rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Nobel de Economia vai para francesa, indiano e americano por estudos de combate à pobreza
A Semana na Imprensa
rss itunes

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Por Adriana Moysés

A guerra pelo ouro da Guiana Francesa ganha manchete de capa esta semana da revista Aujourd'hui en France.

Neste sábado, 7 de julho, termina o prazo do debate público aberto no departamento ultramarino francês sobre o projeto de mineração chamado Montanha de Ouro (Montagne d'Or), próximo da localidade de Saint-Laurent-du-Maroni. Militantes ecologistas, indígenas, membros do governo, políticos locais, parte da população e o grupo de mineração de capital russo-canadense CMO, que aguarda o sinal verde para explorar a mina, situada numa zona de floresta primária da Amazônia, continuam em pé de guerra.

O ouro extraído seria utilizado na fabricação de computadores, telefones celulares e outros equipamentos para a indústria aeronáutica e espacial francesa. Se a iniciativa vingar, a exploração deverá começar em 2022, mas a partida ainda não está ganha para os defensores do projeto.

O eurodeputado Yannick Jadot, ecologista, visitou recentemente caciques da região. Os chefes tribais choraram ao descrever o grau de destruição que o empreendimento poderia causar à vida dos autóctones. Além do desmatamento de 800 hectares da floresta amazônica, a extração industrial causaria poluição do solo e das reservas naturais de água.

Aujourd'hui en France mostra que, em 12 anos, 85 toneladas de ouro poderiam ser retiradas da Montanha de Ouro. Mas essa estimativa é contestada pelo ministro do Meio Ambiente francês, Nicolas Hulot, que considera o projeto superestimado, inclusive em relação à criação de empregos. A oposição do ministro contrasta com a avaliação do presidente Emmanuel Macron, que vê vantagens para a população local e por isso lançou o debate público.

Extração legal não resolve problema do garimpo clandestino

Os defensores do projeto insistem no potencial de criação de empregos. Saint-Laurent-du-Maroni tem 42 mil habitantes, uma taxa de desemprego de 30% e de mais de 40% entre os menores de 25 anos. Se vencer a queda de braço, a empresa de mineração CMO promete criar 3.750 empregos diretos e indiretos. Mas a ONG WWF, que denuncia um desastre ecológico, diz que esse número é uma "miragem econômica".

Entre 2000 e 2010, a garimpagem ilegal explodiu ao redor da Montanha de Ouro. Os garimpeiros clandestinos, vindos principalmente do Brasil e do Suriname, seriam entre 5.000 e 10.000 pessoas, destaca a revista. "Eles vivem num mundo à parte, cercados de prostitutas e traficantes de armas." Na opinião do geógrafo François-Michel Le Tourneau, um especialista na região, os projetos de mineração legais não vão acabar com a garimpagem ilegal na Guiana Francesa. Os industriais visam o ouro do subsolo, enquanto os clandestinos correm atrás do ouro que está na superfície das rochas, de fácil acesso e rentabilidade imediata, conclui o geógrafo.

Surfar no metrô de Paris diante da Torre Eiffel virou moda entre jovens aventureiros

Papa Francisco trava batalha contra grupo de milionários americanos que bloqueiam reformas na Igreja

Mais ecológico e disposto a rever lei do asilo, “novo Macron” mira eleitores de Le Pen

TV e rádio públicas francesas ampliam tempo de programação para meio ambiente

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo