rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Holanda : Polícia prende suspeito do ataque em Utrecht
  • Ciclone pode ter matado mais de mil pessoas, afirma presidente de Moçambique
A Semana na Imprensa
rss itunes

Projeto de extração de ouro na Guiana Francesa vira "mina da discórdia"

Por Adriana Moysés

A guerra pelo ouro da Guiana Francesa ganha manchete de capa esta semana da revista Aujourd'hui en France.

Neste sábado, 7 de julho, termina o prazo do debate público aberto no departamento ultramarino francês sobre o projeto de mineração chamado Montanha de Ouro (Montagne d'Or), próximo da localidade de Saint-Laurent-du-Maroni. Militantes ecologistas, indígenas, membros do governo, políticos locais, parte da população e o grupo de mineração de capital russo-canadense CMO, que aguarda o sinal verde para explorar a mina, situada numa zona de floresta primária da Amazônia, continuam em pé de guerra.

O ouro extraído seria utilizado na fabricação de computadores, telefones celulares e outros equipamentos para a indústria aeronáutica e espacial francesa. Se a iniciativa vingar, a exploração deverá começar em 2022, mas a partida ainda não está ganha para os defensores do projeto.

O eurodeputado Yannick Jadot, ecologista, visitou recentemente caciques da região. Os chefes tribais choraram ao descrever o grau de destruição que o empreendimento poderia causar à vida dos autóctones. Além do desmatamento de 800 hectares da floresta amazônica, a extração industrial causaria poluição do solo e das reservas naturais de água.

Aujourd'hui en France mostra que, em 12 anos, 85 toneladas de ouro poderiam ser retiradas da Montanha de Ouro. Mas essa estimativa é contestada pelo ministro do Meio Ambiente francês, Nicolas Hulot, que considera o projeto superestimado, inclusive em relação à criação de empregos. A oposição do ministro contrasta com a avaliação do presidente Emmanuel Macron, que vê vantagens para a população local e por isso lançou o debate público.

Extração legal não resolve problema do garimpo clandestino
 
Os defensores do projeto insistem no potencial de criação de empregos. Saint-Laurent-du-Maroni tem 42 mil habitantes, uma taxa de desemprego de 30% e de mais de 40% entre os menores de 25 anos. Se vencer a queda de braço, a empresa de mineração CMO promete criar 3.750 empregos diretos e indiretos. Mas a ONG WWF, que denuncia um desastre ecológico, diz que esse número é uma "miragem econômica".

Entre 2000 e 2010, a garimpagem ilegal explodiu ao redor da Montanha de Ouro. Os garimpeiros clandestinos, vindos principalmente do Brasil e do Suriname, seriam entre 5.000 e 10.000 pessoas, destaca a revista. "Eles vivem num mundo à parte, cercados de prostitutas e traficantes de armas." Na opinião do geógrafo François-Michel Le Tourneau, um especialista na região, os projetos de mineração legais não vão acabar com a garimpagem ilegal na Guiana Francesa. Os industriais visam o ouro do subsolo, enquanto os clandestinos correm atrás do ouro que está na superfície das rochas, de fácil acesso e rentabilidade imediata, conclui o geógrafo.

Polícia francesa adota regras para abordagem e prisão de transgêneros

Revista francesa entrevista miliciano que mata para defender governo Maduro

Famílias rivais Bourbon e Orléans apoiam coletes amarelos apostando em retorno da monarquia na França

Índios contestam construção de muro de Trump em reserva na fronteira com o México

Revista francesa aponta motivos para temer nova crise financeira mundial

Revista francesa questiona se “casamento” entre Bolsonaro e Guedes vai funcionar

Prefeita curda de 31 anos dirige a reconstrução de Raqqa, ex-capital do EI na Síria

Revista francesa L’Express dá destaque aos novos “políticos extravagantes” do Brasil

Briga por terras indígenas no Brasil esconde catástrofe ecológica na Amazônia

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses