rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Cuba rejeita propostas de Bolsonaro e anuncia saída de médicos do Brasil
Esportes
rss itunes

Rússia é eliminada, mas turistas elegem donos da casa como “campeão da Copa”

Por Elcio Ramalho

Cantando a plenos pulmões o hino nacional, os russos pararam para ver sua seleção neste sábado (7). Desacreditada no início da competição, a equipe conseguiu mobilizar todo o país. Depois de eliminar nos pênaltis a poderosa Espanha nas oitavas, a Rússia levou seu torcedor a acreditar, até o último minuto, que tudo era possível.

Enviado especial a São Petersburgo

Em São Petersburgo, bares lotados, e nas ruas torcedores se apertavam para acompanhar cada lance pela televisão.  A jovem Katia, não se interessava por futebol, até o começo deste Mundial. “O clima aqui está incrível. Antes, eu não via jogos de futebol. Mas agora na Copa, vejo todos os jogos da Rússia e, claro, espero que o time ganhe”, disse enquanto acompanhava a partida contra a Croácia.

Na disputa de uma vaga na semifinal contra os croatas, a seleção contou com o apoio de milhões de pessoas. E não apenas russos. O egípcio Islem se uniu aos torcedores de branco, azul e vermelho.  “Estou torcendo pela Rússia desde que a seleção egípcia perdeu, para curtir ainda mais minha estada aqui. Eles estão festejando desde antes do início da partida e espero que esta festa continue”. Ao lado dele, um mexicano, com o chapéu típico do país, se entusiasmou:  “Tem que aproveitar o ambiente. E se a Rússia ganhar, vamos poder aproveitar ainda mais”.

O brasileiro Fábio Souza se fascinou com o clima de festa. “Eu sabia que os russos eram fanáticos por futebol, mas me surpreendi. A Fan Fest está lotada, não consegui entrar, bares e ruas cheios. A seleção conseguiu parar e mobilizar o país. Todo mundo torcendo. Estou me sentindo no Brasil”, comentou. “A equipe é fraca tecnicamente. Seria legal se eles avançassem, seria legal ter a Rússia mais à frente”, completou.

Torcida não foi suficiente

Contra a Croácia, uma partida difícil, mas que começou bem. Um gol do atacante Cherichev, levou o país à loucura. Mas os croatas empataram logo depois com Kramaric, ainda no primeiro tempo.

Dominada no segundo tempo, a Rússia teve poucas chances, mas também não deixou o adversário marcar. Com o empate no tempo regulamentar, a partida foi para a prorrogação. Um gol de Vidal, colocou a Croácia à frente, o que levou muitos torcedores a quase desistir de torcer.

“Os russos são loucos por futebol, mas a equipe não é boa. Não estou feliz porque a equipe joga mal e não vai ganhar hoje”, comentou um jovem russo. 

Nos momentos difíceis da partida, um pequeno grupo de torcedores iniciava o apoio à seleção e a multidão logo seguia, e com ajuda dos brasileiros, que vieram a São Petersburgo pensando ver o Brasil na semifinal.

Quase no fim da prorrogação, Mario Fernandes, brasileiro naturalizado russo, deu novas esperanças à Rússia, levando a decisão para os pênaltis. Um drama vivido coletivamente.

Muito apoio e confiança no goleiro russo, Akinfeiev, que chegou a fazer uma defesa. Mas com dois pênaltis desperdiçados, os russos deram adeus à Copa e frustraram milhões de torcedores.

Minutos depois da decepção, muitos expressaram o orgulho de ter uma seleção que deixa o Mundial de cabeça erguida. Outras torcidas vão fazer a festa e poderão contar com o apoio dos anfitriões.

"Estou orgulhosa do meu país"

“Está tudo muito lindo, estou orgulhosa do meu país. Estou gostando muito de ver tantas pessoas reunidas, e tantos estrangeiros que vieram aqui. É muito bonita essa mistura de povos. São todos muito bem-vindos”, comentou uma russa, que acompanhou o jogo e a festa dos torcedores das ruas.

O alemão Fred Heinz Kaiser, que percorreu várias cidades do país neste Mundial, resumiu: “O clima é incrível, uma verdadeira festa, todo mundo alegre. O povo russo já é campeão desta Copa”.

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França

Vitória na Copa deve aumentar número de inscritos em clubes amadores de futebol na França

Foco, confiança e boa noite de sono deram a Simona Halep o sonhado troféu de Roland Garros

Participação brasileira no torneio juvenil de Roland Garros é histórica

Didier Deschamps confia nos jovens da seleção francesa para surpreender na Copa

"Adoraria ser treinador do Neymar", diz Thiago Motta após despedida como jogador