rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

“Arsenal e Real Madrid são clubes que todos sonham em jogar”, diz Malcom sobre possível transferência

Por Elcio Ramalho

Considerado um dos grandes nomes do campeonato francês, o atacante brasileiro Malcom podem estar vivendo seus últimos dias com a camisa do Bordeaux. O próprio jogador admite estar no radar de “três ou quatro” grandes times da Europa e sua saída da França deve ser selada até a próxima quarta-feira (31) quando se encerra oficialmente a janela de transferências de inverno do mercado.

Aos 20 anos, com contrato com o Bordeaux até 2021, Malcom não revela os nomes dos clubes, mas é cobiçado por times da Inglaterra e Espanha. “Sim, tem clubes interessados. Mas, enquanto estiver aqui, vou fazer meu máximo”, diz o jogador.  

O jogo deste domingo contra o Lyon, vice do campeonato francês pode ser o último com a camisa do time. Nesta temporada Malcom fez sete gols em 21 jogos e é o artilheiro do time.

Caso seja mesmo concretizada a transferência, ele já tem um discurso preparado: “Se por acaso eu não ficar aqui e for embora nesta janela, vou agradecer o Bordeaux por tudo. O Bordeaux foi o clube que me abriu as portas na Europa”, reconhece.

A informação do jornal inglês The Telegraph indica que o Arsenal estaria interessado em adquirir o ex-corinthiano. Com a ida do chileno Alexis Sánchez para o Chelsea, o brasileiro passou a ser cotado para assumir a camisa 7 do clube inglês, mesmo número da sua atual no time francês.

O passe estaria sendo avaliado em 40 milhões de libras. Outras informações da imprensa no Brasil e na Europa indicam que o jovem teria chegado a um acordo com o Tottenham por € 50 milhões de euros.

O Real Madrid, que passa por um período delicado no futebol espanhol e pretende jogar todas as suas fichas na Liga dos Campeões da Europa, também estaria disposto a pagar R$ 100 milhões para ter o atacante.

“Tem muitos grandes clubes, de grande expressão, e jogar neles não é para qualquer um. Não só no Arsenal, mas também no Real Madrid, jogar num desses clubes todos sonham”, explica.  

O atacante brasileiro do Bordeaux, Malcom NICOLAS TUCAT / AFP

Críticas sobre selfie com Neymar

Na entrevista à RFI Brasil, Malcom também explicou não ter tido nenhum arrependimento com a selfie tirada com Neymar após seu time ter perdido de 6 a 2 para o PSG no Parc dos Príncipes, em 30 de setembro de 2017.

Apesar da derrota, Malcom aproveitou o encontro com seu ídolo e ao sair do gramado, fez uma foto no qual aparece sorrindo com o amigo. A imagem circulou pelas redes sociais e rendeu críticas ferozes até dentro do próprio clube.

“Estou de acordo comigo, não fiz coisa errada. Dentro de campo eu fui o melhor, dei o meu máximo. O Paris foi melhor. Mas eu fiz certo em tirar a foto”, destacou. “Depois eu fiz uma selfie com a torcida do Bordeaux também. Acho que eles ficaram com ciúme e eles mereciam a selfie também”, explicou.   

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito