rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Por Elcio Ramalho

Os casos de racismo dentro e fora dos gramados estão na origem de um cuidadoso trabalho realizado pelo jornalista franco-português Nicolas Vilas, que lançou no início de setembro na França o livro “Une enquête sur le racisme dans le foot” (Uma investigação sobre o racismo no futebol, em tradução livre), publicado pela editora Marabout.

Durante quatro anos, o jornalista, que também é apresentador de televisão na França, percorreu os bastidores do esporte mais popular do planeta para revelar essa “face escondida do futebol”, como diz o intertítulo do livro.

“Além do jogo, gosto da dimensão histórica,  social, cultural e até ideológica do futebol. Infelizmente, o tema do racismo ainda é muito atual. E é interessante ver como o futebol, o esporte mais popular do mundo, se posiciona sobre essas questões racistas na sociedade”, disse.

Vilas usou como metodologia de trabalho, assim como fez no livro anterior sobre a influência da religião no futebol - “Dieu Football Club (Deus Futebol Clube, em tradução livre) – entrevistas com jogadores, ex-jogadores, treinadores, dirigentes, entre outros profissionais.

Os casos de racismo que ganharam maior visibilidade envolveram torcedores, o que o jornalista considera justificado. “Há mais problemas relacionados com os torcedores porque há mais adeptos do que jogadores. A probabilidade de encontrar fenômenos racistas que venham das torcidas é maior do que por parte dos dirigentes. Mas como fenômeno social, é claro que se encontra racismo em todos os níveis também no futebol”, constata.

Casos no Brasil  

Apesar de ter concentrado seu trabalho no continente europeu, Nicolas faz referências a casos em muitos outros países, como no Brasil.  Chamou a atenção do autor a polêmica para a atribuição da apresentação do sorteio da Copa de 2014. O casal negro de atores Camila Pitanga e Lázaro Ramos foi preterido na escolha que recaiu sobre a modelo Fernanda Lima e seu marido Rodrigo Hilbert, gerando uma denúncia na justiça por suposto racismo da FIFA. A acusação, no entanto, foi descartada por não ter provas de que a troca se efetuou por critérios racistas. “Para ser sincero, acho que a questão do racismo no futebol e mais precisamente no Brasil mereceria também um livro por si só”, defende.

“No Brasil, o futebol ajudou a combater o racismo, mas algumas vez foi vetor do racismo”, observa.  Nicolas Vilas lembra que, historicamente, a questão dos negros teve uma importante dimensão no universo dos clubes. “Havia times consagrados exclusivamente a brancos. Mais tarde, times como o Vasco, em um certo período, abriram as portas para jogadores não brancos e contribuiu a combater o racismo. É interessante ver a dimensão social que os clubes e times podem ter nessas problemáticas”, diz.

Sem estatísticas precisas sobre os casos de racismo no futebol, o autor não identificou nenhum país que se destaque dos outros em relação a práticas racistas.

Para Nicolas, as campanhas de combate ao racismo promovidas pelas instituições dirigentes do futebol, como as da FIFA e da UEFA, mostrando jogadores como Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Neymar e Gareth Bale condenando a prática, contribuem mas não são suficientes para acabar com o fenômeno.   

“Quando se fala em prevenção, é difícil ter a noção exata do impacto que pode ter. Mas uma coisa é a prevenção, e outra a sanção”, explica.

Nicolas Vilas RFI

CBF é elogiada

Em seu livro, o jornalista recorda a punição imposta pela CBF ao Grêmio de Porto Alegre quando uma torcedora foi flagrada insultando o goleiro Aranha durante uma partida na capital gaúcha pela Copa do Brasil. Como punição, o clube foi eliminado da competição. “A CBF é uma das Confederações que mais têm agido em relação ao combate ao racismo, de forma concreta a nível mundial. Poucas Confederações sancionaram clubes por fatos relacionados ao racismo, em nível desportivo”, afirma.

No entanto, lembra Nicolas, sanções financeiras foram adotadas em muito maior número pelas entidades, reforçando a percepção de que o futebol privilegia o aspecto financeiro.

“A noção econômica e comercial é mais importante do que a questão humanista e social que possa ter o futebol”. Ele lembra ainda que a “task force” criada pela entidade máxima do futebol para combater o racismo durou apenas três anos e acabou devido a impressão de que “o problema estava resolvido”.

“As campanhas e spots publicitários devem existir, mas devem haver respostas e sanções concretas que são visíveis e existem também. No mundo midiático de hoje, há coisas que ninguém consegue mais esconder e por isso, devem haver sanções em relação a isso”, conclui.

 

 

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França

Vitória na Copa deve aumentar número de inscritos em clubes amadores de futebol na França

Rússia é eliminada, mas turistas elegem donos da casa como “campeão da Copa”