rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Copa de 2018 Copa do mundo Animais Rússia São Petesburgo

Publicado em • Modificado em

RFI conheceu Aquiles, gato adivinho da Copa, escondido em um bar do Museu Hermitage

media
O gato Aquiles, após prever com sucesso o resultado do jogo entre Rússia e Arábia Saudita, em 13 de junho de 2018. REUTERS/Dylan Martinez

Ele é surdo e tem nome de herói de tragédia grega, mas tem feito um grande sucesso durante a Copa do Mundo da Rússia, adivinhando com precisão os resultados dos jogos. Depois do Polvo Paul, o molusco que se tornou famoso no mundo inteiro por prever os resultados da seleção da Alemanha no Mundial de 2010, na África do Sul, conheça o gato Aquiles, que não é apenas adivinho, mas um felino que mora num dos museus mais imponentes do planeta – o Hermitage, em São Petersburgo.


Com informações de Daniel Vallot, enviado especial da RFI à Rússia

Depois de prever a vitória da Rússia sobre a Arábia Saudita e a do Irã sobre o Marrocos, o gato Aquiles, de São Petersburgo, e tenta acertar também o prognóstico do jogo entre a Rússia e o Egito. Na internet, previsões falsas já estão circulando sob seu nome, e, para manter o adivinho protegido da pressão da mídia, ele descansa em um bar, o “República dos Gatos” -, onde estão alojados outros trinta felinos vadios.

Vadios, mas com um job bem definido: Aquiles faz parte da gataria que habita estrategicamente o Museu Hermitage, de São Petersburgo, na Rússia, uma maneira de evitar e caçar quaisquer populações de ratos que tentem se aventurar pelo local. Mas para chegar até o gato, uma série de formalidades são necessárias, afinal, não nos aproximamos de uma “personalidade” sem cumprir alguns rituais, segundo explica o dono do bar, Nikolaï Borovkov: “É necessário proteger os sapatos com o plástico e lavar as mãos para não entrar bactérias ou sujeiras”.

Depois, abre-te sésamo, uma portinhola se abre em um armário e aparece Aquiles, branco como a neve, surdo de nascença, e que, dizem os russos, teve seu dom divinatório reconhecido desde cedo. Na Copa da Rússia, o processo é simples: no dia de alguns jogos (não podem ser todos, para não estressar o felino), Aquiles deve escolher entre dois pratos de comida, cada qual ornado com uma bandeirola de cada equipe.

“Ficamos muito nervosos durante o jogo entre Irã e Marrocos”, conta Borovkov. “Chegamos a nos perguntar se Aquiles não havia cometido seu primeiro erro ... Acho que os marroquinos tinham medo de sua previsão e de seus poderes mágicos ... e talvez seja por isso que eles marcaram contra o seu lado!”, afirma o dono da “República dos Gatos”. Segundo Nikolaï, Aquiles não é requisitado para adivinhar todos os resultados porque “é preciso conservar seus dons até a final da Copa da Rússia”.

Adivinho surdo

O oráculo do Mundial de 2018 foi escolhido como um adivinho por causa de sua surdez, o que o torna menos sujeito ao estresse causado pelo barulho e agitação durante a “consulta” sobre quem vencerá o jogo, diz Anna Kondratieva, veterinária do Museu Hermitage.

Aquiles não é o primeiro animal a tentar repetir o sucesso do Povo Paul como animal responsável pelas previsões acertadas de uma competição internacional. Na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, as previsões do porquinho da Índia, Shiva, e da piranha britânica, Pelé, não tiveram infelizmente o mesmo sucesso.