rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

Tecnologia digital transforma táticas no futebol

Por Alfredo Valladão

Nesse mundo globalizado, não basta possuir alguns jogadores geniais para ganhar uma Copa do Mundo. Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar são craques fora do comum, mas as suas seleções foram eliminadas. Hoje o talento está em toda parte. Cada ano, o “mercato” das transferências milionárias baralha o leque dos melhores jogadores entre os melhores times.

A Europa é o epicentro desse futebol-business, mas outros continentes já entraram no páreo. Poucos são os times nacionais que ainda têm atletas jogando no campeonato local. A qualidade individual está em toda parte. Não é mais o critério central para se impor. A vitória de escretes nacionais ditos “pequenos” tornou-se possível. Basta olhar para a tabela das semifinais em Moscou ou para times como a Islândia, a Rússia, a Croácia ou o Japão.
    
Antigamente, na época da dominação do Brasil, quem mandava era a habilidade com a bola. Claro, existiam esquemas para fases de jogo. Mas como dizia Mané Garrincha: “já combinaram com os russos?” A criatividade de Pelé, Garrincha Nilton Santos ou Didi bastava. A jogada ensaiada era um luxo para apimentar a partida. Só que o resto do mundo aprendeu a neutralizar a inventividade brasileira.

O futebol moderno são esquemas de jogo sofisticados. A ideia é construir um sólido bloco defensivo para impedir o adversário de marcar. E explorar contra-ataques rápidos com um meio de campo que controla a bola, destrói o avanço adverso e alimenta diretamente atacantes agressivos. O time sobe e desce o tempo inteiro. Futebol virou basquete.

O jogo coletivo e a condição física são transcendentais. Agora, o jogador mais importante é o técnico. Aquele que entende de tática de jogo. Aquele que sabe que cada partida é diferente e que o esquema de jogo tem que se adaptar a cada adversário. Não adianta ficar agarrado em gênios individuais. Primeiro a tática, depois a escolha dos jogadores que vão aplicá-la em campo.

Cada craque tem suas características, suas vantagens e defeitos. O treinador escolhe o jogador e sua posição em função da tática adaptada a cada partida. O atleta virou uma simples peça num esquema de jogo que muda constantemente. A Seleção de Tite entendeu parte da lição. Mas continua apegada à criatividade de um ou dois craques.

Neymar é único, mas não pode ganhar sozinho

O bloco defensivo melhorou muito, mas os zagueiros continuam correndo atrás dos atacantes adversos em vez de destruir as jogadas desde o início. E continuam levando gol de cabeçada. Falta uma filosofia de defesa e velocidade no meio-campo na saída de bola.

Neymar é único, mas não pode ganhar sozinho. Não é mais possível esperar que a outra seleção volte a se organizar na defesa para tentar marcar. É quase impossível. A vitória vem da desorganização do esquema do adversário e cada vez menos de um relâmpago de gênio. Hoje, muita gente já está tentando adivinhar quem vai ser o novo Pelé, Maradona, Messi ou Cristiano. Muitos falam do jovem francês Mbappé. Só que o garoto só pode ser decisivo em certas partidas e esquemas bem determinados. Quem decide se você é grande ou não é o técnico.

Economia digital transforma o jogo

Mas até essa predominância absoluta do treinador está ameaçada. A economia digital já está transformando o jogo. As estatísticas invadiram o campo, junto com o árbitro de vídeo: quantos passes, quantos chutes em gol, quantos bloqueios, quais as zonas do campo ocupadas, quantas faltas, pênalti ou não? Junto com a cientificidade do preparo físico e da medicina esportiva, isso permite uma avaliação personalizada de cada craque a todo momento.

Não vai durar muito tempo para que todos esses dados e esquemas de jogo sejam transformados em algoritmos e analisados por super computadores. No futuro o técnico será uma máquina digital acompanhada por um psicólogo para o bem-estar mental dos jogadores. As partidas vão ser chatíssimas, mas ninguém vai mais ganhar sem isso.

 

Política externa de governo Bolsonaro deve priorizar relações com países ricos

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa