rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Brasileiro Cirilo Cardoso conta como é jogar em um time do Partido Comunista da Rússia

Por Silvano Mendes

Política e futebol podem se misturar? Em alguns lugares como na Rússia isso é natural e alguns times levam até o nome de partidos políticos. Esse é o caso do KPRF, equipe de futebol de salão do Partido Comunista, que tem entre seus jogadores o brasileiro Cirilo Cardoso. Em entrevista em Moscou, ele conta como é viver no país, fala sobre racismo e, principalmente, de como é jogar para um time que pertence a um partido da oposição.

Casado e pai de dois filhos, Cirilo vive na Rússia há 15 anos. Hoje ele já tem passaporte russo e se sente dividido entre a terra de adoção e seu país natal. Tanto que em situações como no amistoso desta semana entre Brasil e Rússia, torce pelo empate.

O jogador, que já passou pelo Spartak, também é diplomata quando questionado sobre o fato de jogar no KPRF, time do PC russo, onde atua há um ano. “Eles investem bastante no esporte, mas isso não nos afeta muito como atletas”, conta. “Mas é claro que quando tem uma festa do partido nós sempre estamos presentes”.

Mesmo assim, Cirilo não esconde que, apesar de jogar para o KPRF, defende a política de Vladimir Putin, reeleito no domingo (18) para um quarto mandato. “Eu acho que o Putin é um presidente que mudou muito o país”, elogia, citando melhorias nos meios de transportes e na segurança.

Cirilo Cardoso é jogador de futebol na Rússia há 15 anos. RFI

“O racismo na Rússia é um mito”

Nesses quinze anos vivendo no país Cirilo também afirma ter visto uma mudança de comportamento da população, mais acostumada com a diversidade étnica. “Quando eu cheguei, havia muita curiosidade. Em locais como a Sibéria as pessoas queriam me tocar, pois nunca tinham visto negros, além da televisão. Eu não vejo isso como racismo”, conta o atleta. Mas explica que isso já mudou, principalmente em grandes cidades, como Moscou, onde vivem muitos estrangeiros.

Para Cirilo, há exageros sobre um suposto racismo latente quando o assunto é racismo. “As pessoas vendem a Rússia como um ‘bicho-papão’, mas eu, como negro, nunca sofri racismo”, conta. “Me diziam que não podia andar de transporte público, ou à noite, pois teria problemas. Tudo isso é um mito”, comenta o jogador.

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França