rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Esportes
rss itunes

Handebol: Brasil tem melhor participação em Mundial e mira Tóquio

Por Elcio Ramalho

A Dinamarca conquistou neste domingo (27) o campeonato mundial ao derrotar a Noruega por 31-22 na final disputada em casa, na cidade de Hening. Festa para q vibrante torcida vermelha que lotou a Jyske Bank Arena. Afinal foi o primeiro título da competição para os dinamarqueses que co-organizaram o Mundial com a Alemanha. Este era o único troféu que faltava para a Dinamarca, já consagrada campeã olímpica e europeia. A França ficou em terceiro lugar depois de vencer a Alemanha por 26-25.  O campeonato mostrou mais uma vez a superioridade dos europeus nesta modalidade. 

Longe do pódio, a seleção brasileira de handebol masculino voltou para casa feliz por ter feito história ao terminar o Mundial de handebol deste ano em nono lugar, classificação jamais alcançada pela modalidade.

O desempenho não apenas superou as expectativas como compensou a garra e determinação dos jogadores e da equipe técnica.

Até a participação deste ano, a melhor posição alcançada pelo handebol masculino na competição tinha sido o 16° lugar. Com dificuldades na preparação devido aos cortes de patrocínio, a seleção treinada por Washington Nunes superou as barreiras e do começo ao fim.

O início da competição foi determinante. Apesar da derrota de 24 a 22 para os franceses, que defendiam o título, o resultado apertado demonstrou que a equipe tinha potencial.   

“O jogo mais emblemático para nós foi contra a França.  Mostramos um equilíbrio e jogamos de maneira consistente. Deu bastante perspectiva para a equipe. Tivemos convicção que poderíamos ir bem”, afirma o treinador Washington Nunes à RFI.

A sequência foi mais difícil com o time perdido em quadra contra os alemães, anfitriões do Mundial que foi disputado também em parte na Dinamarca. Com apenas duas vagas em disputa, o Brasil só poderia vencer dali para frente e foi o que aconteceu, com vitórias sobre a Sérvia (24/22) , Rússia (25/23) e Coreia (35/26).

“A primeira vitória contra a Sérvia foi muito positiva, contra a Rússia foi sensacional porque era um adversário muito duro e contra a Coreia era o momento de confirmar a classificação pela primeira vez na história. Foram os jogos mais emblemáticos”, destaca.

Depois de dois anos de muitas dificuldades de treinamento, Washington credita a participação histórica à fase final de preparação, entre dezembro e o dia 11 de janeiro, na estreia na competição. “Foi um trabalho muito intenso e linear, que culminou numa maturidade durante a disputa dos jogos”, avaliou.

Na segunda fase, que foi inédita para a seleção, o Brasil surpreendeu uma das melhores equipes europeias e com grande tradição na modalidade, a Croácia. A vitória por 29 a 26, com Haniel Langaro escolhido melhor em quadra, foi comemorada até as lágrimas, como um verdadeiro feito histórico. “O jogo contra a Croácia talvez tenha sido o melhor de muitos anos. Conseguimos neutralizar as ações de uma equipe muito competitiva e jogamos muito bem no ataque”, conta.

O jogo contra a Islândia, que selou a participação da equipe no Mundial, também ficará na memória por mais uma vitória contra uma equipe europeia. “Foi a quinta vitória de oito jogos e a que nos garantiu o nono lugar. A equipe estava muito concentrada”, lembra.  

Brasil x Croácia - Lanxess Arena, Colônia, Alemanha - 20 de janeiro de 2019 REUTERS/Annegret Hilse

Apesar da grande campanha no Mundial de Handebol, o treinador da seleção brasileira não tem muitas ilusões sobre a atração de novos patrocinadores. Ela lembra que a equipe feminina, campeã mundial em 2013, não usufruiu do prestígio com o título.

“Essa vitória nos coloca em outro patamar, mas não altera em nada devido ao contexto em que o país vive. A seleção feminina foi campeã mundial e isso não alterou em nada as questões de marketing e com a mídia. Fizemos história, vencemos e ficamos na frente de muitos europeus, mas nada irá mudar se não tivermos continuidade”, alerta.

O próximo desafio da seleção brasileira de handebol será a participação da fase classificatória para as Olimpíadas de 2020 em Tóquio.  O Brasil vai disputar uma das vagas reservadas à América do Sul.  

“O Comitê Olímpico Brasileiro está abraçando o handebol. Todo o planejamento para Lima onde vamos tentar a vaga olímpica está garantido. Acredito que temos uma grande perspectiva para a conquista da vaga”, afirma.

“É uma equipe jovem, ambiciosa e a meta agora é garantir a classificação para os Jogos Olímpicos. Nossa ambição é ir a Tóquio e fazer novamente história”, conclui Nunes.

 

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira

Brasil perde invencibilidade no futebol de areia e fica em terceiro na Copa Intercontinental de Dubai

Maior jóquei brasileiro é homenageado no Hipódromo de Chantilly na França

"Isto não me afeta", diz jogador brasileiro vítima de racismo na Europa

"CBF é uma das confederações mais atuantes contra o racismo", diz autor de livro

Lutadora brasileira de 17 anos faz história no Mundial juvenil na Hungria

“Gostaria que não fosse necessário um time gay”: jogadores se unem contra o preconceito

Morte de jovem jogador de rúgbi reacende o debate sobre comoções cerebrais na França