rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Olympique de Marselha tentará pela terceira vez conquistar Liga Europa

Por Elcio Ramalho

O futebol francês está em festa, e não apenas pela volta de Neymar à Paris para seguir com sua recuperação da fratura no dedo do pé e acompanhar o final da temporada do PSG.

A grande euforia veio com o Olympique de Marselha, que na noite de quinta-feira (03) passada carimbou sua vaga para a final da Liga Europa, a segunda competição interclubes mais importante da Europa depois da Liga dos Campeões.

Apesar da derrota na Áustria de 2 a 1 para o RB Salzbourg, o resultado garantiu a classificação do time francês. No jogo de ida, em casa, o OM havia vencido por 2 a 0 e com o gol marcado fora de casa na partida de volta, ganhou o direito de ir à final. Gol, aliás, polêmico porque veio de um escanteio assinalado erroneamente pelo juiz.

O português Rolando, zagueiro que entrou no segundo tempo, foi tratado como herói da classificação ao fazer o gol já no final da prolongação.

Cerca de 18 mil torcedores do Olympique acompanharam a emocionante partida no estádio Velodrome, em Marselha, e festejaram a classificação histórica até de madrugada nas ruas da cidade.

Dentro do estádio, os jogadores celebraram o momento que também foi de muito sofrimento, segundo o atacante Dimitri Payet, um dos grandes nomes da equipe.

“O gol chegou tarde, mas uma vez mais mostramos nossa força coletiva e mental que nos levou até a final. É uma emoção particular, compensa todo o trabalho feito, as diferentes etapas e jogos. Foi o 200° jogo da temporada. Foi tudo isso que sentimos. Foi uma verdadeira comunhão com nossos torcedores, com a cidade, com a França. Nós demos o nosso máximo, fomos compensados e é algo merecido”, disse.

O zagueiro Adil Rami relatou a emoção que tomou conta dos jogadores após 120 minutos de confronto: “Foi uma imensa emoção. Após o apito final, não tínhamos mais energia, nada. Foi uma verdadeira explosão de emoção dentro de campo. Alegria, tristeza, tudo! Foi magnífico. Esse momento é complicado porque a gente quer prolongar e aproveitar ao máximo, mas apenas nos classificamos para a final e agora temos que ganhá-la”.   

Fim do jejum?

A emoção tanto de torcedores quanto torcedores se explica pelo fim de um longo jejum. A última final de uma competição europeia disputada pelo OM foi há 14 anos. Na temporada de 2003/2004, o time do sul da França disputou e perdeu o troféu de campeão da Liga Europa para o Valência, da Espanha. Derrota de 2 a 0.  Cinco anos antes, em 1999, a equipe já havia deixado escapar o mesmo título após a goleada de 3 a 0 sofrida para o Parma, da Itália.

Nesta terceira tentativa de conquistar a Liga Europa, que também significa uma vaga direta para Liga dos Campeões, o Olympique terá pela frente outro adversário espanhol, o Atlético de Madrid.

Na quinta-feira, os “Colchoneros” garantiram a vaga na final ao vencerem o Arsenal por 1 a 0. Com mais experiência nos últimos anos nos gramados europeus, o atual vice-líder da Liga  espanhola é considerado amplamente favorito, segundo admite o treinador marselhês.

"Satisfação de ir à final. Mas não é um ponto final. Mas é claro que seremos os ‘outsiders’ contra o Atlético de Madrid mesmo jogando a final na França, em Lyon.  Mesmo que eles tenham mais chances do que nós de vencer, nós faremos de tudo para ganhar o troféu. Agora que chegamos à final, não vamos querer parar nesta etapa desta bela caminhada só porque chegamos à final”, disse Rudi Garcia.

Essa mesma opinião é compartilhada pelo jovem atacante Florian Thauvin, 25 anos, uma das esperanças do time. Nesta temporada, foram 24 gols em 50 partidas e 14 passes decisivos. Para ele, a pressão sobre o Atlético de Madrid pode ser favorável ao time francês e ele acredita na conquista da Liga Europa.

“É possível, tudo é possível no esporte. Eles são favoritos e a pressão está em cima deles, mas vamos dar o máximo. Sabemos que será complicado, mas esperamos conquistar essa final”, afirmou.

Antoine Griezmann sonha em conquistar o título da Europa League pelo Atlético de Madrid. Foto do 3/05/18 REUTERS/Susana Vera

Além da boa campanha na temporada e experiência dos últimos anos em decisões europeias, o Atlético de Madrid tem como um dos grandes trunfos o atacante francês Antoine Griezmann, em grande fase. Natural de uma cidade próxima de Lyon onde será disputada a final, o atacante disse contar com o apoio de toda a família, sem assumir o favoritismo para seu time.

“Vai ter muita gente, os familiares, meu pai, minha mãe, meus irmãos e espero minha filha e minha esposa. Será uma bela final em Lyon e espero que vamos conquistá-la”.

Os torcedores de Marselha prometem invadir a cidade e o estádio de Lyon, que vai ser o palco da grande final da Liga Europa entre Atlético de Madrid e Olympique de Marselha no dia 16 de maio.

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?

“Ainda estou me adaptando à Fórmula E”, diz Felipe Massa após nono lugar no E-Prix de Paris

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras