rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Bento 16 Catolicismo Igreja Itália Vaticano

Publicado em • Modificado em

Milhares de fiéis chegam a Roma para a beatificação de João Paulo II

media
Fiéis em frente ao cartaz gigante de João Paulo II, colocado na praça São Pedro, em Roma. REUTERS/Alessia Pierdomenico

Os fiéis já lotam as ruas da capital italiana. Entre 300 e 500 mil pessoas são esperadas para participar da cerimônia de beatificação do papa mais carismático da história da Igreja Católica. João Paulo II será proclamado beato amanhã, domingo primeiro de maio, pelo papa Bento 16.


A cerimônia de beatificação de João Paulo II está prevista para começar às 9h da manhã, horário local, 3h em Brasília, na Basílica de São Pedro, no Vaticano. O caixão com os restos mortais do papa, morto em 2 de abril de 2005, foi retirado da cripta do Vaticano na sexta-feira e será colocado no altar da Basílica de São Pedro. O caixão não será aberto, mas será exibido no local para que os fiéis possam venerá-lo após a beatificação pelo papa Bento 16.

Na noite deste sábado, um noite de vigília e oração será realizada no Circo Máximo, a antiga arena de Roma e hoje grande espaço verde no centro da capital italiana. Mais de 100 mil fiéis devem participar do evento. O ponto alto da vigília será o testemunho da religiosa francesa Marie Simon-Pierre. Ela tinha a doença de Parkinson e sua cura milagrosa foi considerada pela Igreja Católica o primeiro milagre de João Paulo II, possibilitando sua beatificação apenas seis anos após sua morte.

Enquanto as cerimônias não começam, os fiéis vistam as igrejas de Roma, todas abertas excepcionalmente neste sábado, e compram os diversos produtos com a imagem de João Paulo II vendidos pelos camelôs nas ruas da cidade.

Personalidades

16 chefes de Estado e cinco monarcas confirmaram presença na cerimônia de beatificação de João Paulo II. Entre eles, o controvertido presidente do Zimbábue Robert Mugabe, chegou a Roma neste sábado. O ditador Mugabe é proibido de viajar a países que integram a União Europeia, mas a interdição não se aplica ao Vaticano. A França será representada na cerimônia pelo primeiro-ministro François Fillon.