rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Ténis Roland Garros Guga

Publicado em • Modificado em

Brasileiro ganha torneio juvenil de duplas em Roland Garros

media
Matheus Pucinelli de Almeida (à esq.) e o argentino Thiago Tirante erguem o troféu de campeão de duplas de Roland Garros, em 08/06/19. Foto: RFI/ Elcio Ramalho

O paulista Matheus Pucinelli de Almeida ergueu neste sábado (8) o troféu de campeão do torneio juvenil de duplas de Roland Garros, o primeiro de Grand Slam na carreira. Ele e o argentino Thiago Tirante venceram na final a dupla formada pelo suíço Dominic Stricker e o italiano Flavio Cobolli por 2 sets a 0 (parciais de 7/6 e 6/4).


“Só de ser um título em Grande Slam, em Roland Garros com a história do Guga aqui, é uma felicidade muito grande”, declarou o tenista. Ao final da partida, ele recebeu os parabéns do ídolo e  tricampeão de Roland Garros, que veio dar conselhos para a sequência da carreira do jovem.

Apesar de ter focado no torneio de simples, Pucinelli comemorou o troféu inédito nas duplas. “Tenho os pés no chão, mas tudo vai ficar lembrado. Um título de Grand Slam fica marcado. Valeu muito a pena”, afirmou.

Em sua primeira participação no saibro parisiense, Matheus caiu na segunda rodada do torneio de simples e se manteve nas duplas com o argentino, com quem já joga há algum tempo no circuito. Os dois campeões de Roland Garros devem disputar também o torneio de duplas em Wimbledon.

Para o paulista, que treina no Instituto do Tênis em Barueri, o troféu vai dar um grande impulso para a sequência da carreira. “É muito motivador porque você sabe que aqui estão os melhores do mundo. E os melhores daqui vão no futuro estar no topo da ATP. Se a gente está aqui é porque tem qualidade para chegar na ATP. Agora é seguir trabalhando duro, com os pés no chão, para um dia chegar lá em cima”, declarou na saída de quadra.

Gustavo Kuerten foi cumprimentar Matheus Pucinelli pelo troféu de duplas juvenil de Roland Garros. Foto: Elcio Ramalo/RFI

Como juvenil, Matheus, que completou 18 anos em abril, pode jogar ainda este ano os Grand Slams de Wimbledon e o US Open e, a partir do ano que vem, apenas vai encarar o circuito profissional. Mas com planos ambiciosos para o torneio parisiense.

“Quero voltar aqui, jogar em uma chave de simples. Primeiro jogar o quali, subir no ranking da ATP e conseguir voltar para esses torneios mais importantes para seguir a carreira no tênis”, finalizou.