rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Seleção brasileira França Michel Platini Fifa

Publicado em • Modificado em

Platini confessa "armação" para França e Brasil jogarem final da Copa de 98

media
Michel Platini, durante entrevista à rádio France Bleu. Capturra de vídeo

O ex-jogador Michel Platini confessou em uma entrevista à rádio France Bleu que houve uma “pequena armação" durante a Copa de 98 para que a França e o Brasil só pudessem se enfrentar na final do Mundial. Na época, Platini era co-presidente do comitê organizador da Copa.


A “pequena armação” citada por Platini foi em relação ao calendário da competição. “Tinha que organizar o calendário. Fizeram uma ‘pequena armação’ para que se terminássemos (a França) em primeiro e o Brasil em primeiro, eles não pudessem se encontrar antes da final”, disse ao programa Stade Bleu.  A entrevista irá ao ar no domingo (20), mas alguns trechos já foram divulgados nas redes sociais.  

“Claro, estamos em casa e vamos aproveitar as coisas. Não vamos passar seis anos penando para organizar uma Copa do mundo se não pudermos fazer pequenas armações. Você acha que nas outras Copas do Mundo eles não fizeram o mesmo?”, disse, sorrindo.  

O apresentador pergunta se o objetivo dos organizadores era desde o início ter França e Brasil na final. Platini responde:

“Era o sonho de todo mundo”, disse o ex camisa 10 da seleção francesa. “Não foi difícil. Era grupo A, a França, e grupo L ou F, o Brasil. Se eles terminassem em primeiro, não poderiam se encontrar. Foi isso, simples”, concluiu o ex-dirigente, suspenso do futebol.

Envolvido em um escândalo de corrupção na FIFA, devido ao recebimento de €1,8 milhão de euros sem contrato por parte de Joseph Blatter, Michel Platini está afastado do futebol.

A armação a que se referiu Platini diz respeito ao sorteio realizado em Marselha em dezembro de 2017. Segundo as regras da FIFA, as oito equipes cabeças-de-chave deveriam ser escolhidas aleatoriamente dentro de cada grupo.

No entanto, Fernand Sastre, outro co-presidente do Comitê Organizador da Copa, lamentou a mudança que seria efetuada pela primeira vez. Joseph Blatter, então secretário-geral da FIFA, resolveu instaurar  pequenas mudanças no critério, justificando “recomendações do comitê executivo da entidade” e confirmou que os cabeças-de-chave seriam posicionados de acordo com critérios esportivos. Assim, todos as equipes cabeças-de-série foram colocadas no mesmo pote e Brasil e França foram os únicos posicionados nos grupos A e C.

Os demais foram distribuídos por sorteio na outras chaves. A manobra deu certo porque as duas seleções terminaram em primeiro de seus grupos e se encontraram na final, vencida pelos franceses por 3 a 0 no Stade de France.

(Com informação da AFP e France Bleu)