rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

Por Elcio Ramalho

Recém-desembarcado na Sérvia para defender o Estrela Vermelha de Belgrado, o brasileiro Jonathan Cafu se sente ainda se adaptando ao futebol do país. Ele foi emprestado pelo francês Bordeaux em agosto deste ano para reforçar a equipe sérvia na Liga dos Campeões da Europa.

Aos 27 anos, Jonathan Cafu viu no Estrela Vermelha uma nova oportunidade de voltar a jogar na mais prestigiosa competição interclubes da Europa.

Ele já havia disputado a Liga dos Campeões em 2016 quando defendia as cores do Ludogorets, da Bulgária. Foi nesta época que foi vítima de racismo. O caso aconteceu há pouco mais de dois anos, quando o time búlgaro foi à República Tcheca enfrentar o Viktoria Plzen, em busca de uma vaga para a Champions League.

Segundo ele, das arquibancadas os torcedores do time adversário começaram a imitar sons de macaco. “Isso não afeta quem está dentro de campo. Estava focado e só queria fazer o meu trabalho”, lembrou.

Embora tenha sentido apoio do clube, Jonathan preferiu não fazer denúncias e relatar o caso para as autoridades. “Isso não me afeta nada. Não vai trazer benefício nenhum para mim, nem para outras pessoas também”, argumentou.

Passagem frustrada pela França

Do Ludogorets foi contratado pelo francês Bordeaux na temporada passada por 7,5 milhões de euros. A passagem pelo clube francês não foi promissora. Ele disputou 20 jogos, sendo seis como titular, e marcou apenas dois gols. Como não vinha sendo utilizado e estava fora dos planos do treinador da equipe, a porta de saída ficou aberta.

Emprestado com opção de compra por 4 milhões de euros, o mineiro de Belo Horizonte se diz contente com a nova fase na carreira e confessou ter sido seduzido pela possibilidade de disputar a Liga dos Campeões.

“Todo mundo quer jogar em alto nível. Vi essa possibilidade, não estava sendo utilizado no Bordeaux e vendo essa possibilidade de jogar em alto nível, foi bom para mim”, afirma o meia ofensivo, que já passou pela Ponte Preta e São Paulo. “O futebol da Sérvia está crescendo, estamos na Liga dos Campeões. É um estilo de jogo diferente do da França, da Bulgária”, diz.

Em pouco mais de dois meses no país, o brasileiro se surpreendeu com a torcida local. “É uma das torcidas mais fanáticas do futebol. Os torcedores cobram bastante”, afirma.

Classificado para a fase de grupos, o Estrela Vermelha estreou com empate sem gols contra o Nápoli na Liga dos Campeões, mas na partida seguinte, contra o PSG, saiu humilhado de campo com derrota de 6 a 1.

“Chances a gente tem, agora tem que rever algumas coisas para não repetirmos (para os próximos jogos). Temos que tampar os buracos”, concluiu. O próximo jogo do Estrela Vermelha de Belgrado pela Liga dos Campeões é contra o Liverpool, no dia 24 de outubro.

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França

Vitória na Copa deve aumentar número de inscritos em clubes amadores de futebol na França

Rússia é eliminada, mas turistas elegem donos da casa como “campeão da Copa”

Foco, confiança e boa noite de sono deram a Simona Halep o sonhado troféu de Roland Garros

Participação brasileira no torneio juvenil de Roland Garros é histórica

Didier Deschamps confia nos jovens da seleção francesa para surpreender na Copa