rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

"Temos 100% de chances de passar pelo Real Madrid", diz Thiago Motta

Por Elcio Ramalho

Considerado um dos mais experientes jogadores do PSG, o ítalo-brasileiro Thiago Motta nunca escondeu o desconforto por não ter sido selecionado para o primeiro jogo do PSG contra o Real Madrid pela Liga dos Campeões. Recuperado de uma lesão, o meio campista nem sequer fez parte do grupo que desembarcou na capital espanhola.

Dias depois da depois da derrota por 3 a 1 sofrida pelo Paris Saint-Germain no estádio Santiago Bernabeu, Motta tenta virar a página de uma situação desconfortável. A imprensa esportiva francesa relatou que o jogador ficou irritado por ter sido descartado provisoriamente do elenco.

“Não fui e ponto. Não é uma questão de ter explicação ou não. É passado, fico triste pelo resultado. Ninguém esperava, mas agora é pensar no futuro”, desabafou em entrevista no Parc des Princes, após a vitória de 5 a 2 do PSG contra o Estrasburgo pelo campeonato francês.

A goleada elástica revelou mais uma vez que o time parisiense passa fácil pelos adversários do futebol francês, mas quando se trata de confrontos com grandes times da Europa, o clube vacila e o desempenho fica abaixo do que se espera de um elenco tão estrelado.

O confronto com o Real Madrid era visto como o primeiro grande teste de fogo do time francês desde a chegada de Neymar a Paris, em agosto de 2017.

No entanto, a derrota sofrida nos minutos finais da partida mostrou que PSG tem suas limitações e falta de experiência quando se depara com os gigantes do continente.

Mini remontada?

Ainda está viva na memória dos torcedores e do clube a histórica goleada sofrida para o Barcelona por 6 a 1, na temporada passada, resultando em uma eliminação surpreendente depois da vitória do PSG em casa por 4 a 0.

Na época, Neymar vestia a camisa catalã e foi um dos maiores responsáveis pela chamada “remontada” no jogo em Barcelona.

Nesta temporada, o time parisiense está na situação inversa, de reverter um resultado desfavorável. No entanto, Thiago Motta descarta qualquer alusão ao jogo contra o Barça e não compara o desafio do time francês a uma “mini-remontada”.

“Vai ser um jogo difícil, claro, um resultado contra de 3 a 1 sempre é difícil de reverter, mas uma mini remontada, não. Nós já vimos aqui no nosso estádio um resultado mais amplo que um 2 a 0 e porque não contra um Real Madrid?”, questionou. 

“Para isso é preciso ter uma estratégia bem clara, que todos jogadores saibam e assim temos 100% chances de passar. O importante é acreditar nisso”, acrescentou.

Com a obrigação de vencer por pelo menos dois gols de diferença para poder avançar às quartas-de-final da Liga dos Campeões, o time parisiense deve ter cuidado para não sofrer gols da equipe atualmente bicampeã da competição e que tem um ataque comandado pelo melhor jogador do mundo, o português Cristiano Ronaldo.

“Temos que atacar, sim, mas com paciência. Se a gente deixar contra-ataques para um time que está acostumado com jogadores rápidos no ataque, nós vamos ter grandes dificuldades. Teremos tempo para marcar os dois gols”, afirma.

Clássico com o Olympique de Marselha

Antes mesmo de entrar em campo contra o Real Madrid no dia 06 de março na partida decisiva pela vaga nas quartas, o PSG recebe duas vezes seu arqui-inimigo Olympique de Marselha pelo campeonato francês e três dias depois, pelas quartas de final da Copa da França.

A grande expectativa do jogo pela Liga dos Campeões, assunto predominante na imprensa e entre os torcedores, não ofusca a importância e a motivação pelo maior clássico do futebol francês, segundo Thiago Motta. “Clássico ninguém gosta de perder de maneira alguma. Do outro lado também. Vai ser um jogo bonito, jogamos em casa, vamos fazer um bom jogo e ganhar”, diz, confiante.  

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França

Vitória na Copa deve aumentar número de inscritos em clubes amadores de futebol na França

Rússia é eliminada, mas turistas elegem donos da casa como “campeão da Copa”

Foco, confiança e boa noite de sono deram a Simona Halep o sonhado troféu de Roland Garros