rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Por Elcio Ramalho

A seleção brasileira de handebol masculino participa do Mundial 2019 com a ambição de ter seu melhor desempenho na competição, apesar das grandes dificuldades encontradas na fase de preparação pelos cortes de verbas e de patrocínio.

A competição começou na quinta-feira (10) com jogos na Alemanha e Dinamarca, países que organizam juntos o evento mais importante do calendário do esporte este ano.

O Brasil estreou na competição contra a França, atual campeã e que busca um sétimo título mundial, e na sequência, também em Berlim, pegou a Alemanha, considerada outra potência do grupo A.

A tabela reservou um começo difícil, mas a esperança vai se manter viva a partir dos jogos seguintes. O terceiro confronto será contra a Sérvia na segunda-feira. Na sequência vem a Rússia e, por último, a Coreia.

“Os jogos contra a França e a Alemanha são muito duros. Com as outras três equipes, a gente tem bastante possibilidade de confronto. O mais importante são as três vitórias que a gente possa ter. Não tem um jogo mais determinante. O jogo mais determinante é o terceiro, e se vencer passa a ser o quarto, e se vencer, passa a ser o quinto. Essa é a trajetória que vamos ter”, diz Washington Nunes, treinador da seleção brasileira em entrevista à RFI Brasil.

Nesta edição, o Mundial adotou mudanças. A margem de erro, ou seja, de derrotas, ficou ainda mais estreita.  

“O campeonato mudou. Não é mais na forma que era a qualificação. Classificavam quatro depois tinha as oitavas de final. Agora são três países e carregam os pontos para a segunda fase. Nossa ambição é de classificação entre os três primeiros e estarmos pela primeira vez entre os 12 do mundo”, diz o treinador.

Nas duas últimas edições do Mundial, em 2017 e 2015, a seleção terminou em 16° lugar e, para melhorar esse desempenho, Washington conta com a experiência do elenco, já que a maioria dos atletas joga em clubes europeus e disputam durante todo o ano competições de alto nível. Mas, apesar do otimismo e da dedicação, a equipe vai ter que superar as dificuldades encontradas no período de preparação, longe de ser o ideal.

“A equipe não chega bem preparada. Tivemos problemas graves no Brasil na parte orçamentária. Perdemos patrocinadores. O país vive um período econômico grave.  O esporte teve muita dificuldade neste período pós-Jogos Olímpicos do Rio”, lembra Washington.

Cortes de verbas

Segundo ele, as verbas para o handebol, que totalizavam cerca de R$14 milhões por ano, foram reduzidas para pouco mais de R$ 1,4 milhão, o que comprometeu todo o planejamento e calendário de preparação.

“Os Correios patrocinaram até o ciclo olímpico. Depois, eles tiveram problemas econômicos. Eles ofereciam algo em torno de R$ 7 milhões e passaram a oferecer cerca de R$ 1,4 milhão. Com esse dinheiro, foram pagos acampamentos, um trabalho feito com as equipes de base, com jogadores de todo o país para a sede em São Bernardo do Campo. Isso foi possível manter”, explica.

No entanto, a verba não foi suficiente para a preparação geral das equipes adultas do handebol brasileiro, tanto masculino como feminio. Outro patrocinador, o Banco do Brasil, também fechou a torneira do mesmo valor de patrocínio, cerca de R$ 7 milhões.

“Estamos falando de uma perda de cerca de R$ 14 milhões. Isso impactou diretamente em todas as possibilidades de treinamento, de encontro de jogadores. Só conseguimos treinar uma fase no ano inteiro”, diz, em referência ao mês de abril.

Na sequência, a equipe jogou dois torneios obrigatórios em 2018: o Sul-Americano, do qual sagrou-se campeão e garantiu vaga para disputar o classificatório para os Jogos Olímpicos de 2020, e os Jogos Pan-Americanos. Na final deste último, a equipe perdeu para a Argentina, resultado que garantiu a vaga no Mundial da Alemanha.

“O Comitê Olímpico Brasileiro passou a ser um grande parceiro, e espero que daqui para frente. Quem sabe, com a melhoria da economia do país, a gente possa ter novos patrocinadores”, afirma.

O Mundial de Alemanha começou no dia 10 de janeiro e vai até o dia 27 de janeiro, com a final disputada na Dinamarca.

Copa do Mundo feminina: Brasil atrai torcedoras pela primeira vez aos estádios

"Realizei um sonho de criança”, diz tenista brasileiro de cadeira de rodas em Roland Garros

Roland Garros atrai turistas brasileiros, mas tenistas do país decepcionam

Roland Garros tem estreia de quadras e apenas um brasileiro na briga pelo título de 2019

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?

“Ainda estou me adaptando à Fórmula E”, diz Felipe Massa após nono lugar no E-Prix de Paris

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul