rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Natação - Brasileira Etiene Medeiros é campeã do mundo dos 50 m costas

Espanha Governo Mariano Rajoy Crise Parlamento

Publicado em • Modificado em

Futuro premiê espanhol recebe apoio do Parlamento

media
Mariano Rajoy, eleito o novo premiê espanhol, após cerimônia na Câmara em Madri, nesta terça-feira. REUTERS/Sergio Perez

Os deputados espanhóis elegeram nesta terça-feira como chefe do governo o conservador Mariano Rajoy, que deve assumir suas funções na quarta-feira para colocar em prática um novo plano de austeridade e de reformas que devem tranquilizar os mercados. O político, de 56 anos, foi eleito, como se esperava, por 187 votos em um total de 350 deputados, após a ampla vitória de seu partido, o Partido Popular, nas eleições de 20 de novembro. Outros 149 deputados se opuseram à sua nomeação.


O novo premiê prestará juramento na quarta-feira ante o rei Juan Carlos, antes de anunciar a formação do seu governo, que entrará em funcionamento da quinta-feira. “Eu sei que as coisas não estão fáceis, que elas serão difícies. Mas eu tenho a vontade e a determinação de fazer a Espanha avançar”, declarou o futuro premiê logo após o voto. Ele avisou, entretanto, que o governo “ faz o que pode mas é evidente que não pode fazer absolutamente tudo”.

Na segunda-feira, ele prometeu realizar cortes de 16,5 bilhões de euros de custos públicos em 2012, para tentar conter o déficit espanhol. O país é um dos que mais sofre com a crise da zona do euro e pode ter que enfrentar uma recessão no início do próximo ano, em um momento em que registra taxas recordes de desemprego de 21,5% da população. O objetivo de redução de 6% do déficit em 2011 pode não ter sido obtido, advertiu Rajoy.

As primeira medidas do novo governo devem ser adotadas já no primeiro conselho de ministros, marcado para o dia 30 de dezembro. Uma das tarefas mais marcantes que Rajoy tem pela frente é tentar inserir na Constituição o pricípio da chamada “regra de ouro”, que prevê a obrigação de o Estado manter o equilíbrio orçamentário.