rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Com jogadores mais altos, Sérvia vai apostar em bolas aéreas contra o Brasil

Por Elcio Ramalho

Brasil e Sérvia jogam nesta quarta-feira (27) uma partida decisiva, que vale uma das vagas do grupo E da Copa do Mundo. O jogo será no estádio Spartak de Moscou, às 15h no horário de Brasília.

O último treino da seleção aconteceu no final da tarde desta terça-feira (26) no mesmo local da partida. O treinador Tite confirmou, antes dos jogadores entrarem no campo, que os 11 titulares serão os mesmos que começaram jogando contra a Costa Rica. A única mudança é o capitão da equipe. Miranda foi escolhido para carregar a braçadeira.

A seleção tem uma grande preocupação: jogadas de bolas aéreas. Os sérvios têm uma média de 10cm a mais que os brasileiros e certamente vão apostar em lances de bolas paradas para dentro da área. Vale lembrar que o único gol sofrido pelo Brasil neste mundial, contra a Suíça, foi uma cabeçada de um escanteio.

O zagueiro Miranda diz que a defesa brasileira estará atenta. “A seleção está trabalhando muito, sabemos da qualidade do adversário, reconhece que os pontos fortes são a bola parada, mas também é um fator importante para nossa seleção. Estamos trabalhando bastante e sabemos que, nos momentos importantes, uma bola parada pode definir um jogo. Na minha avaliação, estamos preparados para enfrentar esse tipo de adversário".

Além do poder ofensivo aéreo, a Sérvia tem outras qualidades apontadas pelo treinador Tite: “temos a característica da bola aérea ofensiva, mas também a qualidade técni ca da escola sérvia, de qualidade técnica individual. Temos a condição técnica de neutralizar, que é evitar faltas próximas das laterais, encurtar e bloquear, e também os escanteios”.Tite e a comissão técnica disseram ter visto todos os jogos da Sérvia e estudaram bem uma adversária considerada difícil e que vai pressionar porque precisa da vitória.

Choro liberado

Outra preocupação é com relação ao aspecto emocional dos jogadores. A pressão aumenta principalmente com disputa de vaga em jogo. O capitão Miranda e a comissão técnica procuraram durante toda a coletiva tranquilizar torcedores e a imprensa de que os jogadores estão tranquilos e suportando bem a pressão.

As dúvidas sob o aspecto emocional ressurgiram depois do choro de Neymar ao final do jogo contra a Costa Rica. O camisa 10 saiu em lágrimas e desabafou nas redes sociais. Questionado sobre o assunto, o zagueiro Miranda desconversou. “O que passou, passou. Nosso foco é contra a Sérvia. É passado, vamos pensar no que vem adiante. Não temos que pensar no individual. Nosso foco é só na equipe da Sérvia”.

O capitão disse que a seleção está preparada em todos os aspectos: “É um conjunto, tanto o lado emocional quanto o técnico e físico vai prevalecer nesse jogo. Todos os aspectos foram trabalhados e chegamos muito bem preparados para esse jogo”.

Para minimizar as reações emotivas dos jogadores, o treinador Tite fez até uma confissão espontânea durante a coletiva. Revelou que também caiu no choro depois da partida contra o Equador pelas eliminatórias. “Chorei de alegria, de satisfação, chorei porque é nossa característica emocional. Chorei de prazer, de orgulho, em um momento de tanta pressão e a gente conseguir fazer um grande jogo”, disse.

“Razão e emoção tem que estar de forma equilibrada. A gente poder analisar razão e emoção, e não perder a essência. Não achar porque teve um momento de emoção é que teve desequilíbrio. Isso, não”, reforçou.Com o desabafo, o treinador quis mostrar esse outro lado, de um técnico que também expressa emoção.

Ainda sobre Neymar, Tite elogiou a condição física do camisa 10 e prevê que com mais um jogo, o atacante alcance sua “plenitude” e atinja seu “potencial máximo” e evitou jogar o peso de responsabilidade sobre o astro da seleção.  “Ele é fora dos padrões normais, mas não dado a ele uma responsabilidade excessiva em cima de sucesso ou insucesso.  Cada um de nós tem a responsabilidade do conjunto e não a ele de resolver. O conjunto resolve. Ele pode ser? Tomara, em algum momento em alguma circunstância vai ser”.

Tite também mostrou em vários momentos estar muito satisfeito com o padrão atingido pela equipe, o que ficou demonstrado no jogo contra a Costa Rica, quando a equipe não se desesperou e chegou aos gols da maneira que gosta de jogar.

Brasil precisa de empate

Como líder do grupo E com quatro pontos junto com a Suíça, mas à frente no saldo de gols, o Brasil precisa de apenas um empate para ficar com uma das vagas. A Sérvia com três pontos, só avança se bater a seleção brasileira. Caso sofra uma derrota, o Brasil, ainda terá chances, mas vai depender de um tropeço da Suíça contra a Costa Rica. Se não quiser depender de ninguém, a seleção tem dois resultados a favor. Um empate ou, de preferência, uma vitória para passar às oitavas de final da Copa.

 

Refugiado deportado por engano expõe falha em política migratória da Alemanha

Novo bloqueio de Israel à Gaza aumenta temor de conflito de maiores proporções

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Superação será fator decisivo na final da Copa entre França e Croácia

Trump visita May no Reino Unido mas tenta fugir dos protestos em Londres

Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

Secretário de Defesa americano dá prosseguimento a negociações diplomáticas em viagem pela Ásia

Fragilizada, Merkel tenta resolver conflito migratório em cúpula da UE

Guerra comercial: EUA visam boicote ao capital chinês em empresas de tecnologia

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu