partir dos 16 anos.

Além de novidades na competição, os organizadores conseguiram armar eventos paralelos na programação semanal, o que inclui a presença das Dj’s Marina Muniz e Ornella Maggi que irão animar almoços e a premiação.

“A paixão dos brasileiros tem se intensificado nos últimos anos. Courchevel está bem posicionada no mercado brasileiro e acaba, naturalmente, sendo o destino prioritário quando o brasileiro pensa em esquiar na Europa”.  

Apesar de ser voltada para os brasileiros, a Braskicup não é uma competição exclusivamente para os representantes do país. Ela é aberta para estrangeiros, autorizados a participar de provas principalmente em grupos. No entanto, uma eventual vitória não garante acesso à prêmios. “O pódio é reservado exclusivamente aos brasileiros. É uma questão estratégica. O objetivo do hotel La Savolière é se consolidar como referência ao mercado brasileiro”, justifica Carla Moura.

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito