rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Brasil diminui participação de atletas mas espera bons resultados em Olimpíadas de Peyongchang

Por Elcio Ramalho

A espetacular abertura dos Jogos de Inverno de Peyongchang, na última sexta-feira (9), deu a largada oficial de um evento que já entrou para a história pelo simbolismo político.

O aperto de mão entre a irmã do líder norte-coreano Kim Jong-Un e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in representou um sinal poderoso de reaproximação de dois países oficialmente em guerra. O desfile dos atletas sob a mesma bandeira da reunificação coreana na cerimônia emocionou o público no Estádio Olímpico e também representantes de outras delegações presentes nos Jogos.

“Toda a comunidade esportiva recebeu muito bem a notícia da participação da Coreia do Norte conjuntamente com a Coreia do Sul em Peyongchang. Para todos nós, que militamos no esporte, é muito bom vê-lo como ferramenta de união entre os povos, de consagração entre as nações e promovendo a paz”, declarou Stefano Arnhold, presidente da Confederação Brasileira de Deportos na Neve (CBDN).

Durante 15 dias, cerca de 2.900 atletas de 92 países vão disputar medalhas em diversas modalidades na neve e no gelo.

A delegação brasileira encolheu sua participação nesta edição, comparada com as Olimpíadas anteriores, em 2014. No total, são nove atletas - contra 13 em Sochi, na Rússia.

"A diminuição dos atletas reflete a renovação que acontece naturalmente em algumas modalidades. Temos atletas ainda muito jovens, que ainda não estão em condições de competir em alto nível”, explicou Arnhold.

A expectativa é de que alguns atletas possam atingir o nível de Olimpíadas na próxima edição dos Jogos, ou seja, em 2022, na China.

Nos desportos de neve, são apenas quatro atletas. A primeira a estrear no dia 15, no Sky Cross Country, é Jaqueline Mourão. Ela disputa sua sexta olimpíada, entre as de inverno e verão. Ela e Isabel Clark, no snowboard, que compete pela quarta vez nas Olimpíadas de Inverno, são as maiores esperanças de bons resultados.

“A Isabel Clark e a Jaqueline Mourão chegam na plenitude de sua forma física e técnica, com uma grande bagagem de experiência. Assim, temos a possibilidade de resultados expressivos das duas atletas”, destacou Arnhold. 

 

Equipe masculina

A equipe masculina de neve é composta de apenas dois atletas e bem jovens. Michel Macedo, de 19 anos, que sofreu uma contusão no joelho esquerdo, foi liberado para voltar a equiar e espera participar de duas modalidades, Slalom Especial e Slalom Gigante.

Seu companheiro de equipe, Victor Santos, vai estrear em Olimpíadas no esqui cross country. O jovem revelado pelo projeto social Ski na Rua, do atleta olímpico e agora seu treinador Leandro Ribela, foi campeão brasileiro no ano passado. Ele lembrou à RFI que chegou no esporte de neve por brincadeira.

"Sempre tive sonho de jogar futebol, e depois quando vi que não ia dar, desisti. Conheci o esporte através de meu irmão e de amigos que esquiava. No começo era só para me divertir, me falaram que era um esporte legal. No segundo ano já tive uma experiência com viagens à Europa e aos Estados Unidos. Só depois dos últimos dois anos do ciclo que comecei a me dedicar mais para as Olimpíadas. Antes, eu nunca tinha pensado em disputar Olimpíadas”, afirmou.  

Victor chegou na quarta-feira à PeyongChang diretamente da Itália, onde passou três meses treinando para os Jogos. O atleta, de 20 anos, vai disputar os 10 km de estilo livre no dia 16 de fevereiro e se considera preparado e confiante: “Estou bem preparado, fiz boas competições. Minha principal meta é conseguir fazer uma boa prata e colocar em prática tudo o que treinei na Europa”.  

Para o presidente da CBDN, não se fala em medalhas, mas evoluir nas modalidades esportivas de inverno. “Nosso objetivo é sempre bater os resultados dos Jogos anteriores de forma que os atletas possam em Peyongyang atingir a melhor marca de todos os tempos em Olimpíadas, cada um na sua respectiva modalidade”, afirmou Arnhold.

 

 

Victor Santos – Atleta de Ski Cross Country classificado para PyeongChang 2018 facebook.com/CBDNBrasil

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França