rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Por Elcio Ramalho

A discussão sobre a volta da mais célebre competição de rally do mundo ao continente africano ganhou força nos últimos anos e as especulações de que a edição de 2020 possa ser disputada na África agita os bastidores do badalado evento. A decisão do local que abrigará a corrida deverá sair no mês de março. A ideia agrada aos fãs e competidores, mas esbarra em muitas dificuldades de logística e segurança.

“Eu pessoalmente gostaria de que voltasse para a África, porque nunca fiz um rally por lá”, defende Gustavo Gugelmin, terceiro colocado na categoria UTV junto com o piloto Reinaldo Varela.

No entanto, ele diz ter "ouvido conversas" de que o evento deve continuar na América do Sul, com a perspectiva de ser organizada no ano que vem por três países: Argentina, Paraguai e Chile. Um dos motivos seria a facilidade logística. “É mais simples obter autorizações ambientais, de ajuda de governos e de segurança”, afirma. “Temos também muitos terrenos difíceis, como a organização gosta”, acrescenta.

Outro motivo que pode pender para o evento continuar na região seria o entusiasmo despertado na competição, algo que, segundo Gugelmin, traria vantagens para a visibilidade do esporte para o Brasil. “No país do futebol, estamos conseguindo inserir a paixão pelo circuito off road. Deixando o rally aqui perto, fica mais fácil de conquistar novos fãs para o esporte."

Varela, companheiro de Gugelmin, destaca outros pontos fortes para o circuito continuar na região. “É bom ficar por aqui. Nós temos trechos, dunas, tudo o que precisa para um bom Dakar. Ficar na América do Sul continua uma boa escolha. Melhor do que na África e em lugares sem nenhuma infraestrutura”.

Caso fique mesmo no sul do continente, Reinaldo espera que o trajeto seja bem diferente do que encontraram no território peruano. Pela primeira vez, as 10 etapas da competição se desenvolveram em um só país, o que foi motivos de muitas críticas.

“De um modo geral, esse rally deixou muito a desejar. Tinhas muitas retas e com dunas dos dois lados. Nos colocaram em vales para andarmos muitos quilômetros e passamos muitas vezes pelo mesmo lugar. As dunas não foram nada difíceis. Foi muito fácil por ser um Dakar. Não é uma boa ficar em um país só”, avaliou Reinaldo.

Categoria deve crescer

Melhor dupla brasileira na categoria UTV do Rally Dakar de 2019, Gustavo Gugelmin e Reinaldo Varela terminaram em terceiro posição na classificação geral, perdendo o título de campeões conquistado na edição anterior. Sem esconder a decepção, mas valorizando o lugar no pódio, a dupla lamentou os erros durante a prova.

“Logo no começo do rally a gente veio bem e viu que tínhamos carro e competência para brigar pelas primeiras posições. Nós tivemos problemas de rally e não de carro, com pneu furado por causa de uma pedra. Talvez cansaço no final, desatenção”, justificou o navegador Gustavo.

A dupla estava em primeiro lugar até a penúltima etapa, quando uma passagem por um buraco prejudicou a sequência da corrida, com a quebra da suspensão do carro. O atraso de mais de uma hora resultou na diferença para os vencedores finais, uma dupla chilena.

“O resultado foi satisfatório, causado por nós mesmos. Peguei um buraco e outras coisas que fazem parte do rally. Mas ficamos no pódio”, relativiza Reinaldo.

Com contrato até 2020 com a marca CAM-AN, a dupla já se projeta na próxima edição do Dakar, seja onde for. E vão competir na mesma categoria, a que mais cresce no rally, segundo Gugelmin. “No ano passado tinha 15 competidores e esse foram 46. Eu acredito que vá crescer mais ainda e está sendo cada vez mais disputada.”

Para voltar ao topo, os dois contam com um ano cheio de etapas de preparação. “Esse ano vamos fazer várias etapas do Mundial e também o rally do Sertão, para pegar cada vez mais o desenvolvimento do carro”, diz Reinaldo.

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira