rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia sua renúncia para 7 de junho
Esportes
rss itunes

Aos 41 anos, zagueiro Hilton bate recorde no futebol francês e quer seguir jogando

Por Elcio Ramalho

O zagueiro brasileiro do Montpellier, Hilton Vitorino, já entrou na história do futebol francês ao bater no mês de fevereiro o recorde de longevidade ao superar o jogador Benjamin Nivet.

Em uma idade em que vários jogadores já abandonaram as chuteiras há muito tempo, se afastaram dos gramados e vivem de outras atividades, o brasiliense Hilton continua a impressionar seus companheiros de equipe, dirigentes e a torcida.

Hilton, chegou à França em fevereiro de 2004, transferido do time suíço Servette para o Bastia. Foi o início de uma longa paixão pelo país.

Nesses 15 anos, o zagueiro, ex-jogador do Paraná Futebol Clube, passou por quatro equipes. Foram apenas três títulos, dois de campeão francês, com o Montpellier em 2012 e o Olympique de Marselha em 2010, e um terceiro no mesmo ano com a conquista do Troféu dos Campeões.  

Mas foi no Montepellier que ele se firmou. Já é a oitava temporada defendendo as cores do time do sul da França. E ele exerce seu papel de veterano e capitão do clube fora e dentro do campo.

A RFI conversou com Hilton na saída do Parque dos Príncipes, após a humilhante derrota de 5 a 1 para o PSG, resultado que o zagueiro considerou injusto. No entanto, ele se rende a uma evidência: “Contra o Paris Saint-Germain, se você não faz, acaba tomando”.

Em campo, ele teve que afrontar a sensação do futebol francês, o atacante Mbappé, 21 anos mais novo. Mas a rapidez não é problema para o veterano.

Sempre em grande forma e admirado pelos adversários e companheiros, Hilton Vitorino explica o que o faz ter uma carreira tão longa, fato raro no futebol moderno. “Primeiramente Deus, que me dá muita saúde, e a paixão de jogar, que me renova a cada ano.”

Ele não se diz preocupado em bater recordes, mas está sempre se cuidando. “Chegar nessa idade jogando em alto nível não é fácil, mas é gratificante. Estou me sentindo bem. Independentemente das dificuldades que todo munda acha que eu tenho aos 41 anos, estou me sentindo bem fisicamente”, afirma.

Ambição de continuar

O futuro não chega a preocupá-lo. Nos últimos tempos, Hilton Vitorino renovou seu contrato a cada final de temporada, depois de discussões com o clube. Ele não descarta estar em campo por mais um ano. Tudo vai depender de sua forma física e da eventual proposta e interesse do Montpellier em apostar no seu futebol veterano.

“Estou me sentindo bem, mas não depende só de mim. Não sei se o clube vai querer dar oportunidade de continuar. Minha preocupação é terminar bem e se tiver outra oportunidade, por que não?”, indaga.

O zagueiro Hilton Vitorino, do Montpellier, na saída do estádio Parc des Princes, em Paris, em 22/04/2017. Foto: RFI Brasil/ Elcio Ramalho

Atualmente a ambição do Montpellier é ficar entre os cinco primeiros da tabela para disputar a Liga Europa da próxima temporada. “É nossa meta”, admite o zagueiro, que já fez 20 gols nos gramados da França, país que pretende adotar definitivamente com um pedido de naturalização. “Estou pedindo pelo tempo [de vida no país] e para os meus filhos, porque eles passaram a maior parte da vida aqui e é importante para o futuro deles”, avalia.  

Finais europeias só com times da Inglaterra: o que explica o atual sucesso do futebol inglês?

“Ainda estou me adaptando à Fórmula E”, diz Felipe Massa após nono lugar no E-Prix de Paris

Primeira boxeadora do Irã a disputar luta no exterior decide ficar na França para fugir da prisão

“É um sonho”, diz juíza brasileira escalada para Mundial feminino de futebol

Preconceito e falta de oportunidades fazem dançarinos de hip hop trocarem Brasil pela Europa

Entusiasmo com Copa do Mundo deve impulsionar esportes femininos na França

Proposta do breakdance nos Jogos de 2024 não é unanimidade entre os praticantes

Handebol: Haniel Langaro sonha com grandes clubes da Europa e Tóquio 2020

Lesão de Neymar gera dúvidas sobre futuro do PSG na Liga dos Campeões

Melhor dupla brasileira no Dakar 2019 prefere que rally continue na América do Sul

Brasil disputa Mundial de handebol impactado por corte de verbas e patrocínio

Retrospectiva 2018: relembre os principais fatos que marcaram o ano no esporte

Principal desafio da CBF na preparação para Copa do Mundo de futebol feminino é reunir jogadoras