rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Noruega Homenagem Assassinato Vítimas

Publicado em • Modificado em

Parlamento norueguês homenageia vítimas do massacre

media
Parlamento norueguês (Storting) celebra hoje um ato em memória das vítimas do duplo atentado cometido no país. REUTERS/Erlend Aas/Scanpix

Dez dias após o massacre, o parlamento norueguês homenageou hoje as 77 vítimas do duplo ataque cometido por Behring Breivik. A cerimônia contou com a presença do rei Harald V e do príncipe herdeiro Haakon.


O presidente do parlamento da Noruega, Dag Terje Andersen, leu o nome das 77 vítimas do massacre. Fazendo uma referência a data dos ataques, ele afirmou que “a geração de 22 de julho é uma geração de heróis e de esperança que renova nossa crença nos valores fundamentais, de diálogo e tolerância.”.

Já o primeiro-ministro, Jens Stoltenberg, homenageou também em seu discurso o povo norueguês “que reagiu com responsabilidade, conservando sua dignidade e escolhendo a democracia.” Uma jornada nacional em homenagem as vítimas do massacre será organizada no dia 21 de agosto anunciou hoje o primeiro-ministro norueguês durante a cerimônia.

Investigação reforçada

A polícia norueguesa informou nesta segunda-feira que criou uma unidade especial dedicada exclusivamente às investigações dos ataques cometidos pelo extremista de direita Behring Breivik. “Essa é uma decisão rara, mas necessária devido ao grande número de vítimas e a complexidade desta investigação” justificou o procurador Paal-Fredrik Hjort Kraby.

Dezenas de celulares, máquinas fotográficas e computadores foram recolhidos pela polícia na ilha de Utoya, onde Behring Breivik matou 69 jovens que participavam de um encontro do partido Trabalhista norueguês. O responsável pelo inquérito informou que assim que a investigação avançar e que for possível essas provas serão devolvidas aos familiares das vítimas.

O duplo ataque do dia 22 de julho na Noruega deixou 77 mortos, 8 na explosão de um carro-bomba contra prédios do governo em Oslo e 69 na ilha de Utoya. A maioria das vítimas tinha menos de 25 anos.