rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Por RFI

Com uma vitória de 5 a 2 sobre o Egito neste sábado (10), a seleção brasileira de futebol de areia terminou em terceiro lugar a Copa Intercontinental de Dubai, nos Emirados Árabes. Mas o técnico Gilberto Costa foi eleito o melhor do mundo pelo segundo ano consecutivo.

Mariana Durão, correspondente da RFI em Dubai

O Irã venceu a Copa Intercontinental de Dubai ao bater a Rússia por 4 a 1 na final. O time iraniano repetiu o feito de 2013, tornando-se bicampeão do torneio. A competição é a mais importante da modalidade depois da Copa do Mundo e reúne anualmente os melhores países de cada continente na temporada.

Vencedor da competição nos últimos dois anos, o Brasil dessa vez esbarrou na Rússia nas semifinais. Em um jogo histórico, com direito a empate no tempo normal e na prorrogação, os brasileiros acabaram perdendo nos pênaltis a vaga na final. A derrota para os russos quebrou uma sequência de 66 jogos invictos sob o comando do técnico Gilberto Costa e adiou o tetracampeonato no torneio.

Apesar do revés, o Brasil se mantém como uma superpotência do esporte, status que voltou a ostentar depois que Costa assumiu a seleção canarinho, em janeiro de 2016. Nas últimas três temporadas foram 15 títulos em 16 competições, entre eles a Copa do Mundo da Fifa 2017, nas Bahamas. O país segue na liderança do ranking mundial do beach soccer.

Brasil tem melhores jogadores e técnico

Na cerimônia de gala que premiou os destaques do esporte nesta temporada, realizada no sábado em Dubai, a equipe verde e amarela teve Bruno Xavier e Datinha entre os cinco melhores jogadores de 2018 na areia. Já o técnico brasileiro foi eleito o melhor do mundo pelo segundo ano consecutivo.

“Numa derrota a sensação nunca é boa nos primeiros dias, mas a partir de agora a gente começa a tentar tirar o aprendizado dela”, disse Costa à RFI Brasil. “O esporte hoje é mais competitivo, então vai ser cada vez mais difícil ver invencibilidades longas. Existem muitos países competitivos e todos (jogadores da seleção) estavam conscientes de que a derrota chegaria. O mais importante é que a equipe deu o seu melhor e lutou até o final”, afirmou.

De olho na Copa do Mundo de 2019

O capitão da seleção Bruno Xavier admitiu que ainda não houve tempo para digerir a derrota para a Rússia, mas destacou que o time saiu de campo com a sensação de dever cumprido após virar um placar de 4 a 1 no fim do último tempo. “De tudo a gente tira um aprendizado e um lado bom. Essa derrota veio e agora é hora de levantar a cabeça porque (2019) é ano de Copa do Mundo”, disse.

Com contrato até o final do ano que vem, o técnico da seleção diz que o foco agora está nas eliminatórias para a Copa de 2019, que acontecem em março. O mundial será em novembro do ano que vem, no Paraguai. “A meta é manter o título de campeão mundial conquistado em 2017”, destacou Costa, que não enxerga grandes mudanças na equipe no curto prazo.

Aos 41 anos, Gilberto Costa acumula passagens bem sucedidas no Brasil e no exterior, onde comandou as equipes do Barcelona e do russo Krylya Sovetov. O brasileiro também esteve à frente da seleção da Bielorrússia na temporada de 2014. Entre os títulos nos oito anos como técnico ele coleciona três Mundialitos de Clubes, com Vasco (2011), Corinthians (2013) e Barcelona (2015). Berço do futebol de areia, o Brasil passava por uma fase ruim quando o técnico assumiu a seleção e a elevou novamente a um patamar de destaque.

Além de títulos, o treinador almeja deixar como legado para o futebol de areia a organização de uma competição nacional mais longa, como acontece em países como Irã, Itália e Rússia. Para isso, diz, seria necessário apoio da CBF. “Ficaria muito feliz se a gente conseguisse deixar um caminho para que o esporte se tornasse profissional”, avalia. A maioria dos jogadores da seleção passa o ano se dividindo entre as ligas de diferentes países, em especial na Europa.

Gilberto Costa defende que o esporte seja levado para dentro das escolas, de maneira a criar uma cultura esportiva entre crianças e adolescentes. “O Brasileiro gosta do que ganha, do que é campeão, mas ninguém entende como se constrói campeões e como se constrói uma modalidade”, analisa.

Não existe nada previsto no governo Bolsonaro para o esporte

Questionado sobre a hipótese de o Ministério dos Esportes ser fundido com outras pastas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, ele afirma que perder o status de pasta exclusiva não é o melhor dos mundos, mas diz que essa não é sua maior preocupação.

“Nós não temos políticas de desenvolvimento do desporto no país, então o que mais me preocupa na eleição democrática do nosso presidente é que não existe nada no plano de governo dele sobre esportes. Eu sigo aguardando qual é o plano do futuro governo para o esporte, porque hoje nós não conhecemos. Isso é mais preocupante que a extinção ou fusão da pasta”, disse.

Autonomia para árbitros punirem clubes com derrota diante de atos racistas é um avanço, diz Observatório

Futebol feminino dos Estados Unidos: títulos, polêmicas e admiração popular

Jogo do Brasil contra França vale vaga nas quartas da Copa e quebra de jejum

Copa do Mundo feminina: Brasil atrai torcedoras pela primeira vez aos estádios

"Realizei um sonho de criança”, diz tenista brasileiro de cadeira de rodas em Roland Garros

Roland Garros atrai turistas brasileiros, mas tenistas do país decepcionam

Roland Garros tem estreia de quadras e apenas um brasileiro na briga pelo título de 2019

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?

“Ainda estou me adaptando à Fórmula E”, diz Felipe Massa após nono lugar no E-Prix de Paris

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes