rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Carlos Ghosn deixa centro de detenção em Tóquio após pagamento de fiança
Esportes
rss itunes

Judô brasileiro termina Grand Slam de Paris sem subir no pódio

Por Elcio Ramalho

Apenas com a seleção feminina, o Brasil teve uma participação sem brilho este ano no Grand Slam de Paris, realizado neste final de semana. O quinto lugar de Rafaela Silva foi a melhor colocação e grandes esperanças de medalhas, como Maria Portela e Mayra Aguiar, decepcionaram.

O Brasil trouxe apenas a seleção feminina para participar do Grand Slam de Paris, tradicional competição do circuito internacional da modalidade e um dos torneios que marcam mais pontos para o ranking que define vagas olímpicas.

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) decidiu que a equipe masculina, que passou por várias semanas de treinamento no Japão e voltou ao Brasil há uma semana, deveria abrir mão do torneio francês e se concentrar no Grand Slam de Dusseldorf, na Alemanha. “Não seria adequado depois de três semanas de treinamentos no Japão vir direto para um torneio tão forte como este. Nenhum país vai a todos os torneios, é uma questão de planejamento”, explicou Ney Wilson, do comitê gestor de alto rendimento da CBJ.

No total foram 14 atletas da equipe feminina disputando o Grand Slam francês e o resultado final não foi dos melhores, principalmente quando comparado ao histórico do Brasil na competição.

No sábado (09), apenas Rafaela Silva (57kg), campeã olímpica na Rio 2016 disputou uma medalha. Na luta pelo bronze, ela derrotada pela sul-coreana Jisu Kim. O quinto lugar dela é a melhor classificação do país. No primeiro dia, Larissa Pimenta e Eleudis Valentim chegaram à repescagem, mas derrotadas, amargaram um sétimo lugar na classificação geral da categoria (52kg).

Para a Larissa Pimenta, 19 anos, que disputou em Paris seu primeiro Grand Slam em sua estreia na categoria sênior, a experiência na competição é valorosa.

“Não saio totalmente satisfeita, mas feliz porque fiz uma boa competição. Queria um resultado mas não veio e agora vou focar nas outras competições”, comentou a paulista de São Vicente que mudou da categoria ligeiro para meio-leve (52kg), onde diz ter mais chances de se classificar para uma vaga olímpica. Ela diz estar se sentindo bem com a adaptação a uma categoria. “Tive que mudar de alimentação e fazer mais um trabalho de força. Nesta categoria (52), as adversárias são mais duras e fortes fisicamente”, afirma.

Neste domingo, segundo e último dia da competição, as maiores esperanças de medalha, Maria Portela, oitava no ranking mundial, perdeu logo a primeira luta para Barbara Timo, brasileira naturalizada portuguesa. Outra esperança de medalha, Mayra Aguiar, que foi ouro no Grand Slam de Paris em 2016, também disse adeus logo na estreia.

Outras quatro atletas, Maria Suelen Altheman (+78kg), Beatriz Souza (+78kg), Samanta Soares (78kg), e Ellen Santana (70kg), também nem chegaram à repescagem. A seleção feminina de judô fica mais três dias em Paris para uma sessão de treinamentos na Federação Francesa de Judô antes de viajar Áustria, próxima etapa do planejamento para a equipe feminina.

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras

França quer criar paixão olímpica com selo inédito “Terra dos Jogos 2024”

Andrei Girotto, ex-Palmeiras, elogia técnico "linha dura" mas sente falta da descontração brasileira