rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Por Stephan Rozenbaum

O FC Nantes, um dos mais tradicionais clubes franceses, de onde saíram grandes nomes do futebol mundial como o atual técnico da França, Didier Deschamps, começou esta temporada (2018/19) na lanterna do campeonato francês. Mas com a chegada do novo treinador, o franco-bósnio Vahid Halilhodzic, que no passado foi jogador do Nantes, o time pulou da penúltima colocação para o meio da tabela. Com isso, alguns brasileiros, como o volante Andrei Girotto, voltaram a ganhar lugar de destaque nesta que é uma das equipes mais vencedoras da França, com 8 títulos conquistados.

O gaúcho de Bento Gonçalves chegou ao clube no ano passado, quando o time estava sob o comando do italiano Claudio Ranieri. Com ele, Andrei era titular quase absoluto, mas com a chegada do português Miguel Cardoso, o brasileiro acabou perdendo espaço, algo sempre frustrante para qualquer jogador de futebol. Mas Andrei lembra que no futebol profissional é preciso enfrentar todos os obstáculos de cabeça fria. “Passei por alguns momentos difíceis na minha carreira. Isso fez com que eu já estivesse preparado mentalmente para enfrentar o tempo que fiquei de lado. É difícil o jogador não jogar, mas eu sabia que o futebol tem altos e baixos e que uma hora iria chegar minha chance. Se eu não estivesse preparado, seria pior para mim. O que eu fiz de melhor foi continuar treinando forte para que o treinador Vahid pudesse olhar pra mim”, conta Girotto.

Com Vahid Halilhodzic, Andrei passou a ser peça chave no esquema do franco-bósnio. Desde sua chegada, o Nantes, que vinha de 5 derrotas, 3 empates e apenas uma vitória, está invicto há um mês, e venceu duas das 5 partidas que disputou por goleada. 4 a 0 no Toulouse e 5 a 0 no Guinguamp. Andrei Girotto afirma que com a chegada de Vahid, tudo mudou. “Senti muita mudança. Ele tem um método totalmente diferente dos últimos treinadores. Com ele o trabalho é mais intenso, mais focado, mais disciplinado, com muito mais objetividade, algo que faltava para o nosso time. No dia a dia, a preparação física é muito forte. Com a pausa no campeonato por causa dos amistosos internacionais, nós aproveitamos para botar o condicionamento físico em dia. Isso é muito importante. A equipe estando bem fisicamente ela dá melhores resultados”, afirma o gaúcho. 

Futebol diferente

No Brasil, Andrei foi campeão da Copa do Brasil pelo Palmeiras em 2015 e conta que o futebol na França é bem diferente. “O futebol brasileiro é mais cadenciado. Ele é mais resolvido em jogadas individuais. O francês é mais intenso, mais conjunto. Todo time tem que jogar junto, marcando forte, sempre no mesmo objetivo. Todos atacam e todos defendem”, diz o jogador. “No Brasil os talentos individuais se sobressaem em alguns jogos. Quanto aos treinamentos, são bem parecidos, mas eu acho que aqui o futebol é mais intenso”, completa.

Apesar de achar que os treinamentos são parecidos, Andrei Girotto sente falta de uma prática que só existe no Brasil: o rachão, uma partida sem compromisso de tática ou posição dos jogadores. “No Brasil, na véspera de cada jogo nós sempre procuramos a descontração, aquele rachão, e sempre com alguma aposta. Já aqui na França, é toda semana focado no jogo. Não tem aquele momento de descontração. Mas acho que seria bom o rachão aqui também, já que temos a responsabilidade durante toda a semana de estar 100% focado na parte tática, no alto nível, e o rachão é a oportunidade de ter aquele momento que dá para descontrair a cabeça sem aquela preocupação de acertar, somente curtindo aquela brincadeira com o companheiro de trabalho, acho que as vezes é válido”, afirma Girotto.

Uma grande família

O número de brasileiros no campeonato francês passa de 30.  É a segunda nacionalidade mais representada, ficando somente atrás dos franceses. Ou seja, uma grande família. “Pude conversar bastante com o Luiz Gustavo [do Olympique de Marselha] e o Ganso [do Amiens]. Aqui no Nantes são seis brasileiros. A gente procura se enturmar porque não é fácil viver longe. Com um pouco de brasileiros a gente se entende melhor. Aqui no Nantes, tentamos fazer as coisas juntos, sempre se divertindo e levando um pouco do Brasil pra cá.

Andrei Girotto, que tem contrato com o Nantes até 2021, lembrou de outros brasileiros que tiveram passagem vitoriosa pela França, como o Juninho Pernambucano que conquistou diversos títulos pelo Lyon. Com o time mais competitivo desde a chegada de Vahid Halilhodzic, o gaúcho espera também deixar a sua marca no campeonato francês.

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”