rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Brasil diminui participação de atletas mas espera bons resultados em Olimpíadas de Peyongchang

Por Elcio Ramalho

A espetacular abertura dos Jogos de Inverno de Peyongchang, na última sexta-feira (9), deu a largada oficial de um evento que já entrou para a história pelo simbolismo político.

O aperto de mão entre a irmã do líder norte-coreano Kim Jong-Un e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in representou um sinal poderoso de reaproximação de dois países oficialmente em guerra. O desfile dos atletas sob a mesma bandeira da reunificação coreana na cerimônia emocionou o público no Estádio Olímpico e também representantes de outras delegações presentes nos Jogos.

“Toda a comunidade esportiva recebeu muito bem a notícia da participação da Coreia do Norte conjuntamente com a Coreia do Sul em Peyongchang. Para todos nós, que militamos no esporte, é muito bom vê-lo como ferramenta de união entre os povos, de consagração entre as nações e promovendo a paz”, declarou Stefano Arnhold, presidente da Confederação Brasileira de Deportos na Neve (CBDN).

Durante 15 dias, cerca de 2.900 atletas de 92 países vão disputar medalhas em diversas modalidades na neve e no gelo.

A delegação brasileira encolheu sua participação nesta edição, comparada com as Olimpíadas anteriores, em 2014. No total, são nove atletas - contra 13 em Sochi, na Rússia.

"A diminuição dos atletas reflete a renovação que acontece naturalmente em algumas modalidades. Temos atletas ainda muito jovens, que ainda não estão em condições de competir em alto nível”, explicou Arnhold.

A expectativa é de que alguns atletas possam atingir o nível de Olimpíadas na próxima edição dos Jogos, ou seja, em 2022, na China.

Nos desportos de neve, são apenas quatro atletas. A primeira a estrear no dia 15, no Sky Cross Country, é Jaqueline Mourão. Ela disputa sua sexta olimpíada, entre as de inverno e verão. Ela e Isabel Clark, no snowboard, que compete pela quarta vez nas Olimpíadas de Inverno, são as maiores esperanças de bons resultados.

“A Isabel Clark e a Jaqueline Mourão chegam na plenitude de sua forma física e técnica, com uma grande bagagem de experiência. Assim, temos a possibilidade de resultados expressivos das duas atletas”, destacou Arnhold. 

 

Equipe masculina

A equipe masculina de neve é composta de apenas dois atletas e bem jovens. Michel Macedo, de 19 anos, que sofreu uma contusão no joelho esquerdo, foi liberado para voltar a equiar e espera participar de duas modalidades, Slalom Especial e Slalom Gigante.

Seu companheiro de equipe, Victor Santos, vai estrear em Olimpíadas no esqui cross country. O jovem revelado pelo projeto social Ski na Rua, do atleta olímpico e agora seu treinador Leandro Ribela, foi campeão brasileiro no ano passado. Ele lembrou à RFI que chegou no esporte de neve por brincadeira.

"Sempre tive sonho de jogar futebol, e depois quando vi que não ia dar, desisti. Conheci o esporte através de meu irmão e de amigos que esquiava. No começo era só para me divertir, me falaram que era um esporte legal. No segundo ano já tive uma experiência com viagens à Europa e aos Estados Unidos. Só depois dos últimos dois anos do ciclo que comecei a me dedicar mais para as Olimpíadas. Antes, eu nunca tinha pensado em disputar Olimpíadas”, afirmou.  

Victor chegou na quarta-feira à PeyongChang diretamente da Itália, onde passou três meses treinando para os Jogos. O atleta, de 20 anos, vai disputar os 10 km de estilo livre no dia 16 de fevereiro e se considera preparado e confiante: “Estou bem preparado, fiz boas competições. Minha principal meta é conseguir fazer uma boa prata e colocar em prática tudo o que treinei na Europa”.  

Para o presidente da CBDN, não se fala em medalhas, mas evoluir nas modalidades esportivas de inverno. “Nosso objetivo é sempre bater os resultados dos Jogos anteriores de forma que os atletas possam em Peyongyang atingir a melhor marca de todos os tempos em Olimpíadas, cada um na sua respectiva modalidade”, afirmou Arnhold.

 

 

Victor Santos – Atleta de Ski Cross Country classificado para PyeongChang 2018 facebook.com/CBDNBrasil

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França

Vitória na Copa deve aumentar número de inscritos em clubes amadores de futebol na França

Rússia é eliminada, mas turistas elegem donos da casa como “campeão da Copa”

Foco, confiança e boa noite de sono deram a Simona Halep o sonhado troféu de Roland Garros

Participação brasileira no torneio juvenil de Roland Garros é histórica

Didier Deschamps confia nos jovens da seleção francesa para surpreender na Copa

"Adoraria ser treinador do Neymar", diz Thiago Motta após despedida como jogador

"Temos qualidade para chegar à final da Liga Europa", diz brasileiro do RB Salzburg